terça-feira, 30 de julho de 2013

terça-feira, 23 de julho de 2013

Portugal refundido

Paulo Portas

Agora que está confirmado que aconteceu aquilo que sempre disse que ia acontecer, isto é, que o Presidente da República iria fazer um número para fingir que era uma entidade viva e que depois de assim ter aparecido voltava ao seu estado vegetal para satisfazer os desejos e ambições do seu Governo, fica a questão mais importante de todas.

Será que Paulo Portas, o putativo novo Primeiro-ministro em efectividade, conseguirá encontrar um palácio, palacete, forte, ou qualquer outro imóvel onde aloje, com a dignidade que lhe é devida, toda a sua irrevogável prosápia?

Deus queira que sim, senão acabará a dividir os cómodos de Belém com o seu tutelar e mumificado chefe o que não será bom nem para ele, nem para a Nação que ambiciona vê-lo bem mais alto do que os maduros do Coelho.

Não é todos os dias que o dono de um Partido tão minorca chega a tão importante cargo. A minoria agradece, a Nação aguenta, aguenta…
LNT
[0.245/2013]

domingo, 21 de julho de 2013

Nunca tenho dúvidas e raramente me engano

Cavaco Silva

Nada voltará a ser como dantes.

O Presidente da República olhou para o espelho enquanto escrevia o discurso e acrescentou:
Existe em Portugal um ciclo vicioso.

O resto da alocução, sem novidade, já conhecem. Um desperdício de tempo caríssimo.
LNT
[0.244/2013]

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Parece um festim de gatos-pingados

PrimatasO País enlouqueceu (leia-se: os políticos em funções no País, enlouqueceram) e nós andamos para aqui a ver se a porta do Júlio de Matos se fecha sem que eles entrem lá para dentro.

O arrastar dos punhos de renda (que fazem adiar congressos de uns e comissões políticas, nacionais, ou lá o que é, de outros) já mete nojo, como diria há uns tempos o homem do Gil Vicente.

O pivete a fénico é nauseabundo. Nem enterram o cadáver, nem o embalsamam.
LNT
[0.243/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLXI ]

Carapaus secar
Seca de Carapaus - Praia de Vieira - Monte Real - Portugal
LNT
[0.242/2013]

quinta-feira, 18 de julho de 2013

A Nação não carece de salvação

Bandeira NacionalA ver se nos entendemos.

A Nação está bem e recomenda-se e, como tal, não carece de salvação. Quem quer ser salvo e carece de salvamento é quem tem sido incapaz de cumprir as suas promessas perante a Nação e só está preocupado com o disfarce do seu insucesso para se conseguir manter à tona da água.

Entendo que a Nação precisa de consenso nacional (e não de salvação) em relação a determinadas matérias e entendo que esse consenso só se poderá conseguir após os cidadãos, que são a razão de ser da Nação, se pronunciarem sobre as matérias e as formas de se obterem esses consensos.
LNT
[0.241/2013]

Na pala do pavilhão de Portugal

CML
Hoje, às 18 horas, irei até ao Parque das Nações para dar apoio ao meu amigo de sempre e estimado camarada António Costa. O trabalho que tem desenvolvido como presidente da Câmara Municipal de Lisboa é a marca de qualidade que gostaria de continuar a ver na minha cidade natal.

Espero que Costa tenha um bom número dois, alguém que o possa substituir mantendo a mesma garra à frente da CML caso, dentro de dois anos e tal, entenda candidatar-se à Presidência da República.
LNT
[0.240/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLX ]

Casa dos Assentos
Casa dos Assentos - Quinteães - Minho - Portugal
LNT
[0.239/2013]

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Cá se vai andando, obrigado (com a ajuda de Deus)

LaranjeiraHá uns anos, quando se andou "aos cestos", como se diz na Madeira, o refúgio incomunicável foi o Pulo do Lobo. As coisas evoluíram e os gostos refinaram-se dando lugar ao upgrade do Pulo para as Selvagens, da Reserva natural para a Reserva integral.

No terreno ficam a discutir o que nunca foi sufragado e que se pretende que seja discutido e aprovado sem sufrágio, Ministros sem relevância nos Partidos mas que os representam por designação, representantes encartados do maior Partido da oposição (que exige a demissão do Governo) e uma personalidade de reconhecido prestígio que promova e facilite o diálogo, em tempos Ministro da Educação de um Governo de Durão Barroso e noutros tempos vereador de Isaltino em Oeiras.

É um circo sem rei nem rock e a questão é que já nem o circo tem panos porque alguns dos seus artistas encarregaram-se de botar fogo à tenda enquanto faziam malabarismos e contorcionismos com tochas de fogo.

