quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Liberdade de impressão

PapagaioO filho-da-mãe ferve em pouca água, dizia o meu parceiro de mesa entre duas dentadas na sandes de presunto, com os olhos postos na primeira página de um jornal que a ASAI proibiu como embalagem de castanhas.

O gajo é um sacripanta, um trafulha, basta ver-lhe as companhias e os tiques. Até já conseguiu acabar com a merda da livre expressão em Portugal.

E eu olhava de soslaio para o puto e pensava que se ele sonhasse rosnar aquilo há trinta e poucos anos atrás já estava engavetado e com uma chanfalhada nas trombas.

Frócas-se!
LNT
[0.066/2010]

10 comentários:

Anónimo disse...

E não é isso que queremos todos evitar?

CPrice disse...

.. e é de facto isso que todos queremos evitar. Ainda que pessoalmente eu ache que nunca estamos satisfeitos, acabando por dar muito pouco valor ao que temos que é tanto, mas tanto mais que os nossos pais tinham, e não estou, obviamente, a falar de meios financeiros, casas, carros e telemóveis.

T.Mike (Miguel Gomes Coelho) disse...

...ou então, se calhar, alistava-se...

mdsol disse...

Bem dito, sr, barbeiro. Incomoda-me isto de se invocarem certas coisas em vão!

[Por acaso até me parece que andam aí a espreitar uns cordeiros anafados que ...]

maloud disse...

Há trinta e tal anos comia e calava, que era um mimo!

Anónimo disse...

pronto, agora só porque há trinta e poucos anos não se podia dizer nada, temos hoje que tolerar tudo destes ditardorzecos encapotados e socretinos.
não sejam tão lambe-botas. daaa-se.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Como diz a maloud, há trinta e tal anos olhava em redor, mesmo antes de se pronunciar sobre um alegado penalty que o árbitro não marcou contra uma determinada equipa.
O espectáculo mais degradante, porém, é ver jornalistas acusarem o governo de censura, esquecendo ( ou fingindo) que se trata de uma medida judicial. Com jornalismo assim, um dia vamos tr mesmo censura.
Nessa altura, esses jornalistas ( alguns com idade para ter juízo) vão ver o que é fazer jornais sujeitos a exame prévio. Simplesmente ridículos!

Anónimo disse...

cuidado... será que alguém ouviu a conversa e vai publicá-la e culpar o PM de obstrução à liberdade de Imprensa? Nunca se sabe :)

Joaquim Lucas disse...

Fala-se de barriga cheia, porque sim e porque não, sem substância e muita leviandade. Cria-se factos com base em rumores, acusa-se porque ao fazê-lo se sentem membros integrantes de uma nova linhagem de 'não alinhados'. Mas têm cor. Claro que têm.

fatbot disse...

" Casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão." Um fim-de-semana tão tranquilo quanto possível.Um até SEMPRE