segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

What's up, Doc?

Bugs BunnyPedro Passos Coelho esteve em silêncio durante uns dias. Consequência: O PSD subiu nas sondagens. É sempre assim quando PPC fica calado.

Mas PPC, que segundo alguns comentadores políticos está em fase de aprendizagem (sem nunca dizerem de quê e para quê), detesta ver o seu Partido com pretensões a chegar ao poder com maioria absoluta e voltou a falar para reconhecer as suas limitações.

Dizia ele, se bem ouvi, que limitar o vencimento dos gestores públicos ao ordenado do Presidente da República *, era promover o clientelismo e a incompetência porque os melhores recusariam assumir lugares nas empresas públicas.

Estando ele na corrida para ser Primeiro-Ministro, que ganha menos que o Presidente da República, ficamos esclarecidos sobre a sua competência, não é?

* O actual Presidente da República, tendo sido obrigado a optar entre o vencimento do cargo ou as suas reformas, optou pelas reformas por elas serem superiores ao vencimento de Presidente da República.
Fica a lembrança só para se ter uma ideia da espoliação feita aos contribuintes a favor do pagamento de pensões vitalícias superiores ao vencimento do mais elevado cargo do Estado.
Há que nascer duas vezes...

LNT
[0.072/2011]

Quando a cabeça não tem juízo

Oscar

E o óscar na categoria da Parvoíce vai para Luís Tito por ter estado a ver aquela xaropada e a ouvir os comentários sem sentido da TVI em vez de ter ido dormir.


LNT
[0.071/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXI ]

Genebra
Genebra - Suiça
LNT
[0.070/2011]

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Carnívoros e colesterol

Lombo e cogumelosDuas frigideiras. Uma com tampa para os cogumelos selvagens.
Na que não tem tampa, óleo, para aquecer muito e selar a carne que não pode perder os sucos.
Na outra, pouco azeite, cebola e alho picado, dois cubos de tomate, pimentos picados (pouco).
O bife de lombo é temperado com flor do sal, alho esmagado, ervas, pimenta partida e coentros moídos à mão.

Estrugir o conteúdo da frigideira com tampa. Depois de feito, um pouco de Porto. Deixar evaporar, juntar os cogumelos selvagens. Voltar a tapar. Esperar. Rectificar temperos. Tirar do lume. Juntar natas espessas. Misturar. Voltar a tapar.

Aquecer bem o óleo na frigideira sem tampa. Atirar para lá os nacos de lombo até criarem crosta, voltar e empratar.

Tirar a tampa dos cogumelos e vertê-los sobre o bife no prato. Servir sem esperar.
O tinto alentejano com cabernet sauvignon amacia a coisa.
LNT
[0.069/2011]

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Mon dada c'est la danseuse

MagritteDéjà tout gosse, dans les coulisses, / Je passais mon temps sur les cuisses / Des belles danseuses électrisées / Des strip-tiseuses m'hypnotisaient / Déjà gosse, est-ce par hasard? / J'aimais les plumes et les plumards.

S'il faut que les enfants grandissent / J'en connais qui gardent leur vice / Leur vice ou bien leur obsession / Je vous laisse le choix du nom / Est-ce mal ou bien? Ou bien, j'en sais rien! / En tout, cas, j'ai gardé le mien.

Certains préfèrent les plisseuses / D'autres aiment mieux les blanchisseuses / Les brodeuses, couseuses ou lisseuses / Moi, mon dada, c'est la danseuse!

Dans un frou-frou de fanfreluches / Les danseuses vivent en ruche / Ca bourdonne et ça prend son miel / Sur le pigeon providentiel. / Maman avait peur quelquefois / Que le pigeon, ce soit papa. / Dans ma mémoire, se déforment / Des mamelons de toutes formes / Seins lourds, seins bombés / Seins pointus, fesses rondes à ras du tutu, / A dix ans, ça m'faisait rougir / Maintenant, je sais m'en servir!