Tudo isto sem pressa, ao jeito da portuguesa resposta à saudação:
- Então, isso vai?
LNT
[0.238/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLIX ]

Cavacos
Cavacos - Ilhas Selvagens - Arquipélago da Madeira - Portugal
LNT
[0.237/2013]

Personalidades de reconhecido prestígio para a salvação nacional

David Justino, David Justino, David Justino, uma personalidade de reconhecido prestígio que promova e facilite o diálogo, é um nome que não deixa de me matraquear a memória.

E de repente um flash.

Cavaco, Isaltino, demissões no Governo de Durão Barroso, mais confusões, mais personalidades de reconhecido prestígio que promovam e facilitem o diálogo e coisa e tal. O Loureiro não estaria disponível?
LNT
[0.236/2013]

terça-feira, 16 de julho de 2013

Bom de bola

11 para 11Há coisas que um barbeiro nunca deve dizer (ou escrever) porque é uma vergonha para a profissão. No entanto, esta barbearia é perita em politicamente incorrecto e por isso aqui vai:
O autor desta espelunca é pouco mais que analfabeto nas coisas do futebol, embora goste de mandar umas bocas e seja aficionado do Benfica por afinidade (e quase por convicção, vá lá).

Isso não impede que aceda a divulgar um site de coisas de futebol que lhe dizem ser muito técnico e científico. Consta que versa sobre a forma como se desenvolve a arte de dar uns chutos na bola, chama-se 11 para 11, e está aqui e aqui nas redes sociais.

Esperando que isto caiba no vosso conceito de serviço público, aguardo feedback, penalti, offside, ou lá o que for em futebolês.
LNT
[0.235/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLVIII ]

Blog Alegro
Blog Alegro - 2010/2011 - Portugal
LNT
[0.234/2013]

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Da imparcialidade dos árbitros

Gunter GrassO papel mais importante que um Presidente da República tem é o de moderador da sociedade e de mediador dos interesses que mantêm a sociedade em funcionamento regular.

Com a eleição da actual maioria, o Presidente da República teve essa mediação na mão, com tarefa simplificada tanto a nível dos parceiros sociais como a nível do maior Partido da oposição uma vez que se geraram consensos, inclusive à custa do sacrifício da imagem do líder da oposição que foi bastas vezes acusado de ser demasiado conciliador.

Cavaco Silva desprezou o seu papel de moderador e preferiu agir em conluio com uma das partes convencido de que o poder e a maioria dessa parte seriam suficientes para se impor ao País.

A coisa correu mal, muito mal. O seu juízo sobre a parte apoiada não o deixou entender os perigos resultantes do carácter dos líderes da coligação e a sua condição ideológica sobrepôs-se ao bom senso da negociação até ao momento em que tudo se desmoronou à sua volta.

Agora, com o País em ruínas devido aos erros que foram cometidos pela Tróika e pelo Governo do “além da Tróika”, o Presidente tentou salvar a face com o jogo do empurra e da inclusão de outros na responsabilidade das irresponsabilidades do seu Governo.

O Chefe de Estado continua convencido de que nunca se engana e de que raramente comete erros (ou vice-versa) e por isso recusa emendar a mão.

Seria normal que ouvisse a voz de quem o elegeu e que exigisse aos Partidos que se apresentassem a votos com programas eleitorais que os vinculassem a linhas orientadoras claras para resolver o imbróglio em que estamos metidos.Em vez disso, arrasta o País para o caos tentando impor a todos a sua visão.

Estamos a perder tempo. Espera-se que o Partido Socialista não ceda perante tal erro e que mantenha válido o seu compromisso com os portugueses para que não se anulem as expectativas de que “não somos todos iguais” e de que “os resultados eleitorais não são indiferentes” para as políticas que se seguem.
LNT
[0.233/2013]

Caça à fisga

CavacoSabe-se, porque a sua narrativa com mais de trinta anos faz com que se saiba, que Cavaco Silva não gosta de Partidos Políticos e que adora fingir que não é político sendo um dos principais e mais activos políticos desde que em Portugal foi reposto um regime democrático.

Também se sabe que, tirando o período em que ele foi líder do PPD-PSD, Cavaco nunca gostou em especial de qualquer outro líder do Partido fundado por Sá Carneiro e que por eles sempre mostrou uma sobranceria que culminou com a ordem de retirarem Coelhoa sua imagem de um cartaz de campanha eleitoral que Pedro Santana Lopes teve a ousadia de fazer afixar.

