segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Substituir a TSU, para quê?

LenhaEnquanto não reúne o Grupo de Trabalho para os Estudos sobre as Matérias do Pote e para a Arbitragem da Traulitada Acéfala (GT EMPATA) para medular (percorrer a medula) esta espécie de coisa nenhuma em que se transformaram o governo e a coligação que o suporta, um bando de melcatrefes suportado num comité de técnicos de contas medíocres cuja única missão é substituir direitos por caridade em nome de uma ideologia radical, guincha aos quatro ventos que é tempo da oposição apresentar medidas alternativas à javardice da TSU.

Sabendo-se que a prioridade é combater o défice e que a chamada TSU não produzia qualquer efeito nesse combate, a alternativa é, pura e simplesmente, abandonar aquela ideia peregrina.

Sei que dirão que, no Estado, ao passarem encargos da entidade patronal para os trabalhadores, a despesa do OE diminui, mas isso é só uma máscara para transferir milhões dos bolsos dos trabalhadores para o bolso dos patrões (no privado) uma vez que o anúncio dos cortes dos subsídios no público estava feito e que a única forma de paridade reside no saque aos privados, ao património e ao capital, da parte equivalente ao confisco decretado para o público.

O GT EMPATA deveria saber isso, deixar-se de faits-divers e burilar as arestas do liberal-fundamentalismo. Aguarda-se que o conselho geriátrico de estado venha a ser eleito como bode expiatório, tal como anteriormente já outros foram, incluindo o Tribunal Constitucional.
LNT
[0.445/2012]

3 comentários:

folha seca disse...

Caro Luís
Não me entenda mal. Mas já está claro que a desistência da TSU não passa de um logro. Então porquê a desistência da tal moção de censura?
Abraço
Rodrigo

Luis Novaes Tito disse...

Caro Rodrigo,
É altura dos políticos fazerem aquilo que anunciam. AJS anunciou que o PS apresentaria uma moção de censura caso o Governo avançasse com a TSU nos termos que apresentou. O Governo "encolheu-se", o PS terá de fazer o que anunciou que iria fazer. O cumprimento das promessas não pode variar conforme aquilo que nos dá mais jeito.
Abraço

folha seca disse...

Caro Luís
Não estou muita vez de acordo com o Jerónimo de Sousa. Mas desta vez estou. "Não vão à algibeira da direita, mas vão à da esquerda". Gamam na mesma. Claro que a diferença é o nome e a via. Mas pronto. De facto a promessa do AJS era sobre a TSU...
Abraço
Rodrigo