Dentiers branlants, perruques en berne / Les vieux beaux venaient par douzaines / Suffoquant dans leurs vieux habits / Offrir des fleurs ou des rubis. / J'en ai vu qui étaient tellement vieux / Qu'ils mouraient en rentrant chez eux / Dans la pénombre des coulisses / Certains soirs des corps se blotissent / Parmi les habits de couleurs / Des danseuses avec des danseurs / J'ai même surpris, quelle horreur!

Serge Lama et Jean-Claude Petit

LNT
[0.068/2011]

A água faz rãs

RãEsta frase do título é mais um dos muitos mitos que a língua portuguesa, agora em atentado ortográfico, inventou para nos vender outros vícios. Quer ela (a frase) dizer que é preferível beber vinho, o suco fermentado que o Botas afirmava ser o sustento de milhões de portugueses, do que manter a cabeça fresca. Um povo bêbado não chateia, mesmo sabendo que o que faz as rãs são os seus progenitores.

Vem isto a propósito de uns pensamentos estranhos que de vez em quando se bissectam pelas salas desta vossa barbearia.

A Helena surpreende-se, na caixa de comentários do registo 64, com o comportamento egípcio de Westerwelle, de Cameron e de Ashton admirando-se também com o estado da União. E eu estranho a Helena, mulher inteligente e fina que nem um pardal, por ter ainda o preconceito de reconhecer que isto já deixou de ser uma União há muito tempo, mais precisamente desde que se iniciou o caminho para o 4º Reich.

Pegando nos dois dedos de conversa sobre os três melros acima citados basta seguir as pistas para se perceber que o apetite é mais lato do que o Cairo e que no outro lado do Atlântico não se anda a dormir.

É aqui que a bissectriz se traça e, usando a Competitive Intelligence para levantar as pontas ao véu luso deixando de lado a ponta das burkas desviantes, o caminho deixou de ser atlântico para passar a interoceânico.

Confuso? Talvez pareça, talvez seja, principalmente para as elites papagueantes do regime que se preocupam mais em citar mortos do que em produzir pensamento que nos mantenha atentos.
LNT
[0.067/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLX ]

Gorongosa
Gorongosa - Moçambique
LNT
[0.066/2011]

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Outros voos

Águia

LNT
[0.065/2011]

O voo da borboleta

BorboletaSempre que passo por Berlim trago de lá alguma coisa que me interessa. Podia pegar nas alternativas mas deixo isso para os entendidos. Fixo-me na coisa da tenda e convenço-me de que é realmente assim: Nada fiz para que se reduzisse a dependência nacional de gente que à nossa pála manda passar os seus a pente de cartucheira. Sinto-me miserável por ter contribuido para os beijos e abraços que ecoaram daquilo que não deveria ter sido mais do que um bacalhau entre cliente e fornecedor.
E, se os baixinhos precisam de esticar mais o pescoço para mamar nas tetas da vaca, ao menos evitem engolir tanto ar e mordiscar a teta para que, da sofreguidão, não venham a bolsar o leite em excesso e o sangue que causam.
LNT
[0.064/2011]

As gaivotas não se empoleiram nas árvores

GaivotaUm assunto: Foi preciso andar todos estes anos distraído para só hoje ter reparado que as gaivotas não se empoleiram nas árvores. Quando passei na Praça de Espanha, perto do arco, reparei numa árvore com pombos, gaios, pardais, melros e restante passarada. As duas gaivotas que voavam em círculos, quando tinham de descansar, aterravam. A membrana entre os dedos retira-lhes a veleidade do galho, torna-as diferentes e, ainda assim, deixa-as intocáveis no porte e na elegância.

Gosto de gaivotas. Comem o que houver para comer, não se deixam ir em cereais e grãozinhos, voam mais alto do que a maioria das aves que se empoleiram e aterram com dignidade, nada parecido com o melro pimpão que, para as imitar, fez uma aproximação ao relvado e acabou espalhado no meio das ervas.

Outro assunto: As moções para o Congresso do PS já estão aí.

