quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Querido blog

LâminaDesta vez, cansado de escrever para as pessoas, é para ti que “posto”.

Estás sempre disponível a acolher as minhas letras, palavras e frases sem contestar os conteúdos nem recusares as posições de esquerda, direita ou de volver que as retomas anunciadas me fazem assumir. Nunca levantas questões com as minhas coerências, incongruências ou displicências.

És um tipo porreiro, pá!

Sei que também não irás responder, agradecer ou desdenhar deste texto. É teu feitio, não defeito, mas fica sabendo que, apesar da tua disponibilidade e boa vontade a minha tendência é para, à medida que envelheço, reduzir a prosa o que, por não ser poeta, implicará uma redução no envio de letras, palavras e frases.

Sabes, Blog, estou a ficar parecido com o safardana do relógio do Portas que conta o período que falta para acabarem as tranches de maçaroca dos Troikas e não o tempo que falta para que eles nos deixem da mão. Por isso, por estar a ficar parecido com um safardana, termino este punhado de letras como o faria um qualquer deputado que tem medo de assumir a suas responsabilidades políticas e empurra as incomodidades para as mãos do referendo, mesmo sabendo da sua ilegalidade e inconstitucionalidade.

Tiques aprendidos de “pequininos” nas travessuras jotinhas levam-nos a pensar que ganham tempo, inconscientes na safardanice e ignorantes por não perceberam que o tempo nunca se ganha, porque se perde e não tem volta.

Dito isto, deixo-te mais este punhado de letras inconsequentes e se não te abraço é porque, ao contrário das convicções, não se abraça um Blog. Passa bem!
LNT
[0.063/2014]

2 comentários:

Janita disse...

Espero que este texto seja mesmo um desabafo que teve com 'este tipo porreiro' que é a Barbearia do Sr. Luís!
Ele, o blog, não vai desdenhar nem agradecer tudo o que lhe disse, com algum cansaço e um niquinho de amargura.
Mas nós, leitores, somos o seu porta-voz e respondo eu, se me permite.

Não o/nos abandone! Já sei; vai sorrir ironicamente e pensar que o abandonado tem sido o Sr. Barbeiro!
Os impostos são cada vez mais difíceis de aguentar e a clientela começa a escassear.

Mas, que diabo, um Barbeiro com a sua destreza com a navalha, a tesoura e o pincel, não se deixa abater assim sem mais nem menos! Se acha que a idade (?) o obriga a reduzir a prosa, quiçá, por falta de paciência; reduza...já que reconhece não ter jeito para a rima, mas isso de dizer assim de forma tão crua: "Passa bem" a quem sempre o estimou e consigo esteve, nos bons e maus momentos...tá mal!

Não me parece coisa que um tipo porreiro mereça!
Se eu não aceito, imagino como se deve sentir ele.
Não faça isso! :(

Um abraço e fique bem...até amanhã ou depois!

Janita.

Luis Novaes Tito disse...

:)