quarta-feira, 12 de junho de 2013

Três vezes nove vinte e sete

Movimentos dos dedosPensava que já tudo se tinha esclarecido na Assembleia da República quando a bancada socialista tinha questionado o Governo sobre as razões para não ser pago o subsídio de férias na altura em que a Lei o determina.

Afinal parece que não, que nem tudo está esclarecido e há quem insista que este é mais um caso de má comunicação, mas não é.

A razão para o não pagamento do subsídio de férias este mês faz parte da agenda que o actual poder pretende manter debaixo dos panos.

Não como mão escondida ou atrás do arbusto, mas dentro do nosso bolso.

Quando irá a mão de lá (do bolso) sair com mais uma molhada de notas? No fim do ano, claro, quando se tiver a certeza de que se vai bichanar mais este pecúlio para tapar outro falhanço das previsões gaspar-excelianas.

Vai uma aposta?
LNT
[0.171/2013]

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Creio que será ainda pior, Luís. A ideia de pagar os subsídios depois das autárquicas, é para o governo esconder o seu plano, que será plasmado no OE 2014: reduzir os salários dos funcionários públicos, de modo a diluir o subsídio de férias.