Assunto final: No princípio da Primavera as árvores começam a ter folhas. Dificulta um pouco o empoleiramento mas a passarada sente-se mais protegida.
LNT
[0.063/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLIX ]

Mar Ericeira
Mar bravo - Ericeira - Portugal
LNT
[0.062/2011]

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Olá Zeca

José AfonsoQuem diz que é pela rainha
Nem precisa de mais nada
Embora seja ladrão
Pode roubar à vontade
Todos lhe apertam a mão
É homem de sociedade

Acima da pobre gente
Subiu quem tem bons padrinhos
De colarinhos gomados
Perfumando os ministérios
É dono dos homens sérios
Ninguém lhe vai aos costados
José Afonso

LNT
[0.061/2011]

Lágrimas de crocodilo

Lágrima de CrocodiloMuitos dos mesmos, mesmíssimos, que agora carpidam os líbios, fizeram fila para entrarem na tenda do facínora que, para eles, deixou de ser um terrorista por ter mandado pagar (sem nunca ter sido julgado) as indemnizações aos familiares dos inocentes que condenou à morte nos céus da Escócia.

A geração do "hoje somos todos (qualquer coisa)" – penso que hoje sejam todos líbios e usem a foto da bandeira Líbia no seu avatar do Facebook – é ainda por cima normalmente selectiva e, se atirou todo o género de impropérios ao octogenário do Egipto que, mesmo sendo ditador, não mandou chacinar os seus contestadores, insiste que o septuagenário da Líbia é um revolucionário e não um terrorista.

Aqui, na Barbearia, os bois têm nomes e, tirando o Pedro Correia e mais meia-dúzia de bloggers, "não tenho de memória" de que há quatro anos o choro tenha sido tão forte.
LNT
[0.060/2011]

Ganhar-tempo

Brent LynchDe todas as expressões parvas, a mais parva e esbanjadora de todas (a seguir ao vale-o-que-vale, e à sociedade-civil), é a de ganhar-tempo.

Ganhar-tempo é uma aberração porque o tempo perde-se com a mesma lógica que cada segundo passado é menos um segundo para a morte.

Normalmente a expressão ganhar-tempo não é mais do que perder tempo e só serve para empatar.

Qualquer coisa do género:
"Meus caros, o trabalho está a apertar. Vamos dilatar o prazo para ganharmos tempo e podermos fazer isto mais descansados", ou
"enquanto os gajos não desembarcarem na Portela vamos ganhando tempo".
LNT
[0.059/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXVIII ]

Mar - Serrão
Mar - Portugal
LNT
[0.058/2011]

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Amazonas de camelos

Amazonas de KaddafiAfinal parece que o beduíno ainda não marchou para o colo do Chavéz. Consta nos meios diplomáticos que tem qualquer coisa a ver com o computador infantil que aguenta bombardeamentos, mas que ainda não contém a tenda do deserto nem as amazonas que lhe protegem o back, office.

Mesmo depois de Chavéz ter assegurado a el-Kaddafi que pretende igualar no poder Castro e dos Santos, o que garante a son amie Muammar poder ir para os braços das setenta virgens depois de longa e próspera vida terrena nas cataratas Parekupa-meru, o turra do 747 de Lockerbie diz que ainda não se sente preparado para abandonar o povo líbio que ele ama até à morte.

Entretanto a GALP, cheia de nervos, rói as unhas.
LNT
[0.057/2011]

As mazelas

Leão pataA carga que os listados desferiram ontem na PSP está ainda por explicar. Adultos, jovens e crianças em fúria, possivelmente perfumados com o jasmim da moda, como não conseguiam expulsar os diabos que os incomodavam, atiraram-se à polícia como gato a bofe e espatifaram o lote mais colorido das cadeiras que só eles sabem porque usam, em vez de ficarem em casa.

O leão assarapantado com tais desacatos já pediu à direcção cessante e à outra que ainda não se conhece mas que também há-de cessar, que abra um inquérito para apurar os factos. O bicho tem as patas cheias de picos. Não há quem lhos tire e, como o que se passa dentro das quatro linhas não interessa nada porque nada de interesse lá se passa, abriu a caça ao chui, desporto em moda no Magreb e nos raianos, em tempos memoráveis, confiscados aos sarracenos.

Como dizia um alarve que ontem foi caçado pelas câmaras da TV, os "ranhosos" não interessam nada. Hão-de ser sempre "ranhosos", o que constitui uma espécie de afirmação indexada à outra máxima da semana: - para se ser educado não basta ser rico.