Cavaco, tirando o seu próprio reinado, nunca conseguiu ver gente sua a ascender ao trono laranja, pelo menos em alturas em que esses seus fiéis pudessem exercer o poder, melhor, esses seus fiéis pudessem, em seu nome e sobre as suas orientações, exercer o poder.

Marques Mendes e Ferreira Leite, por exemplo, andaram pela Buenos Aires mas nunca mandaram mais do que nas paredes onde se moveram. Já Durão Barroso, Santana Lopes e Passos Coelho chegaram à liderança de executivos portugueses sem que a mão do arbusto conseguisse apontar-lhes o caminho, até que agora, a dois anos e picos de Cavaco abandonar a Presidência da República deixando para a História a imagem do Presidente da República eleito democraticamente menos amado de sempre, exigiu a um seu sucessor que trilhasse o sentido por si apontado.

Sendo verdade que as pedradas catapultadas pela fisga que empunhou se destinavam a devolver o veneno que Portas lhe injectou com as setas disparadas quando andou barricado no Independente e que também tinham por objectivo acertar em cheio no lombo do Partido Socialista, Partido que ele sempre odiou, fazendo-o chafurdar no charco que as teorias “além-da-troika” escavaram, o seu alvo mais apetecível neste momento é o homem que derrotou a sua primeira escolha, Ferreira Leite, a quem pretende ultrajar devolvendo-lhe em dobro todos os ultrajes que Coelho lhe tem feito.

Andamos nisto, e enquanto a mesquinhez tem o seu curso, vamos levando com as pedras perdidas como se os danos colaterais não nos estivessem a matar matados.
LNT
[0.232/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLVII ]

Bairro Alto
Bairro Alto - Lisboa - Portugal
LNT
[0.231/2013]

domingo, 14 de julho de 2013

A Barbearia agradece o obséquio da sua preferência

BarbeiroE como o tempo é incontornável, fica a nota de que se perfazem hoje seis anitos que as cadeiras desta casa se abriram para desfazer barbas e cabelos.

O barbeiro já antes tinha ensaiado as artes noutros estabelecimentos e deles tinha trazido clientela, gente selecta que passou palavra sobre os serviços aqui prestados tendo resultado num crescendo que, contado a números de hoje, já perfaz 657.000 acessos.

É obra que se agradece, porque sem clientes não há trabalho.
LNT
[0.230/2013]

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Cantando e rindo

CanoagemDiz-se por aí que o alegado Vice-Primeiro Ministro do alegadamente Governo em pleno exercício de funções já tinha embalado a trouxa para zarpar dos negócios estrangeiros.

Já para não falar no custo que as habituais fotocópias devem ter importado e no esforço feito pelas digressões à procura de um palacete ou forte que desse dignidade de Estado à função alegadamente relevante de coordenador da economia interna e externa, da finança lado-a-lado no que respeita à troika e de outras minudências relativas a alegados interesses ligados à gestão pública da Administração Central, basta que nos concentremos na presumível frustração que irrevogavelmente condicionará o estado anímico do retornado Ministro dos Negócios Estrangeiros para termos um panorama da vontade que anima o actual executivo.

Logo agora que tudo parecia ir para melhor, uma vez que estava aberta a janela de oportunidades para que Álvaro levasse consigo, para Vancôver, o alto interesse da Nação que consistia na substituição das exportações de faiança fina das Caldas pelas natas dos pastéis de Belém, e também devido ao facto do sector cervejeiro português passar a ter na economia um mandante de peso, ainda que coordenado à maneira portuguesa (uma canoa com inúmeros timoneiros e um só remador) que trocasse o interesse estratégico da fermentação das uvas pela fermentação da cevada, o País foi surpreendido com uma nova série do filme “a Múmia volta à vida” com o intuito de se demonstrar que continua a ser verdade que as vinganças frias e os guiões complexos fazem parte da marca nacional.

Continuamos a navegar à bolina e com ventos soprados por um Adamastor escondido num rochedo de tabus.

Mais tarde há-de surgir um Roteiro que aponte os culpados e os desleais que provocaram um segundo resgate, esquecendo que já o primeiro fez parte da mesma estratégia e teve por principal actor o autor desses mesmos Roteiros.

Voltando à trouxa do MNE, espera-se que a não desfaça, para que se não perca tudo. Já não faltará muito para que os eleitores lhe confirmem que chegou a hora de partir.
LNT
[0.229/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLVI ]

Albufeira
XVII Exposição Europeia de Arte, Ciência e Cultura (1983) - Lisboa - Portugal
LNT
[0.228/2013]

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Implosão

BiomboNão pode ser uma questão de surdez, aquela que levou o Presidente da República a fazer a alocução que ontem fez.

