segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Nascer duas (ou mais) vezes

DesfocadoNão vale a pena continuar a bater mais no ceguinho, neste caso concreto, não vale a pena bater mais no cavaquinho, e já que nunca iremos conseguir, por mais esforços que queiramos fazer, que o homem acabe o seu mandato com dignidade uma vez que dignidade implica, entre outras coisas, ter palavra e cumprir os juramentos feitos perante a Nação, mais vale começar a preparar a papelada para entregar no Constitucional, única instância com poderes bastantes para nos proteger da indignidade.

Quando era miúdo dizia-se que: "quem mais jura, mais mente." mas nunca pensei que este dito se pudesse aplicar a quem deveria estar a desempenhar o papel de mais alto magistrado de Nação.

Tudo se resume na contradição entre:

"Juro por minha honra desempenhar fielmente as funções em que fico investido e defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa”.

e:

"Faço uma avaliação cuidadosa, recolhendo o máximo de informação sobre os custos de um orçamento não entrar em vigor no dia 01 de Janeiro e os custos que resultam de eventualmente uma certa norma ser considerada inconstitucional já depois de o orçamento estar em vigor".

Todos terão de nascer pelo menos duas vezes para conseguirem chegar a este estado.
LNT
[0.394/2013]

3 comentários:

Anónimo disse...

Frequento a Barbearia sempre com grande prazer, pela coerência, correção e elegância do corte de cabelo. Nem que reencarnássemos 3 vezes conseguiríamos atingir um tal estado.Está no ADN.Como é isso da "papelada para o Constitucional"? Tem alguma coisa a ver com a legislação que regula o comportamento de Orgãos de poder, em relação a outros de soberania? Conte lá se faz favor.

Luis Novaes Tito disse...

Confesso que estava a pensar na papelada referente ao OE 2014, mas agora que questiona não me parecia mal que alguém mandasse ao TC alguma papelada sobre quem não cumpre os seus juramentos constitucionais. Gostaria que alguém tivesse arte para fazer isso. Este PR já "está completamente fora de prazo"

Anónimo disse...

Bom já estou um pouco mais à frente (lei 34/87- possível queixa ao MP). Ver frete afrente na SicN com Helena Roseta e José Luis Arnaut. Imperdível. Está on-line