sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Voos rasantes

Eurosondagem/SICAssim vai a coisa.

Se fosse hoje, o PS conseguiria uma vitória de Pirro que, mesmo associada com o partido Marinho & Pinto ou com a muleta Livre que fez a actual direcção do Partido Socialista ascender ao poder à revelia dos seus militantes, não lhe bastaria para uma maioria absoluta no Parlamento.

Sabe-se, porque já foi dito em alta voz, que o PS não gosta de ser o PASOK e adivinha-se que dentro de alguns meses também não gostará de ser o PSOE, assim como o actual Secretário-geral não gosta de falar do antecessor que apeou a meio do caminho, mas por este trilho tortuoso em que não gosta de se parecer com coisa alguma sem dizer o que planeia ter por semelhante, não parece que venha a ser exemplo para qualquer um dos outros Partidos da Internacional Socialista.

Como Portugal não é a Grécia nem a Alemanha, como os portugueses olham para o Livre como o ascensor interno do PS, como o BE anda longe de ser um SYRIZA e como o PC continua a ser a CDU, as perspectivas não são brilhantes.
LNT
[0.090/2015]

2 comentários:

Paulo Alexandre Silva Pereira disse...

A sondagem da Eurosondagem revela que PSD e CDS ficam a 4,5 pontos do PS. E que o erro máximo é de 3,1%, para um grau de probabilidade de 95%

O Costa anda à deriva.
Foi nº 2 de Sócrates e pressionado lá foi a Évora.
Elogiou o bloco central e depois desmentiu.
Ia a reboque do Syriza esquecendo-se da família (PSOK).
Ora pisca o olho à direita ora à esquerda.
Não se compromete com a dívida, mas os seus vassalos têm uma opinião radical.
Diz o óbvio, não tendo soluções concretas.

Anónimo disse...

Completamente de acordo. Mas não me lembro de ver tanta lucidez em relação a um fenómeno semelhante que dava pelo nome de José Seguro. De facto, isto do sentido crítico não é como o Natal (quando um homem quer) é só uma vez por ano.