Cavaco ignorou que o seu Governo lhe apresentou uma proposta de solução, ignorou que o Partido Socialista há muito tomou a decisão de só se envolver após eleições e ignorou que o poder reside no povo português e não nos Partidos.

Cavaco arredondou as arestas do seu pensamento com palavras bem medidas mas que deixam clara a sua interpretação dos conceitos da democracia e do regular funcionamento das instituições.

Cavaco apelou a um consenso de exclusão ao dirigir-se só aos Partidos signatários do memorando. Para além do mais foi redundante e desajustado porque nenhum desses três Partidos repudiou, até hoje, a sua responsabilidade no cumprimento dos compromissos assumidos com a sua assinatura.

Cavaco atirou o País para uma campanha eleitoral prolongada sem ter marcado eleições. Nem demitiu um Governo que tem ministros demissionários e outros com guia de marcha assinada, nem apresentou uma solução, deixando o País paralisado e ainda mais dividido entre aqueles que são defensores de soluções democráticas e plurais e os outros que entendem que, no mínimo, há que suspender a democracia.

Cavaco foi o que sempre foi. Ouve, mas não escuta e entende que o consenso é a aceitação da sua vontade.

Cavaco fez, uma vez mais, aquilo que sempre fez:
- Recusou reconhecer que erra e que muitas vezes se engana;
- Atirou as suas responsabilidades e culpas para as costas dos outros;
- Empatou, enrolou, arrastou e dilatou até ao limite as questões que lhe queimam as mãos; e
- Negou, escondeu e disfarçou a sua politiquice em meias-palavras vestidas de tabus e silêncios.

Que se esteja ciente de que o discurso de ontem foi só o princípio do que está para vir. Ninguém pode acreditar que um Governo com cartas de demissão, ministros que sabem que estavam nas bordas de um caixote de lixo a aguardar substituição e uma Ministra das Finanças disposta a dividir a troika com um vice-primeiro-ministro que afinal o não é, é um Governo no pleno gozo das suas funções.
LNT
[0.227/2013]

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Demasiadamente mau

KoenO grande responsável por termos chegado a este ponto é quem, tendo por principal instrumento a palavra, a tenha usado para pronunciar os discursos feitos no 25 de Abril e 10 de Junho e que logo na noite de vitória eleitoral a tenha usado para criar a divisão dos portugueses.

A tentativa de sacudir a água do capote usando agora da palavra carregada de ameaças e temores e procurando responsabilizar outros numa solução absurda de compromisso com gente que nem sequer consegue cumprir os compromissos que tem com os seus parceiros e aliados, não merece muito mais do que um encolher de ombros.

Cavaco encheu de gás Passos Coelho. Tanto gás que levou o Primeiro-ministro a dar-se ao luxo de humilhar o seu aliado impondo-lhe a solução para as Finanças como um facto consumado.

Paulo Portas respondeu à provocação do modo que se conhece o que mergulhou Coelho numa tal fragilidade que acabou por entregar todo o poder ao seu parceiro imensamente minoritário.

Agora o Presidente lava as mãos dizendo que um Governo com um Ministro de Estado demissionário e mais dois Ministros com o lugar colocado à disposição está em plenas funções, o que sendo verdade, não lhe retira a condição de Governo moribundo e politicamente inviável.

Tudo isto é demasiadamente mau.
LNT
[0.226/2013]

Solenidades

ChapéuHoje teremos mais um momento solene na nossa democracia republicana.

Depois de amplamente publicitado pelos órgãos de comunicação social que os fieis da Santa Madre Igreja reunidos nos Jerónimos aplaudiram a solução e de que o Presidente do Conselho Europeu e o Ministro Alemão das Finanças já deram o seu aval, o Sr. Presidente da República irá comunicar aos povos continentais e insulares indígenas que habemus Vicem.

Como a simbologia está na moda e há que poupar nas gorduras, seria mais eficaz e eficiente instalar uma chaminé em Belém que fumegasse a branco ou negro em conformidade com a sentença final, já que não foi equacionado proferir a alocução prevista para hoje na outra solenidade que em breve consagrará a posse.
LNT
[0.225/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLV ]

Albufeira
Albufeira - Algarve - Portugal
LNT
[0.224/2013]

Há quem o faça por menos

Portas medalhas

A medalhita, vice, acabou por ser merecida.

