quarta-feira, 3 de abril de 2013

O direito a continuar a falhar

Sumo de laranjaAquele rapaz do PSD que aparece nas televisões como o sábio do teorema do disparate veio ontem a público exigir que o Partido Socialista apresente alternativas para que possa levar avante a Moção de Censura entrada na Assembleia da República.

Como é minha reconhecida falha, sou mau para recordar nomes, principalmente nomes de sábios demonstradores de tal teorema e pedi ajuda no FaceBook para que me recordassem a “graça” de tão ilustre orador, ao que a Palmira e a Maloud acederam de imediato informando tratar-se de Moreira da Silva.

Assim sendo, posso dirigir-me a Moreira da Silva recordando-lhe que ele e os seus seguidores e seguidistas apresentaram uma pseudo-moção-de-censura na Assembleia da República, há mais ou menos dois anos, baseada em alternativas do tipo “já basta de impostos e de PEC’s, a Troika ao poder, já!” ou, em versão mais soft, “há limites para os sacrifícios”, coisas de fazer parar o trânsito pela assertividade que tinham e que resultaram no maior saque alguma vez realizado ao povo português através da aplicação de um programa que nunca foi sufragado e que afinal tinha por agenda escondida “ir além da Troika”, “empobrecer a canalha” e “custe o que custar, havemos de lá chegar”.

As alternativas que o mestre de Moreira da Silva apresentou para avançar para eleições e assim chegar ao pote foram as meias verdades de que o PSD nunca cortaria o subsídio de Natal (porque na realidade haveria de cortar o de Natal e o de Férias) e foram as restantes inverdades de que bastaria arredar Sócrates para que os juros diminuíssem, o desemprego parasse e os impostos e os restantes sacrifícios não aumentassem.

As alternativas exigidas por Moreira da Silva são mais do mesmo em relação à arrogância perante os direitos constitucionais e mais uma pressão, desta feita ao próprio povo português, para que cesse a censura a este Governo falhado que insiste em querer falhar mais por dois anos.
LNT
[0.028/2013]

4 comentários:

Anónimo disse...


Sr. Luís:

Sem prejuízo do que diz sobre o Sr. Moreira, persiste o equívoco na sua barbearia...

O que é que distingue substantivamente o PS do PSD ?

Não são ambos responsáveis pela situação a que o País chegou, alternando-se, qual Pide bom e qual Pide mau, nas malfeitorias infligidas ao nosso Povo ?

Ora diga lá o que se lhe oferecer sobre o assunto.

João Pedro

Luis Novaes Tito disse...

João Pedro
Se não consegue ver o que distingue o PS do PSD também não serei eu a fazê-lo ver.
Quanto ao PIDE bom e ao PIDE mau só lhe posso dizer que muitos socialistas que eu conheço passaram o que possivelmente o João Pedro nunca passará para que a PIDE e o regime que a sustentava desaparecessem deste nosso pobre País.

Anónimo disse...

Meu caro Luís:

Desculpe, mas está a atirar a bola para fora...

As políticas do PS tem aberto portas - que urge fechar - que facilitam o reaparecimento da direita terrorista e a refundação do fascismo.
E aí, sim, o Luis e eu - que não sofremos então as malfeitorias da Pide - poderiamos passar um mau bocado.
É preciso evitá-lo por nós e milhões de outros.

João Pedro

Luis Novaes Tito disse...

Caro João Pedro
Possivelmente não nos conhecemos e por isso ignora que vivi no tempo em que a PIDE andava por aí.
E por aqui me fico.