O que isto está mesmo a precisar é que o Bundestag tome conta da praia e biqueire com a bota cardada o cu da Europa.

Hoje somos todos lagartos. Velada no Camões. Cuidem dos felinos. Libertem os prisioneiros, já!
LNT
[0.056/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXVII ]

Janela
Sharon Stone - Basic Instinct - USA
LNT
[0.055/2011]

sábado, 19 de fevereiro de 2011

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Chapéus há muitos

Chapéu

O mapa oficial dos resultados das eleições presidenciais de 23 de Janeiro, publicado hoje em Diário da República, refere um total de 4.431.849 votantes, menos 60.448 do que o inicialmente anunciado,4.492.297.
O documento foi aprovado pela Comissão Nacional de Eleições, com dois votos a favor, dois votos contra e duas abstenções, tendo o presidente, Fernando Costa Soares, exercido o voto de qualidade, sendo apontadas nas declarações de voto da reunião "incorrecções" e "erros" no apuramento geral da eleição.
(...)

Também o número de votantes eleitores inscritos é diferente, 9.543.550 contra os 9.656.797 anunciados no portal http://www.presidenciais.mj.pt na noite eleitoral, o que faz com que os seis candidatos registem todos um menor número de votos.
Assim, Cavaco Silva, reeleito para um segundo mandato como Presidente da República, perde 22.376 votos em relação aos resultados divulgados na noite eleitoral, Manuel Alegre 14.657, Fernando Nobre 10.486, Francisco Lopes 7.778, José Manuel Coelho 1.255 e Defensor Moura 337.

Isto somado aos casos de eleitores que não puderam votar é um caso de se lhe tirar o chapéu. Ou uma bela chapelada, como queiram. Tratem de ter respeitinho, estar caladinhos e não fazer ondas sff.

Nota para um comentário que caiu neste Blog:

Um alerta para todos os apoiantes do Manuel Alegre.
Na freguesia de Cacilhas-Almada Manuel Alegre teve 751 votos, segundo edital colocado na porta da junta.
Pasmem... Se forem ao site da CNE ver os resultados oficiais, Manuel Alegre em Cacilhas só tem 113 votos. Onde foram parar os restantes votos dos cidadãos de Cacilhas que votaram Alegre?
E será só em Cacilhas que há este erro?
Em primeiro lugar, há que exigir que a CNE corrija os números de Cacilhas.
Em segundo lugar, deveria de haver uma fiscalização rigorosa, para se ter a certeza, se os votos expressos em Alegre em cada Junta de Freguesia, correspondem na realidade aos números que a CNE tem divulgado.
Compete aos apoiantes de Alegre fazerem rapidamente esse trabalho, pois os editais na porta das juntas são tirados ao fim de uma semana, e depois será mais difícil dar com os gatos.
26 de Janeiro de 2011 22:34

Há silêncios tão silenciosos que nos dão cabo da moleirinha. Porque será que tudo isto não tem outro tratamento na comunicação social?
LNT
[0.053/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXVI ]

Janela
Campo Grande - Lisboa - Portugal
LNT
[0.052/2011]

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Pro memoria

Soares é fixe

LNT
[0.051/2011]

Há títulos que valem uma fortuna

BatonPortugal foi hoje, mais uma vez, às compras para amortizar juros do empréstimo anterior.

Teve boa recepção (1,9 vezes superior à oferta) e um juro abaixo do que se esperava, mas ainda assim acima do juro médio cobrado na zona Euro o que, em conjunto com a recessão anunciada também hoje pelo GBP, inevitavelmente fará com que dentro de algum tempo tenha de voltar às compras para pagar o capital e os juros de agora.

Tudo normal, portanto. Respire-se mais uma vez de alívio porque enquanto o pau vai e volta sossegam as costas e pode continuar a pagar-se, por mais uns tempos, milhões em reformas milionárias e a sermos um País do Mundo onde o Presidente da República vive da(s) sua(s) pensão(ões) por ser mais valiosa que o ordenado do cargo que desempenha. Haja Mubarakes (africanos, árabes ou orientais) que mandem os especuladores às ortigas e se apresentem ao negócio e ao preço acordado.