Um Presidente da República em trânsito, mesmo que fazendo parte do grupo de países amigos com os quais se negoceiam contrapartidas de interesse nacional, vale menos que uma medalha pessoal espetada no peito. (Diria o meu amigo Manzas que: - broches como os da casa Batalha, ninguém os faz tão lindos desde o tempo de Dona Maria)

Quando vemos a nossa bandeira queimada nesses confins sul-americanos temos de nos lembrar que houve “questões técnicas no Ministério dos Negócios Estrangeiros” que, em dia de céu limpo, proporcionaram o sequestro técnico ou, sendo mais brando, proporcionaram a retenção de um chefe de Estado que pretendia regressar ao seu País.

A bem da Nação, claro, como sempre.
LNT
[0.223/2013]

terça-feira, 9 de julho de 2013

Troika, troika, lado a lado

AfroUma impossibilidade, todos o sabem.

Paulo Portas e Maria Luís não conseguirão, lado a lado, fazer troika, troika. Não porque possivelmente não tenham ganas para isso, mas porque para o fazer lado a lado é preciso uma desenvoltura e vontade que os não assiste.

Sabendo que já não há missionários como dantes, ainda assim alguém terá de ficar por cima.
LNT
[0.222/2013]

Governo Portas referendado por Schäuble

BugCom 653.888 votos (11.74%) O Partido Portas conseguiu formar governo. Para tal teve a anuência do PSD que, para evitar eleições, se prontificou a ceder-lhe o total apoio em troca do cargo representativo de Primeiro-ministro.

Está por saber o que fará Portas com tanto poder, mas isso também interessa pouco para o assunto. Não temos pressa nem urgência, o Presidente da República ainda tem muito tempo para namoriscar todos (desde que seja nas horas normais do expediente) até porque o ministro das finanças alemão já referendou o acordo e deu posse ao novo Governo português.

Entretanto, a Ministra das Finanças de Portugal andou pela Europa a beijocar tudo quanto é salta-pocinhas e explicou que está na disposição de encostar a sua cabecinha à do todo-poderoso Vice-Portas porque acredita na osmose dos neurónios. Ela não sabe nem sonha, mas possivelmente não tem de saber e tem outros sonhos mais interessantes, que Ortros – filho de Equidna e de Tifão – é hoje uma estrela brilhante depois de Héracles lhe ter limpado o sebo.
Coisas da vida, como diria o meu estimado Guterres.

Voltemos ao que interessa e deixemo-nos de antiguidades. Saudemos Paulo Portas pelo milagre da multiplicação dos votos. Sintamo-nos todos representados na sua liderança e felizes por finalmente vermos a finança (que colecta) coordenada pela economia (que gasta).

Afinal estamos no Verão e este é o tempo dos festivais de música e dos ministros promovidos pelas marcas de cerveja.
LNT
[0.221/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLIV ]

Gato Gaspar
Faz 8 dias - Portugal
LNT
[0.220/2013]

segunda-feira, 8 de julho de 2013

7º dia

Morto-vivoSe as contas não se enganam, deveríamos estar hoje a celebrar a Missa de sétimo dia de um defunto que se encontra na morgue a aguardar decisão de cremação ou de empalhamento.

Para empatar, o médico legista-chefe anda às voltas com o fígado e outras miudezas que retirou no decurso da autópsia do cadáver para estudar a compatibilidade consensual que demonstre haver hipótese de reengenharia que, segundo o manual de Mary Shelley, viabilize a reactivação de alguns sinais vitais.

O doloroso acontecimento e a forma como se arrastam os preparativos fúnebres estão a deixar em elevado estado de ansiedade toda a comunidade indígena, incluindo os herdeiros, os deserdados, os gatos-pingados e os coveiros que, pelo menos, exigem que os restos mortais abandonem a morgue e sejam expostos como corpo presente para receberem as lágrimas ou os aplausos que as comunidades julguem ser-lhe devidos.
LNT
[0.219/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLIII ]

Lisboa-Dakar
Lisboa - Dakar - Portugal
LNT
[0.218/2013]

domingo, 7 de julho de 2013

Comunicado alegadamente oficioso

O mais alto reformado da Nação faz saber que o circo está encerrado para fim-de-semana e que voltará à cena no próximo dia útil dentro do normal horário do expediente.
LNT
[0.217/2013]

sábado, 6 de julho de 2013

A bem da nação

 Afinal tudo não passou de uma colossal, irrevogável e incontornável vontade de cavalgar uma maior besta do poder.

Irrevogável por não ter sido revogado até ao momento em que o foi e incontornável por não se pretender que, embora com contorcionismo, se passasse pelo lado, mas sim por cima.

Desta vez não haverá dúvidas hierárquicas. Um vice-primeiro-ministro (seja lá o que isso o que for, ganhe isso o que ganhar ou mande isso o que mandar) é imediatamente superior a um ministro e imediatamente inferior a um primeiro-ministro.

