terça-feira, 3 de junho de 2014

E por falar em motins

Bandeira PSA coisa complica-se, não poderia deixar de se complicar, porque há sempre quem confunda democracia com anarquia e disputa com motim.

Costa deveria açaimar os mastins que soltou para não lamentar, um dia destes, vir a ser confundido com eles. Uma coisa é mostrar-se disponível para ocupar um lugar que renegou enquanto não lhe merecia garantias de acesso ao poder. Outra coisa é funcionar como motor de uma rebelião contra o poder instituído democraticamente e rodear-se de um bando de sublevados apostados em denegrir o Secretário-geral do Partido a que pertencem.

Os nossos camaradas de Partido e muito especialmente os que por nós estão eleitos para nos representarem nacionalmente ou no poder autárquico bem podem apagar os posts da asneira e suspender o próprio blog, que o mal está (volta a estar) feito e desta vez ultrapassou todos os limites do aceitável.
LNT
[0.205/2014]

14 comentários:

Joaquim Moura disse...

Os termos do seu post são igualmente insultuosos e igualmente indignos de quem quer ser respeitado.
Quanto à acusação de oportunismo deve estar a referir-se a quem na própria noite eleitoral, em 2011, afivelou o seu sorriso postiço nº.5 e anunciou ser candidato a secretario geral do PS, mesmo antes do secretario geral se ter pronunciado publicamente.

Anónimo disse...

com seguro o PS nao conta com o meu voto,nem pensar!

Luis Novaes Tito disse...

Joaquim Moura
Importa-se de identificar o insulto feito ao António Costa?

Quanto à acusação de oportunismo peço-lhe que reveja o seu raciocínio e se lembre que Seguro avançou no momento da vacatura do cargo (o SG do PS tinha acabado de renunciar) e o António Costa está, pela primeira vez no PS fora de um período eleitoral interno, a promover a destituição de um Secretário-geral.

As coisas são o que são e não as fantasias que queremos que sejam.

ibmartins disse...

"Importa-se de identificar o insulto feito ao António Costa?"

eu identifico: "mostrar-se disponível para ocupar um lugar que renegou enquanto não lhe merecia garantias de acesso ao poder" e "funcionar como motor de uma rebelião contra o poder instituído democraticamente" e "rodear-se de um bando de sublevados"

António Costa nunca se confundirá com qualquer seu apoiante mal criado - "não faço processos de intenção" (em resposta a uma pergunta do jornalista tendente a levá-lo a dizer mal de seguro) - "o partido tem que honrar todos os contributos" e
nem há pessoas prescindíveis, nem há ideias prescindíveis" (sobre as 80 medidas de seguro).

Já seguro confunde-se facilmente com os seus apoiantes "uma irresponsabilidade" e "são os jogos de poder que eu não faço" e "na politica não vale tudo" ou "facada nas costas"

O crime de AC:
"é necessário que não nos conformemos com aquele resultado" (31% face a 27%) e "não me imponho a ninguém, a única coisa que digo é que deve ser dada voz aos militantes"

António Ribeiro disse...

Caro Novais Tito.
"Açaimar os mastins que soltou", não é ofender ? O "não perdes pela demora" do António Galamba não é uma ameaça? O "habituem-se .." do SG não é uma ameaça grosseira?
Quanto às atitudes políticas do actual SG lembro-me de algumas:
- Quando da eleições legislativas de 2009, sendo cabeça de lista, não se dignou aparecer na cerimónia de apresentação dos candidatos no Coliseu;
- No Congresso de Matosinhos em 2011, não se dignou falar aos militantes;
- Foi um dos 3 deputados que em 2011 aplaudiu, com convicção, o discurso do líder dos conspiradores na sua tomada de posse na Assembleia da República;
- Em entrevista ao Camilo Lourenço, nos idos de 2007 admitiu substituir Sócrates, para além de muitas críticas veladas;
- Nunca , mas mesmo nunca, teve um palavra para defender o PM José Socrates dos soezes ataques da reaccionarada;
- Nunca foi capaz, já depois de eleito SG, de defender o que de bom foi feito no anterior governo do PS;
- Não pediu ao TC a inconstitucionalidade do orçamento 2012, o símbolo da ideologia neo liberal:
-Colaborou na escolha de um inimigo do PS e de Ferro Rodrigues para candidato á Câmara de Cascais, sabe-se lá porquê;
- Colaborou na escolha de um tal Parada para candidato a Matosinhos, contra o anterior Presidente Guilherme Pinto que terá cometido o pecado de ser amigo de Sócrates. Ao ouvir Francisco Assis, então candidato a SG, e ao ler o blogue Jumento, fica-se com a sensação, nunca desmentida, da existência de militantes fantasmas mas que votam. Nunca se procurou resolver este problema;
- Finalmente, é claramente um burocrata só preocupado em blindar estatutos, sem carisma, sem nenhuma ideia criativa e sustentável sobre o País, sem visão, incapaz de liderar. Não inspira nenhuma confiança.Esta não é só a minha opinião, é a opinião de muitas, mas mesmo muitas pessoas que não sendo militantes, gostariam de votar PS ,mas não o fazem. Apostou tudo na " mudança" nas europeias, como ante câmara das legislativas. Terá ganho, talvez, a oportunidade de vir a substituir Portas na actual coligação, como Vice de Passos. Até poderá vir a derrotar Costa, mas vai, seguramente, derrotar o PS.

