sábado, 18 de agosto de 2012

Há muitas formas de visitar as Maldivas

MaldivasPode-se ficar num dos milhares de resorts de papo para o ar à espera que o mar se mexa e nos venha molhar à cama;

Pode-se ficar repimpado num regabofe de marisco servido por autóctones entre mesuras e massagens;

Pode-se ficar besuntado no mel com açafrão de um pote chegado do continente;

Pode-se ficar lixando para tudo isso, ligar a ventoinha e apanhar na tromba a trampa que, tal como nós, aqueles que nos servem não deixam de fazer.

Há muitas formas, ao contrário do que pensam os formatados, para se visitar as Maldivas.

Pode-se ficar hospedado num barco, em vez de se ficar fixado num atol, para visitar todos os atóis que nos apetecer.

Mesmo nas Maldivas, um metro e meio acima do nível do mar, a liberdade é o melhor nível para se estar.
LNT
[0.378/2012]

1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Autóctones...

Eis uma expressão adequada
e bem usada
pelos não-formatados
(é que nem chega a ser um eufemismo...)