A minutos do anúncio oficial já se adivinham as poses de Estado e os ares compungidos de quem sacrifica a honra e a palavra pelos altos desígnios da Nação.

Ainda nos hão-de tentar convencer que a reviravolta foi um acto profundo de humildade e abnegação.
LNT
[0.216/2013]

Conversações da coligação


Imagens exclusivas da ronda de conversações que se realizaram nos dois últimos dias.
LNT
[0.215/2013]

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Rodagens

TáxiQuem vista o CDS-PP fica a saber notícias requentadas com dois dias onde, no ponto 4 de um comunicado, se refere que este fim-de-semana se realiza o 25º Congresso do Partido Portas.

No entanto, a comunicação social vai referindo que a reunião magna do ex e futuro Partido do táxi deverá ser adiado esta noite devido a blás, blás, blás e coiso e tal iniciados sempre por "considerando que", fórmula habitual de encaixar conteúdos com uma mão-cheia de vazios.

Dado que consta que nesta semana foram comprados muitos automóveis novos, imagina-se a frustração dos que os adquiriram para as bandas do Caldas. O tempo até estava propício a passeios e uma viagem à Póvoa do Varzim seria a forma adequada de se fazerem as rodagens.
LNT
[0.214/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLII ]

Altura
Altura - Algarve - Portugal
LNT
[0.213/2013]

quinta-feira, 4 de julho de 2013

M' espanto às vezes, outras m' avergonho

Abrupto
Esta coisa de concordar com Pacheco Pereira é algo que me custa e irrita, mas não tenho outro remédio.

Ele acabou de dizer na Quadratura do Círculo que estas políticas não são uma imposição da Troika ao Governo Português mas sim uma decisão do Governo Português com a concordância da Troika.

Irrita-me, mas não posso deixar de concordar, porque tem sido isso mesmo o significado para “ir além da Troika”
LNT
[0.212/2013]

Enterrem-se os vivos e trate-se dos mortos

ContorcionistaCom o circo montado e os palhaços, contorcionistas e malabaristas em cena, assistimos ao mais degradante que o maior espetáculo do Mundo pode apresentar em cartaz.

Já os conhecíamos quando montavam a tenda nas praias e três ou quatro artistas desempenhavam, mal, todos os papéis. Já os conhecíamos quando saíamos com os miúdos a coçarem-se no fim do espetáculo, tal a quantidade de pulgas que lá se apanhavam.

Conhecemo-los agora no desempenho dos papéis da modernidade a brincar com jatinhos caríssimos e com a vida dos espectadores para acorrerem à genuflexão perante os senhores do Mundo que se dispõem a deixar uns trocos nos bolsos destes palhaços pobres.

Fracos líderes de tão valente gente!
LNT
[0.211/2013]

Comem tudo

AlhoNão faltou ontem quem se esgadelhasse com as "perdas" que se verificaram na bolsa portuguesa (como se as perdas existissem para quem não negoceia) e na subida abrupta das taxas de juros (como se ontem se tivessem comprado produtos).

Parecia que o fim dos tempos estava a chegar e que as perdas eram para todos.

Hoje, muitos dos que ontem compraram ao preço de saldo o que a histeria provocada pelos manipuladores do costume (há quem lhes chame mercados) tinha proporcionado, estão a realizar mais-valias interessantíssimas.

É a ciência do vampirismo. Quem não tem os dentes aguçados deve evitar a tentação de morder no pescoço de quem está preparado para lhos arrancar.
LNT
[0.210/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCLI ]

Laranja
Laranjas - Algarve - Portugal
LNT
[0.209/2013]

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Cabras-cegas

RabosNhã, nhã e nhã, nhã e se o Portas bater com o pezinho e resolver não se candidatar ao CDS no próximo congresso e coisa e tal e o Ribeiro e Castro continuar a bichanar com o grupinho para agarrar o renovado Partido do táxi e conseguir que o Pedro mais o Cavaco garantam que o "não me demito" é para valer e mais isto e aquilo e coisa e tal...

Percebem porque é que Coelho diz que vai fazer todos os possíveis para chegar a acordo com o CDS? (ele nunca falou que ia fazer os possíveis para demover o Portas).

Por trás de tudo isto está uma múmia sonsa que por baixo das ligaduras tem muito mais vida do que muitos daqueles que se julgam vivos.