Fala-se de tudo isto no Económico e o título que vale milhões reza que "Alemanha deixa Portugal na mão dos especuladores" como que a fazer crer que essa mão não tem dedinhos germânicos e que as unhas desses dedinhos não começam a revirar-se na fúria de não conseguirem levar a sua avante.
LNT
[0.050/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXV ]

BA1 - P1/74
BA1 - Granja do Marquês - Sintra - Portugal
LNT
[0.049/2011]

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Relevâncias

Proibido afixarQue parvo que eu sou, que até para estudar tive de trabalhar.

Adelante!

Estava para aqui a pensar que nunca fui a Cuba e que quando fui a Angola aquele território ainda era uma colónia da metrópole. Dizem-me que a coisa por lá, por Varadero, é tão boa para os turistas como Sharm El Sheikh e que por lá, por Luanda, nem sequer chega a ser tão boa para os turistas como a Reboleira. Aguarda-se um cafezinho na Brasileira para reclamar que hoje somos todos cubanos e angolanos.

Adelante!

Vi há pouco aquele Ministro que fala como o Primeiro a dizer que está provado que a questão das dificuldades no dia das eleições se ficou a dever a problemas com a informática do Ministério da Administração Interna. Sempre estive convencido que teria a ver com problemas de informática do Ministério da Agricultura. Agora fico mais esclarecido. Agradecido também à Universidade do Minho que foi muito importante para desfazer este imbróglio.

Adelante!

No dia da tomada de posse do Presidente 5 contra 1 também vai haver uma tribuna para o clã acenar ao povo?
LNT
[0.048/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXIV ]

Barcelos
Barcelinhos - Minho - Portugal
LNT
[0.047/2011]

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Delitos

Bloguítica e Delito de OpiniãoEm muitos anos de bloga há momentos que importa reter.

Um deles, irrelevante para muitos, foi o que um dinossáurio bloguex revelado nas noites de doutoramento belga entendeu fazer colocando agora como blog da semana esta vossa casa de tosquia.

Não tanto pelo destaque, coisa que no Delito de Opinião é praxe, mas pelo que o Paulo Gorjão disse. O barbeiro sente, por ser filho de boa gente, e agradece.

Longe vão os tempos em que éramos meia-dúzia e os Facebook e Twitter não nos faziam eco e não nos desviavam clientela. Longe vão os tempos em que éramos só uma mão cheia de excêntricos desprezada pelos políticos e pela CS.

Grande abraço, Paulo, e obrigado por também teres dado uma Bloguítica ao pioneirismo desta coisa.
LNT
[0.046/2011]

Colaborador da Semana [ C ]

ColaboradoraNão seria possível que este dia dos namorados, data de comemoração em que São Valentim perdeu a cabeça, passasse sem que as colaboradoras viessem à liça.

Arredias destas letras não estão esquecidas e se não têm aparecido é porque os seus afazeres colocam-nas noutro patamar de exposição.

Num prémio tardio, mas ainda a tempo, deixo a menção que merece esta semana a Louçãzoska, uma das nossas moçoilas mais bem dotadas e experiente nos prazeres da censura que enlouquecem a nossa selecta clientela ansiosa por carinhos e prazeres conseguidos pela negação.

Em nome dela, que todas as outras namoradas de Portugal se sintam homenageadas.
LNT
[0.045/2011]

Encontro no teu olhar

Maria Teresa Loureiro

Abro os olhos lentamente
Não sei onde me encontro, nem como vim aqui parar, parece ser o espaço de um antigo salão de chá, as mesas de ferro e as cadeiras estão cobertas por uma película de pó e no chão distinguem-se marcas de pegadas que se sobrepõem
.

Depois de amanhã (16 às 18:30h), na Bertrand das Amoreiras, Eduardo Pitta vai fazer a apresentação do livro Encontro no teu olhar, uma obra de Maria Teresa Loureiro.

Diz-nos a autora que "quem não aparecer, não sabe o que perde" e eu respondo-lhe que "vou tentar aparecer para ficar com a ideia do que perderia se lá não fosse"
LNT
[0.044/2011]

Gangrenas

Cão com colarGosto pouco de lamber as feridas. Sei que é assim que os cachorros as tratam mas prefiro, neste caso, ser humano.

