domingo, 9 de Dezembro de 2012

Mãe

Este blog é a forma que decidi ter para comunicar publicamente. Umas vezes é político, outras é sentimental, outras é brincadeira, outras é sério e, algumas poucas vezes, é também o local de transcrição de outras escritas públicas e de publicação de outras expressões (pintura, música, gravura, etc.) que me tocam em especial.

Não é um diário do autor mas pretende ser um caderno de apontamentos.

O João M. Vidal entendeu fazer uma homenagem pública, muito sentida, à minha Mãe. É um texto de coração nas mãos do qual pedi autorização para extrair o que realmente interessa e republicar no meu blog, exactamente nos termos em que o faço de seguida, ao que o João Vidal acedeu de imediato.

É um acto de intimidade mas o orgulho de ter tido uma Mãe assim descrita obriga-me a partilhar o texto convosco. Obrigado João.
Luís Novaes Tito


Maria José NovaesNa “viagem da vida” todos nós sempre encontramos obstáculos e perder alguém a quem muito se quer não será dos mais fáceis: A Senhora Dona Maria José de Bragança Souza e Mello Gomes d’Abreu Novaes partiu para o Além!

Os mais novos só se lembrarão de uma “velha ranzinza” que, a todo o custo, tentava endireitar as pessoas e o mundo. Pois não saberão quem acabam de perder!

Esta Grande Dama, nobre dos quatro costados, de sangue mais azul que um céu de Verão, de uma coragem moral ilimitada e de grande beleza mental e física, foi das maiores e melhores Pessoas que tive o privilégio de conhecer em toda a minha vida. Filha de Pais abastados que lhe providenciaram a melhor e mais sofisticada das educações, viajou meio mundo, conheceu e conviveu de igual forma com príncipes e pobres e nunca perdeu uma oportunidade de se cultivar. Mas a vida não lhe foi generosa! Grandes dramas foram transformando esta gentil Senhora numa Dama de aço: Ainda em tenra idade perdeu a Mana querida, vítima de doença e, muito nova ainda, viu o seu casamento fracassar. Muitos foram os pretendentes à sua mão, com as maiores e mais sinceras promessas de amor e conforto, mas todas rejeitou: apesar de muito jovem ainda, nunca deixou que os filhos a vissem com outro homem que não fosse o pai deles.

Não me lembro do tempo em que ainda a não conhecia. No Colégio Manuel Bernardes, quando vinha buscar os manos Tito, com a sua beleza de estrela de cinema, sempre elegantemente vestida, era conhecida, entre nós, como uma das “Mães Brasa”. E não me lembro de nenhuma que fosse mais bonita! Mas cedo descobri que a beleza interna era ainda muito maior: Na Rua Sousa Loureiro as portas estavam sempre abertas para toda a miudagem e raras seriam as refeições em que só estivessem os da casa. Como, entre os filhos mais velhos, frequentemente, a conversa era sobre aviação, poucos meses após a morte do meu irmão Frederico em 1964, tinha eu 14 anos, muito tipicamente, resolveu passar das palavras à acção: Organizou com o famoso Coronel Cerqueira e levou-nos aos três a Sintra para voarmos. E assim ajudou a inspirar a carreira de três pilotos da Força Aérea: O Pedro em 1967, eu em 1968 e o Zé em 1969.

Sempre cumpriu da melhor forma que sabia o recado da vida: Educou todos os Filhos nos melhores colégios de Portugal e nunca deixou que lhes faltasse nada. O que certamente nunca esperou foi que o maior desgosto que alguém possa ter na vida lhe viesse bater à porta e acabasse por a quebrar: O António, o seu “menino pequenino”, encontrou a morte da forma mais terrível e descabida. Os mais novos só se lembrarão da Pessoa que sobrou desta tragédia: Amarga, revoltada e a querer mudar o mundo e as pessoas que a rodeavam. Mas não caiu!

Desde muito novo sempre mantive contacto muito próximo com a Tia Maria José, a Tia Zé ou a minha “Querida Zezinha”, como eu, por brincadeira e carinho, por vezes, a tratava. Fosse como simples “amigo dos miúdos”, genro ou ex-genro, em momento algum deixou que as circunstâncias afectassem o nosso contacto e relacionamento: Sempre tive nela uma amiga e confidente com quem sobre qualquer assunto poderia falar ou desabafar. Se hoje choro não é por ela que, finalmente, dorme em paz: é por mim, que, na minha alma, acabei de ficar muito mais pobre!

Adeus Zezinha Querida. Até qualquer dia!
João M. Vidal

[0.609/2012]

12 comentários:

fatbot disse...

MÃE é e SEMPRE será MÃE! E como muitos dizem ... "AS MÃES TÊM SEMPRE RAZÃO!" Todos Nós temos o nosso feitio ... por isso ... e por TUDO ... DESCANSE EM PAZ!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Um fortíssimo abraço, Luís

Leonel Vicente disse...

Um grande abraço, caro Luís.

Maria disse...

Meu querido amigo: Não o invejo, porque tive uma grande mãe. Sei que deve ter sofrido muito, com a morte dela, também perdi a minha. Só lhe posso enviar um grande abraço solidário e amigo.
Maria

Janita disse...

Fez bem em partilhar connosco este belo e emocionante relato, Luis.
Obrigada!
Um grande abraço.

Janita

António P. disse...

Um abraço, Luís.

anamar disse...

As mães, as nossas, umas mais do que outras, fazem sempre história com estórias de vida .

A sua lembrança será risonha para o Tito, apesar das tristezas maiores.

Abraço sentido e obrigada pela partilha.

Ana

maria disse...

Um sentido abraço, Luís.

Manel disse...

Abraço!

Menina Marota disse...

Um abraço e grata por esta sensível partilha.

addiragram disse...

Um abraço sentido.

Manuel Oliveira disse...

Abraço sentido e obrigada pela partilha.