quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Assombrações e delírios

MorteCom o medo que assola os nacionais cada vez que se anuncia uma intervenção do Ministro dos Impostos na comunicação social, fiz mal em me ter repimpado na poltrona para ouvir a converseta do Vítor Gaspar.

Fiz mal, por duas razões, a saber:

1ª – Porque não resisti a adormecer com o palavreado ritmado, codificado em economicês; e
2ª – Porque antes de adormecer fiquei incomodado com a ideia de que ele está mesmo convencido que é esfolando os portugueses até ao osso, ou à maneira do Forte Apache – arrancando-lhes o escalpe - que vai conter os gastos de importação e a concessão de créditos ao consumo.

O Ministro dos Impostos recusa-se a ser um Ministro das Finanças.

O Ministro dos Impostos, mesmo com o humor que se lhe conhece, é implacável na sua linguagem de trapos e esperto suficiente para falar com um sotaque que deixa aqueles que espolia, espoliados também das suas razões. O Ministro dos Impostos já aprendeu com Pedro, o Incendiário, a dizer uma coisa de manhã e outra à noite. O Ministro dos Impostos usa a técnica do soporífero para nos deixar em estado de contemplação e anestesia. O Ministro dos Impostos devia formar uma seita religiosa daquelas que põem os crentes a puxar pelos cabelos antes de terem desmaios para que lhes possam ir ao bolso enquanto deliram com as mãos ocupadas.

O diz que disse:
Traduz uma necessidade de prudência, dada a inexistência de margem de fracasso.
(Conferência de Imprensa 2011.07.14)
Seria inaceitável estar a pedir sacrifícios aos portugueses por razões de prudência.
(Entrevista à SIC de 2011.09.06)
LNT
[0.354/2011]

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Luis.
Começo a convencer-me que a razão está do meu lado, quando defendo que o nome Forte Apache radica naquela favela de Buenos Aires onde nasceu Carlitos Tevez.

Luis Novaes Tito disse...

Caro Carlos
Mesmo tendo lido o Crónicas, penso que a ideia do nosso Forte Blogueiro é mais próxima do meu texto.
Cavalaria gringa e índios pisteiros. Todos entrincheirados no forte à espera de que a Nação Apache lhes dê uma catrefada de porradas.