No entanto, há quem continue a entender que, por ter feridas que não cicatrizam, se deve continuar a enchê-las de baba. Espero que essas mazelas não culminem em gangrena.

Lê-se no da Literatura, VPV dixit, sobre o BE que: "Primeiro veio a campanha de Alegre, uma jornada sentimental absurda, que previsivelmente acabou num vexame."

Este "previsivelmente" de que VPV fala é tão previsível como todas as manipulações que ele e muitos outros fizeram nas televisões e jornais ao, invariavelmente, iniciarem as suas análises no período de campanha com um vago "o Cavaco já ganhou" e o "Alegre é o candidato do BE". Tanta vez o fizeram que os resultados foram aquilo que se viu tendo os eleitores deixado a decisão na mão de terceiros que fizeram eleger um Presidente previsível, mas por uma votação que, embora sem discussão de validade, não reúne a expressão nacional e representa o mal menor da direita. A "jornada sentimental absurda" a que VPN se refere foi uma acção da razão e só é absurda para ele e para os que como ele pensam. Se o BE, o PS ou o MRPP a apoiaram, nunca foram seus donos. Alegre sempre foi claro quando agradeceu os apoios explicando que, apesar deles, a base da sua candidatura resultava de uma plataforma de esquerda e pretendia, numa segunda volta, reunir todos os que defendiam um modelo social que incluisse o SNS, a educação pública e a segurança social.

Continuar a fazer, como VPN e outros, a colagem de Alegre ao BE é, além de desonesto e fantasioso, coisa difícil de "compreender por qualquer pessoa com QI acima de 50".
LNT
[0.043/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXIII ]

Ilha Deserta
Ilha Deserta - Algarve - Portugal
LNT
[0.042/2011]

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Do deserto do Jamé aos camelos de Louçã

PiranhaJá cá faltava o Louçã a fazer comparações entre o que se passa no Egipto e em Portugal.

Esqueceu-se de que há algo muito importante que diferencia as coisas. É que o Egipto é uma ditadura (ainda é, mesmo apesar de haver um monte de gente que pensa que deixou de ser) e que Portugal é uma democracia.

Quando o disparate não basta (moção de censura que, ao não ser aprovada, será um novo fôlego para o actual governo), acrescenta-se novo disparate porque o que isto está a precisar é de demagogia ao quilo.
LNT
[0.041/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXII ]

Covento Nossa Senhora da Assunção
Pousada de Arraiolos - Capela do Convento - Arraiolos - Alentejo - Portugal
LNT
[0.040/2011]

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

محمد حسني سيد مبارك‎

Batalha Aérea

Muhammad Hosni Sayyid Mubarak é um falcão. Piloto de caça-bombardeiros com larga experiência de voo e combate e formação especial na antiga União Soviética, conhecedor profundo da arte bélica e da estratégia militar, controla as suas unidades militares a quem paga ao preço do ouro.

Mubarak é um sobrevivente de diversos atentados. Um aliado da NATO a quem tem prestado apoios importantes apesar de ter sido contrário à invasão do Iraque e um garante da estabilidade mínima indispensável no médio-oriente e do "desentupimento" do Canal do Suez.

Mubarak, um marechal do ar, mantém o comando do seu avião numa rota armada e com os rockets em estado de prontidão. Vai levar a sua missão até ao fim.

Os alvos estão bloqueados. Só aguardam a pressão do botão vermelho.
LNT
[0.039/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLXI ]

Lucky Luke
Lucky Luke
LNT
[0.038/2011]

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O tanque dos patos - fouetté en tournant

ManequinsEstranho que Paulo Portas não tenha, nos últimos dias, ensaiado qualquer fouetté en tournant no grand pas de deux que tem proposto a Passos Coelho.

Cavaco, por já não necessitar de votos, usou pela primeira vez as suas prerrogativas para inviabilizar politicamente a troca de viagra por pílulas semelhantes, dando a entender que o genérico a ser utilizado no segundo mandato será muito mais erectivo do que todos os paliativos a que deu uso nos últimos cinco anos.