(para rematar:
que eles andam aos montinhos a cozinhá-la, andam.
O Coelho está convencido que consegue tomar de assalto o CDS de Paulo Portas tal como fez há uns tempos no PPD.
Admira-me que ainda não tenham percebido que Paulo Portas, com os olhos fechados, sabe mais destas artes de salão e de corte do que eles, com todos os olhos abertos)
LNT
[0.208/2013]

Dos medos e dos mitos

Medos e mitosQuando acaba a razão surge a ameaça.

Eles não se calam. Eles não param de atirar mais medo para cima das ameaças.

Agora são os milhões que já perdemos desde ontem, como se ontem ou hoje tivéssemos comprado ou vendido alguma coisa e como se os ganhos e perdas da finança fossem independentes da compra e venda.

Já não chegava o "vem aí o segundo resgate" como se ele não estivesse atrás da porta devido aos maus resultados (já reconhecidos por Gaspar) das políticas autistas e destrutivas que este Governo "além da Troika" tem imposto.
LNT
[0.207/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCL ]

Yoda
Yoda - Star Wars - USA
LNT
[0.206/2013]

terça-feira, 2 de julho de 2013

Não me demito e não aceito a demissão de quem se demitiu

Passos Coelho

Aquilo que estamos a viver em Portugal é qualquer coisa que passa todos os limites de imaginação.

O Primeiro-ministro de um Governo de coligação que se comporta como um miúdo do jardim-escola e que decidiu o absurdo convencido que assim mostrava quem manda, dois ministros de estado que se demitem em dias seguidos, sendo que um deles é o líder do Partido muleta da coligação, o chefe do governo que nunca negociou com quem quer que fosse e que agora diz ao País que tudo fará para conseguir o consenso que não procurou há menos de 24 horas, o Presidente da República que empurra a sua responsabilidade pelo regular funcionamento das instituições para os Partidos políticos que não têm instrumentos para derrubar o Governo (por já terem queimado as moções de censura da sessão legislativa), o líder do Partido muleta que se demite sem concertar com os seus militantes que exercem cargos governativos uma estratégia (inclusivamente deixando que um deles tenha tomado posse no momento em que fazia saber ao País que se demitia).

Como foi possível que o povo deste País tenha elegido tais gentes? Sim, sei que disse no início do texto que aquilo que se está a passar ultrapassa todos os limites da imaginação, mas já algo de muito mau se podia imaginar desde o início, desde o inacreditável que se passou nas campanhas eleitorais, tanto nas do Presidente da República, como nas legislativas.
LNT
[0.205/2013]

Da irresponsabilidade

Paulo Portas

A publicação da carta de demissão de Gaspar e a nomeação da sua braço direito para o lugar vago foram brincadeiras de quem quis chegar ao pote sem ter estofo para a geleia real.

A irresponsabilidade, imaturidade e a falta de preparação deram nisto.

Fecharam-se todas as Portas.
LNT
[0.204/2013]

Os “ais” de Belém

Passagem estreitaDepois do todo poderoso Wolfgang Schäuble ter dado a sua bênção, vamos ter, pela segunda vez, uma mulher à frente das finanças portuguesas.

O senhor presidente da república já abriu as portas do Páteo dos Bichos e a romaria aos beijos, aos abraços e aos "ais dos liriquistas a chorar compreensão. Ai que vontade de rir." (a falta que Mário Viegas nos faz nestas alturas) está em curso.

Corro o risco de virem por aí as queimadoras de soutiens tratarem-me da saúde mas, como minhoto genético (quem o é sabe que o matriarcado minhoto é insofismável), tremo com o poder e o génio das mulheres celtas nortenhas. São lindas de morrer, mas são-nos fatais, tal como os "ais" tóxicos ou exóticos.

E para que não me apelidem também de machista esquerdista, coisa que não me aquece ou arrefece mas me arranca mais um "ai" nestes ais de Estado que nos fazem apátridas na Nação, evoco também a declamação cantada de Villaret:
Tocam os sinos na torre da igreja (...) Na nossa aldeia, que Deus a proteja, vai passando a procissão.
LNT
[0.203/2013]

Honra a Gaspar

GasparSabe-se que nesta casa não se bate em mortos.

Deseja-se que a terra lhes seja leve e que o Céu os leve de vez, mas no caso corrente as semelhanças com outros mortos com botas (a simpatia germânica, o caraismo-de-pau e a lentidão de discurso – embora com voz menos seminarizada) deixam suores frios e receios das almas penadas.

Por isso faça-se o elogio fúnebre, encomende-se a alma a Deus e ao Diabo e ore-se para que o espectro parta rápido para uma qualquer função no FMI onde poderá continuar a fazer previsões erradas que arruinarão a senhora Lagarde.

