quinta-feira, 22 de março de 2012

Macumba

MaiosEnquanto os Ministros europeus das agriculturas e afins se reuniam para tratarem da vida dos seus governados, a nossa ministra Cristas navegava para terras mais quentes com o fito de conhecer as palhinhas onde Passos Coelho deu os primeiros guinchos e saber se por lá existia algum feiticeiro macumbeiro que faça chover no nabal lusitano.

Bem vi que ontem andava um dos submarinos de Portas a passear pelas bordas ribeirinhas do Tejo, possivelmente em missão de reconhecimento dos viveiros de berbigão, actividade importante para o mercado exportador, o que justifica que o Ministro dos Negócios, também Estrangeiros, tivesse disponibilizado a sua frota subaquática.

Sobre o CDS e da relação com o governo é tudo o que se sabe desde que Mota trocou os cabelos soltos ao vento na correria louca da sua vespa pelo recato do ar condicionado e dos estofos de pele da bomba alemã.

Tudo o que acontece, por cá e lá fora, lhes é alheio e indiferente.

Nem a miséria que devolvem aos lares da terceira idade em paga dos votos regateados com o populismo e a demagogia do grande defensor da lavoura, os faz mudar de rumo confirmando-se que a sede do poder só acalmará quando se extinguir, no pote, a réstia de mel com que se lambuzam.
LNT
[0.177/2012]

3 comentários:

Maria disse...

Tenho a leve impressão, que chuva só no Verão. A Cristas não encontra macumbeiro capaz de a trazer.
Toda a minha longa vida de 67 anos, me lembro de secas. Continuámos a comer o que era nosso. Depois de terem dado dinheiro aos lavradores, para deixarem de o ser, comemos os restos dos outros. A nossa fruta, boa e gostosa, não serve, porque não tem tamanho e é bicada dos pássaros. Fui criada em parte, numa quinta nortenha, onde essa era a fruta preferida. Se até os passarinhos gostavam...
A cebola espanhola, apodrece de um dia para o outro. A batata idem. A fruta é linda por fora, toda estragada por dentro.
Os submarinos andam a ver o berbigão, para quê? Temos bivalves Indonésios, já sem casca. São caros, mas é outro asseio.
É preciso é agradar aos estrangeiros, dar-lhes dinheiro.
Mel, só se for para eles. Nós ficamos com o fel, a porcaria que nos dão.
Já comeu peixe gato? Não coma. Sabe mal e é venenoso.
Mas dá gosto, ver as gondolas dos supermercados cheias de frutos tropicais. São caríssimos, mas são muito melhores para a saúde, do que a pêra do Oeste. Essa vai para os porcos. Peixe fresco? quem o compra? Não tenho nada contra o congelado e fica mais barato. Não é nosso. O fresco vem de onde, se abateram, grande parte da frota pesqueira.
Estou azeda. Cada vez que vou às compras, fico assim. Não há mel que me valha.
Fugi ao tema? Talvez. Mas estou furiosa. Os sacos cada vez mais vazios, a carteira também.
Gaita! Estes tipos, ainda me fazem esquecer que sou uma senhora.
Abraço
Maria

Anónimo disse...

http://asombraquemepersegue.blogspot.pt/2012/03/dos-principios.html

Nuno Pereira disse...

Porra você estava mesmo inspirado quando escreveu esta resenha do momento politico deste fim de semana.
Acredite mais neles, porque como diziam serão os únicos a levar este país a bom porto.