quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

E a liberdade de circulação?

Honda PorscheJá está. Quem te manda ser pelintra, pá! A partir de hoje o meu fantástico e em óptimo estado CRV de 1998 fica interdito de circular na zona nobre da cidade que me viu nascer e onde vivo desde então.

Em tempos tão defensores de todas as liberdades, comprova-se que a liberdade de circulação fica excluída. Se ao menos não me obrigassem a ter as emissões de escape controladas com as inspecções anuais obrigatórias... (pelo visto a idade dos veículos prevalece sobre o controlo de emissões)

Vale já estar eminente a entrega da minha encomenda do Porsche Panamera deste ano.

Lisboa não é para velhos (nem para tesos), é o que é.
LNT
[0.024/2015]
Lisboa

5 comentários:

Sousa Mendes disse...

Informação municipal. Os residentes ficam excluídos da proibição!

Anónimo disse...

só os residentes que vivem nessas zonas .
porque eu também sou residente em Lisboa , no parque das nações ,mas estou interditada!!
é uma medida completamente estúpida , de profunda malvadez e própria de mentes pequenas.
não dou , não troco, não vendo o meu carro porque é melhor do que qualquer outro carro topo de gama e também me recuso a comprar novo pelo mesmo motivo.
pode ser que haja alguém menos destituído que perceba que só seria medida correta se a proibição fosse para todo e qualquer carro , exceto polícia, transportes públicos , ambulâncias )

Luis Novaes Tito disse...

Verdade que é só para residentes das zonas que agora foram interditadas.

Estamos perante mais uma medida de proibição para parecer que se está a fazer alguma coisa, uma vez que a inspecção obrigatória já controla as emissões.

Negócios para empresas certificadoras e jogadas inacreditáveis para promover a venda de carros novos.

Anónimo disse...

Ai, essa espinha na garganta, que não há meio de sair!...

C.C. disse...

Esta medida é a maior afronta aos reformados!
Vamos regularmente a Lx e alojamo-nos junto ao Marquês. O meu carro é de 99 o do meu homem de 98. Ambos para durar e estafar com inspecções em dia, obviamente e um deles a diesel. Como é possível obrigar dois reformados depenadíssimos a mudar de hábitos ou a mudar de carro, se vamos neles a outras cidades da Europa e ninguém nos chateia?
Esta história dos gazes não me convence.