segunda-feira, 25 de julho de 2011

Da amoralidade

Laço pretoHá assuntos sobre os quais reflicto, falo, mas raramente escrevo. Não vos sei explicar porquê, talvez porque a brutalidade, porque a desumanidade e porque a aberração ultrapassam toda a minha compreensão e me bloqueiam as letras.

Nada, nem mesmo a violência, nem a loucura, nem a guerra me deixam nesse estado.

Em memória dos inocentes da Noruega nem sequer evocarei o entendimento, porque a morte que lhes foi provocada não é bem, nem mal, só um acto de amoralidade que ultrapassa todos os meus limites de racionalidade e me fazem perigar a coerência da defesa intransigente do direito à vida.

O que se passou na Noruega abalou-me como se se tivesse passado na minha rua. Os crimes contra a humanidade não têm limites, nem jurisdição, nem fronteira.
LNT
[0.301/2011]

2 comentários:

fatbot disse...

:( Grande VERDADE! Assino por baixo! Ninguém está livre de uma CALAMIDADE destas! :(

ANTONIO Valentim disse...

TAMBÉM eu, aqui do Brasil, assino embaixo. Os crimes contra a humanidade não têm limites nem fronteiras, raça ou credo.