sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Jantaradas

GravatasO nosso Pedro anda numa roda-viva.

Ontem foi jantar com a tiazinha Ângela ao Palácio Meseberg na Saxónia e, embora tenhamos ficado sem saber ao certo qual foi a ementa do repasto, soubemos o que importa, isto é, que só utilizou transportes públicos para lá chegar e de lá voltar.

Num dia em que as relações luso-alemãs se fortaleceram a todos os níveis (não é todos os dias que em Portugal se recebem barras de ouro em forma de chocolate alemão, nem que o Primeiro Português se senta à mesa do orçamento alemão para se alambazar com Bratwurst acompanhadas de Kartoffelsalat ou de Sauerkraut), Pedro sentiu-se mais alemão do que nunca e, não fosse a distracção de cruzar o rotor de cauda do helicóptero que o levou, até tinha passado o ar de prosperidade que nem ele, nem a sua anfitriã, ambicionam para Portugal.
LNT
[0.042/2012]

3 comentários:

(c) P.A.S. Pedro Almeida Sande disse...

Caro Barbeiro

Se há algo que prezo é a minha independência, que me faz ser todas as paletes ao mesmo tempo, dependendo da reflexão do momento. Com a minha raiz social-democrata-socialista e humanista, custa-me o que vejo (o sentido elitário da desumanidade) depois de ter assistido a anos de prestidigitação e delírio fantasista.
Agora que as hélices do proto fascismo (como bem afirma Garcia Pereira) parecem nos querer tocar a todo o momento, estou na minha fase mais Segura(o).
O que me convoca para o espaço público é a esperança sempre adiada e renovada de aspirar por gente equilibrada que nos dê um momento de saída do túnel da esperança saudade do futuro.

Helena disse...

Agora é que vai ser o bom e o bonito. Se consta que eu ando no contrabando do ouro alemão, todos os blogues vão ficar interessados em melhorar as relações luso-alemãs!
;-)

Luis Novaes Tito disse...

É só poeira de ouro. Faz lembrar o Almirante com a fumaça :)