Não é todos os dias que um Primeiro-ministro sai de um Governo sem que ele caia, nem que alguém abandone um executivo deixando, para o suceder, tóxicos com o beneplácito alemão.

Gaspar sai cansado, honrado e vingado com a publicitação da sua carta de demissão justificadora.

Oxalá não volte (para cá ou por lá mandando no que cá se passa) pela mão de um qualquer Óscar Carmona para nos dizer: - Sei muito bem o que quero e para onde vou.
LNT
[0.202/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCXLIX ]

São lágrimas
São lágrimas - Gomes Ferreira - Portugal
LNT
[0.201/2013]

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Gato por lebre

Coelho animado
Corre por aí que hoje vão ser distribuídas cenouras em Belém.

Como ainda não abriu a época de caça aos coelhos, suponho que o guarda-florestal se prepara para dar lustro à toca.

A nova ninhada (a ser verdade) terá a bênção divina.
LNT
[0.200/2013]

Sem perdão

CordaVivemos num País que não sabe o que fazer para se aguentar e onde milhares de jovens e menos jovens têm de fazer as malas para tentarem obter no exterior a subsistência que aqui lhes está vedada.

Vivemos num País onde o Governo, em vez de dar o exemplo, é o primeiro prevaricador ao não pagar o que deve (o que faz falir aqueles a quem deve) e incumpre com a Lei de República e com os contratos sociais por si firmados.

Vivemos num País onde se perde o tempo da lei e o dinheiro dos contribuintes a decidir se alguém que gosta de envergar um colar de Presidente de Câmara pode saltitar de autarquia para o continuar a usar.

Vivemos num País onde a feitura das Leis está entregue a sapateiros que não sabem tocar rabecão.

Vivemos num País com protagonistas do ridículo sem pinga de vergonha.

Bem poderão os tribunais ocupar-se das manobras de vaidade e de ansia de protagonismo de alguns políticos, até por elas os manterem ocupados de forma a não se poderem dedicar aos ruinosos negócios e roubos que levam os cidadãos a deixar de comer pão para dar de comer lavagante aos que os espoliam, que os portugueses saberão ter respostas, independentemente do que vier a ser decidido, para mostrar aos “candidatos da golpada” que existem limites para a pouca vergonha.

Até poderá acontecer que algum desses autarcas alapados venha a ser eleito, mas o descrédito que tudo produz só serve para abrir o caminho aos carrascos da democracia que, cada vez mais, se acoitam embuçados de corda na mão.
LNT
[0.199/2013]

Sinal dos tempos

SalIndependentemente da pouca vergonha e do deplorável espectáculo de mentira e de desmentido que tem por actores um ex e um actual Ministro das Finanças, como pode um Governo afirmar desconhecimento anterior do negócio das swaps quando, em virtude dele, já foram demitidos dois dos seus membros e outro(a) não escapa à alegada suspeição de branquear essas permutas de forma exótica?
LNT
[0.198/2013]

Da bloga

BlogsPodia falar de mais uns quantos, mas só para que a memória seja evocada e se faça registo da persistência, fica uma saudação especial ao Memória Virtual, do Leonel Vicente, ao Adufe do Rui Cerdeira Branco, ao Respirar o Mesmo Ar do Joaquim Paulo Nogueira, ao Portugal dos Pequeninos, do João Gonçalves, ao Bloguítica do Paulo Gorjão, ao Praça da República em Beja do João Espinho e ao Abrupto do Pacheco Pereira, e através deles a todos os outros que já andam na "bloga" há mais de 10 anos.

Na altura também já andava por aqui, a Ter Voz e a dar voz a quem a queria ter. Depois vieram muitos outros e muitas outras formas de ter voz e de a calar.

Saudações, aos que estão desde então aqui e que permanecerão, enquanto lhes for de apetite, para desejar má sorte à rufiagem que nos esmifra ou, como diria o Masson, na sua linguagem de doutrina no Almocreve das Petas:
Na essência, a prosaica política destes inenarráveis sujeitos & seus validos é destruir, destruir, destruir. A insídia destes domésticos amestrados é o maior testemunho histórico, entre nós, de como a interminável farsa do amor pátrio proclamado pela classe política indígena readquiriu o labéu (sem surpresa) de intenção criminosa, o que, convenhamos, é muito mais que o eterno desprezo que nutrem pelos cidadãos eleitores. Até que um dia, de vez, o céu lhes caia sobre as cabeças. Et erit sepulchrum eius gloriosum.
LNT
[0.197/2013]

Já fui feliz aqui [ MCCXLVIII ]

Albacora
Albacora - Tavira - Portugal
LNT
[0.197/2013]