Paulo Portas é um conservador assistencialista, um ballerino defensor dos tutus na dança clássica, um especialista em pas de bourrée que, como mandam as leis do ballet, termina inevitavelmente a demi plié. No entanto prepara a sua pirouette à la lapin, pressionando com o "vite, vite" porque o chamamento do mar é forte e os submersíveis já estão no Alfeite. Deve ter gostado do que viu Cavaco fazer. Deve estar louco para a coda, a grande finale, que julga já estar a encenar-se para os salões da Ajuda.

Embora lhe salte o pezinho para a asneira deixou-se ficar, desta vez, em demi-pointes.

Como a farmacêutica não é a lavoura, decidiu proteger as unhas.
LNT
[0.037/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLX ]

Aníbal Afonso
Aníbal Afonso - Portugal
LNT
[0.036/2011]

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Afinal não votarei em Sócrates - declaração de voto

Sócrates AdidasAfinal, pensando bem, ainda não será desta que proporei, e nem sequer votarei, em José Sócrates.

Continuarei a votar (consciente e orgulhosamente) no Partido Socialista, como sempre votei, mas continuarei a não ser eleitor de Sócrates. E como só há uma altura para não votar em Sócrates, que é quando ele se candidata a Secretário-Geral do PS, lá terá de ser.

No entanto espero que Sócrates tenha, se não 100% dos delegados no Congresso, pelo menos 99%. Espero que a sua lista seja mega-hiper-extra maioritária, coisa a rondar a unanimidade, mesmo que os delegados se apresentem em dezenas de listas diferentes e contraditórias nas mesmas estruturas.

E antes que me desafiem a candidatar-me a Secretário-Geral (coisa vulgar cada vez que alguém do PS diz que não é apoiante de Sócrates) informo desde já que não serei candidato.
LNT
[0.035/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLIX ]

Fernando Valle
Fernando Valle - Portugal
LNT
[0.034/2011]

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Riscos

Maria José BritoÀs vezes sento-me no parapeito da minha janela do décimo sexto andar para fumar um cigarro e insistir com o meu pensamento que uma e outra coisa podem fazer percepcionar riscos demasiadamente fortes.

Faço-o conscientemente sabendo que um desequilíbrio será tão fatal como o cigarro que fumo, embora a queda seja menos provável que o cancro. No entanto todos se preocupam ao ver-me sentar no parapeito e os poucos que se preocupam com o cigarro fumado sobressaltam-se mais com o incómodo que lhes faço do que com aquilo que, garantidamente, me irá provocar a morte.

Estranho porque a possibilidade de cair do parapeito é tão remota como a de cair da cadeira onde me sento para lhes escrever este texto.
LNT
[0.033/2011]

Injustiças

Azlejos

Ana Benavente desancou no Sócrates.

Grande coisa! Todos os dias milhares de pessoas o fazem embora não sejam de bons ventos e isso não lhes dê o direito de sentirem o ódio de quem nunca perdoa a quem, sendo benavente, o faz.

Mundo injusto este onde até para se ser odiado por cascar no Sócrates é necessário ser de bons ventos ou de comer a dois carrilhos.
LNT
[0.032/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLVIII ]

Paula Rêgo
Jorge Sampaio - Paula Rêgo - Portugal
LNT
[0.031/2011]

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Vidrinhos

Carlos AlonsoTodos temos os nossos dias vidrinhos. Parece que a coisa está por um fio e que esse fio é tão ténue que pode partir sem qualquer aviso. Ao longo de uma vida já devo ter tido alguns desses dias, não muitos que foi sempre preciso andar para a frente, para o lado e até para trás, sem haver muito tempo para vitrais a não ser os de contemplação entre uma hóstia e outra (os castelhanos escrevem de forma diferente) à procura de soluções.

Mas hoje sinto-me assim. Por um fio, com o fio torcido, retorcido, esticado e moído.

