terça-feira, 16 de março de 2010

E no entanto eles existem

Rebanho - TunickJá adivinho o barbudo a contorcer-se na cadeira escondendo os tiques que lhe ficaram do tempo em que adorava o-Sol-que-nunca-se-deita e dormia com o livrinho vermelho debaixo do travesseiro, explicando uma vez mais ao Costa que não se pode confundir claustrofobia de expressão com o dever de estar caladinho e sossegado durante sessenta dias, tentando esquecer que o menor sujeita-se ao maior e que uma lei privada não pode contrariar a lei fundamental.

Ou pôr aquele seu ar de mestre-escola quando, e se, Costa lhe perguntar se boa moeda é aquela que se multiplica sem que o economista dos economistas esteja interessado em saber por que raio as catacumbas do BPN produziam o milagre da multiplicação dos cobres.

Já adivinho o barbudo a dissertar de novo sobre o anonimato na blogos(fera), sentado na última fila da arena de São Bento, rejubilando da garotice de ter um líder que não tem assento na sua bancada porque ele assim o quis.

Já o adivinho no Ponto.Contra, de olhos em alvo, a dizer que só sabe que não falará do que não conhece, como se daquilo que conhece, cogita e congemina, falasse.
LNT
[0.106/2010]

4 comentários:

Para que Serve? disse...

Estimado,
É um prazer contactá-lo e em primeiro lugar elogiar pelo bom blog que expõe a todos nós, leitores.
Envio este coment para anunciar a abertura de um novo blog, o "Macaquinhos no Sótão". http://osmacacosdosotao.blogspot.com/
Um blog pensado há muito, mas que só agora decidi abrir.
Gostaria muito de contar com a sua ajuda na promoção deste blog, colocando o link se possivel.
Como é claro, retribuirei sem piscar os olhos em colocar o seu link na minha página!
Espero uma resposta sua.

António Costa disse...

Luis

Uma coisa que me "mete" alguma impressão e faz uma certa confusão, é o tempo que se perde a ouvir ler e comentar tão insignificante pessoa, por mim ele fala para o vácuo.

maloud disse...

Penso que o barbudo cada vez tem menos audiência. Não há pachorra para tanta desonestidade intelectual.

mdsol disse...

Sr. Luís da Barbearia,
Já vi que o aprecio tanto como o Sr. Barbeiro o aprecia. Como diz muito bem a Maloud, não há pachorra.

:))