segunda-feira, 2 de maio de 2011

Mataram o Bin, pá!

Bin LadenRadical no princípio absoluto de ser contra a pena de morte, reconheço não sentir pena nem piedade.

Tento arranjar justificação para a minha incoerência pretendendo manter intacto o repúdio contra a pena de morte:


1.- Sem saber pormenores, quero pensar que foi morto em legítima defesa;

2.– Sabendo que não foi morto em acto de guerra porque os aliados não estão em guerra com o Paquistão, quero imaginar que alguém do comando de ataque terá dado cumprimento ao célebre Miranda Warning - You have the right to remain silent. Anything you say can and will be used against you in a court of law. You have the right to speak to an attorney, and to have an attorney present during any questioning. If you cannot afford a lawyer, one will be provided for you at government expense;

3.– Sabendo que a morte do terrorista não foi o fim do terrorismo e que só representa um ajuste de contas à maneira do velho western "Wanted, dead or alive" espero que paguem a recompensa ao caçador de cabeças;

4.– Sabendo tudo isto, sem nada saber de concreto, fico na expectativa de explicações que me sosseguem a coerência.

Entretanto, oxalá nenhum tubarão mastigue tão miserável cadáver.
LNT
Também a ler: Paulo Pinto
[0.149/2011]

2 comentários:

pro.benfica disse...

Não há uma guerra contra o Paquistão, mas contra o terrorismo.

Luis Novaes Tito disse...

àh sim? E onde é essa guerra?