Não sei se foi da conta do dentista e do atraso provocado para chegar ao trabalho, se foi por ter acordado vivo, se foi por causa do sabonete do banho estar quase transparente ou por me ter sido diagnosticada uma reforma lá para os sessenta e sete anos, coisa que estilhaça qualquer cristal.
LNT
[0.030/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLVII ]

Olinda
Olinda - Pernambuco - Brasil
LNT
[0.029/2011]

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

De tacho na cabeça

CairoTenho pena de não ter a imagem daquele egípcio que usava um tacho na cabeça para se proteger das pedradas. É do mais representativo que até agora vi sobre o que se está a passar no Cairo. Vale por mil banalidades recitadas pelos nossos repórteres e por duas mil imagens de carrinhas verdes a atropelar quem se lhes atravessa no caminho.

É a dignidade de quem não se deixa ficar quando defende aquilo em que acredita, embora eu continue a pensar que eles não estão a defender o que no ocidente se costuma chamar liberdade e democracia. Aliás o ocidente é perito em achar coisas que são loisas.

De repente lembro-me que a última vez que o ocidente entendeu que era preciso implementar uma democracia reuniu três patarecos pândegos nas Lajes recebidos por um barman que depois transformaram em lulu da senhora Merkel e decidiram invadir um país onde mandava um filho-da-puta para o transformar num outro país onde mandam hoje dezenas de filhos-da-puta. Isso custou milhares de mortos, destruição, terrorismo e um rabo entre as pernas e orelha baixa na retirada.

Mas voltando ao tacho na cabeça. Aquele egípcio será sempre, pelo menos para mim, o símbolo da raça humana, o exemplo vivo de que é sempre possível resistir, de que é sempre possível caçar com gato, caso não se tenha cão, o que até é coerente com a cultura felina das pirâmides.
LNT
Imagem: Public Intelligence
[0.028/2011]

Batatas e bacalhau

Batatas recheadasA caixa de comentários da geração "já não posso mais" está a ferver. Mesmo em condensado é possível haver troca de ideias que lancem o debate.

No entanto nota-se que quem fala não é a geração em causa mas aquela que os fez assim.

Continuo a ter esperança de que esta se torne rapidamente na geração "vamos fazer mais, vamos dar a volta a esta merda"
LNT
[0.027/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLVI ]

Logo Portugal 2000
Presidência UE (2000) - Portugal
LNT
[0.026/2011]

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Off course.. sure... shore

Pastel de BelémBelém tem destas coisas. Serve o divino. Evoca a fé. Remite as culpas e concebe sem pecado.

Belém tem pastéis. Afonso de Albuquerque, com as barbas de molho, atesta-o do alto do pedestal, virado de costas para a fábrica dos ditos e de frente para a Trafaria como que à procura do cacilheiro onde Sebastião há-de regressar com a sua multidão de fantasmas do norte de África e de terras de Santa Comba.

Belém é milagreiro. Faz da manjedoura local de culto. Ressuscita dos mortos. Faz nascer duas vezes, uma pelo anúncio de Gabriel a outra pela proclamação de Ratton e pelas línguas de fogo de Ricardo, de Escribá, do BPN, ou lá do que é.

Ninguém há-de calar a voz do povo, o ano chinês de 2011 já chegou e é do coelho, da coelha e de outros láparos.
LNT
[0.025/2011]

Já fui feliz aqui [ DCCCLV ]

Meia Praia
Meia Praia (índios) - Algarve - Portugal
LNT
[0.024/2011]

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

A geração dos já não posso mais

iPhoneAna Bacalhau deixou-se de fadistices e atirou-lhes nas ventas, em fim de concerto, com a parvoice do mundo de hoje. Foi quanto bastou para que a intelectualidade visse ali um hino à revolta, jovens a tomar a rua, certamente para cantarem "que já não podem mais", que têm o carro por pagar e o marido por arranjar.

A letra já não tem muito mais espaço para crescer, senão incluiria também a prestação do telemóvel topo de gama, do último grito da consola de jogos, do software mais in e dos bilhetes dos espectáculos onde se canta que "para ser escravo é preciso estudar".

E se a gente é tão preparada, porque se alheia, porque espera que sejam aqueles que lhes proporcionaram a preparação que tenham também, depois de tudo isso, de continuar a lutar por eles?
LNT
[0.023/2011]