quarta-feira, 17 de abril de 2013

Diálogos

CenouraDomingo
O provável futuro dirigente de um dos tentáculos da Troika recebe os funcionários que hão-de ser seus subordinados quando for corrido de Portugal, que lhe transmitem ter vindo à Lusitânia a mando de quem os mandou (o alemão nunca foi o meu forte) com o intuito de fingirem que impõem aquilo que o seu alegado futuro chefe quer impor à populaça.

Gaspar monta-se no Mercedes (ou Audi) e vai até São Bento dizer ao seu testa-de-ferro que tem de fazer um número de circo e chamar ao palácio o líder do maior Partido da oposição para que os jornalistas escrevam que ainda vivemos em democracia.

2ª Feira
Não se passa nada. A equipa Benetton aproveita o Sol e o vinho português e aguarda que o seu futuro chefe lhes mostre o plano que terão de validar como se fosse seu.

3ª Feira
Coelho mete no correio a carta que Gaspar lhe entregou para ser dactilografada em papel timbrado da Presidência do Conselho de Ministros e manda o recado à rapaziada dos jornais para fazerem escarcéu à volta do assunto.

4ª Feira
Seguro acede, uma vez mais, a tentar dialogar com o Primeiro-Ministro. Na sessão de esclarecimento é confrontado com um PowerPoint acabado de chegar via eMail contendo o plano B que sempre foi o plano A do "mais-para-além-da-troika".

O Conselho de Ministros, o Primeiro-Ministro, os Ministros, o líder do maior Partido da Oposição, a Troika, a Concertação Social e o diabo que os carregue são confrontados com a decisão irreversível de Gaspar.

Os portugueses hesitam entre emigrar ou desligar as televisões.

O Sol ainda brilha para todos e não tarda estaremos a comemorar mais um 25 de Abril (possivelmente com os dirigentes da República fechados num bunker não vá uma maluquinha começar a cantar uma área qualquer ou o valente e duro PCP ligar os megafones com os acordes da Vila Morena, contra o Pacto de Agressão e na defesa da Reforma Agrária)
LNT
[0.058/2013]

2 comentários:

Janita disse...

Há mais-vida-para-além-da-troika e mais Romarias e outras tretas...
Qualquer dia ficamos a comer cenouras com a rama murcha.
Se nada disto que eu hoje digo fizer sentido, saiba que levei um abanão que ainda estou meio-abananada, mas como sou a favor do que é justo e gosto de encarar as minhas gaffes sem fugir com o rabo à seringa, não posso ir embora sem lhe dizer nada. Espero que compreenda, Luís!
Um abraço!

Luis Novaes Tito disse...

Janita,
Penso entender o que está a dizer e já fiz o meu comentário na respectiva caixa de comentários.
Abraço
(e não se chateie, porque gosto muito de a ter como minha leitora)