terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Sempre a aculturar

Burka - olhosFalamos sobre os outros como se falássemos sobre nós e com o atrevimento ignorante de quem se permite julgar.

Falamos sem sequer perceber do que falamos, sem entender a cultura de quem falamos, convencidos de que isso é cultura.

Falamos do Egipto à nossa luz, e ainda assim só com a luz que temos da cultura com que dormimos, porque pouco sabemos das culturas, até daquelas com quem dividimos o nosso País.

É por isso mesmo que ao olharmos para as ruas do Cairo achamos que aquilo é um vinte e cinco de Abril perfumado com jasmim.

Não conseguimos entender para onde eles irão (nem eles o saberão). Não alcançamos a cultura para além do museu destruído num museu feito nação, numa nação de escravos que constroem há milénios as peças desse museu. Estranhamos a mulher de burka cerrada que ontem apareceu em grande plano a gritar liberdade e democracia. E julgamos sempre as sombras moldadas na cruz como se houvesse uma cultura universal, uma só liberdade e uma só democracia.
LNT
[0.020/2011]

2 comentários:

folha seca disse...

Caro Luis
Já por aqui passo há uns tempos, mas só hoje marquei presença na lista de seguidores.
A propósito do post. Concordo com a forma sintética e lúcida como expõe a situação. Nada está defenido à partida e ninguem sabe onde será a chegada.
Cumprimentos
R.Manuel

Luis Novaes Tito disse...

Bem-vindo.
Abraço.