Luis Novaes Tito disse...

ibmartins importa-se de me esclarecer se também se chama Joaquim Moura?
Mesmo tendo feito aquilo que se chama descontextualizar fazendo entender que eu me estava a referir a António Costa quando sabe perfeitamente que me referia a outros e isso é explícito pelo link que deixei ficar no meu Post, não me consegue dizer aquilo que eu não disse. Releia o texto por favor, leia o nojento texto que foi escrito por um meu camarada e tente perceber aquilo que aqui se escreve.

Luis Novaes Tito disse...

António Ribeiro
Fiz algumas afirmações fortes, mas terá de concordar que não foram contra António Costa, conforme digo no meu texto. Aliás a frase chave que uso é: "Costa deveria açaimar os mastins que soltou para não lamentar, um dia destes, vir a ser confundido com eles".Sendo que ele não é confundido com eles. Sabe que conheço muito bem AC e sei que ele nunca faria a alarvidade de confundir o que se passa no PS com o fim do III Reich como o fez um camarada meu ao escrever o nojento texto que poderá consultar se seguir o link que está no meu texto.
Quanto ao resto das suas anotações não tenho de me pronunciar porque o texto trata de outra coisa e só sou responsável por aquilo que escrevo.

Joaquim Moura disse...

Luis Novaes Tito,
"Costa deveria açaimar os mastins que soltou".
Esta afirmação é um insulto. Quer a António Costa quer a outros militantes do PS que o apoiam.
A António Costa porque lhe atribui a autoria moral de qualquer frase ofensiva que os seus apoiantes tenham escrito ou proferido, "Costa soltou os mastins",
Aos militantes do PS seus apoiantes que na sua opinião são "mastins" raivosos.
Não pode é criticar, com razão, quem ofende e usar também uma linguagem ofensiva.
Recordo-lhe que António José Seguro, fez declarações aos jornalistas presentes no Hotel Altis, na noite de 5 de Junho de 2011, manifestando a sua intenção de se candidatar a SG do PS, quando o José Sócrates ainda a falar para a comunicação social. Na pressa em ser o primeiro e marcar o terreno, atropelou o respeito devido ao militantes, que viviam um mau momento da vida do PS.

Luis Novaes Tito disse...

Joaquim Moura
Já respondi. Aconselho a que leia o que transcrevo no link para entender, de vez, ao que me estou a referir.
Faça-me a justiça de compreender que não é sequer tolerável pensar que um militante socialista compare a direcção do PS às atitudes do III Reich.

Luis Novaes Tito disse...

E note que não ataco, nem nunca ataquei militantes socialistas fora deste contexto.

ibmartins disse...

Chamo-me só ibmartins. Antecipei-me apenas ao esclarecimento que pediu a António Moura porque também a mim aquilo que disse me parece um insulto.

Não especialmente no chamar mastins e bando de sublevados, como quem coloca todos os apoiantes de António Costa no mesmo saco do autor do texto do link. Por aí nem me manifestaria.

Para mim o verdadeiro insulto está no reduzir as motivações de António Costa a um interesseiro assalto ao poder. Ao reduzir dessa forma os argumentos de AC, apouca o adversário e recusa discutir o que o traz a terreiro.

Essa é a estratégia que tenho visto no apoio a seguro.
Ao dizer, como disse seguro "não vale tudo em política" está-se a implicar que o oponente age por interesse, faz jogo sujo e ao mesmo tempo está-se a apoucar a política.

Descontestualizo aqui uma frase que ouvi a AC "a vida política não é um concurso de ambições, é um sentido de serviço". Vê a diferença? Vê como uma frase eleva o debate e re-coloca as coisas nos seus sítios originais e a outra frase vem carregada das ideias negras que estão muito na moda e desprestigiam os políticos e a política?

Não lhe parece que encarar de frente os desafios para o ps e para a existência de uma verdadeira alternativa de governo, tão bem expressos nesta eleição é realmente o que faz falta? Não há muito tempo para essa construção, seguro nunca devia ter ido pelo caminho tortuoso que escolheu.

Não conheço nenhum dos dois, sou apenas uma (agora ex) votante ps. Mas visto daqui seguro parece-me estar ele agarrado ao poder e com medo da discussão. Parece-me estar a pôr à frente dos portugueses que gosta de referir ou do ps valores que têm a ver com a sua própria carreira e com o esforço que sem dúvida despendeu, como se no fim devesse estar um prémio para ele, e não um resultado para o país

Em relação ao texto do link, estou em completo acordo consigo.

Luis Novaes Tito disse...

Ibmartins, é o problema da escrita e da leitura. Escrevo o que escrevo e quem me lê, interpreta aquilo que eu escrevo e o que não escrevi. Há-de ser assim até ao final dos tempos e quem não quer correr esses riscos não faz blogs, o que não é o meu caso.
Por muito que queira ver escrito que chamo o que diz a "todos" os apoiantes de AC eu não o escrevi nem sequer o sugiro. E volto-lhe a dizer que isto não é um blog de apoio a Seguro e por isso não tenho de fazer a sua defesa, nem tenho mandato para a fazer. É o meu blog pessoal onde digo aquilo que me vai na alma. Sempre foi.

ignatz disse...

oh tito, já percebemos que educação e boas maneiras é contigo e rapaziada que defendes. tudo o que seja fazer oposição ou contestar falta de oposição ao governo é falta de educação e inoportuno, portanto amanhem lá um congresso, primárias ou demitam-se que o costa trata do resto e acabam-se as novelas das traições, dos pitbull, dos afectos, das moções de censura e palhaças adjacentes para gastar tempo.

Luis Novaes Tito disse...

Ignatz
é como dizes. Basta um pastor. Cada vez estou mais fora dessa carneirada.