sábado, 9 de maio de 2015

Também não somos o Labour

LabourÉ doloroso ler que, se o Reino Unido decidir sair da União Europeia pelo referendo que lá se realizará em 2017 (o referendo foi uma das promessas eleitorais que mais fortemente contribuiu para a estrondosa vitória dos Conservadores), a Inglaterra perderá o seu peso na Europa e no Mundo.

É principalmente doloroso porque, uma vez mais, são atirados os papões do caminho único e da inevitabilidade de pertença a uma União Europeia que há muito o deixou de ser quando optou por se transformar num directório germânico/nórdico destinado a exercer o controlo que não conseguiu há 70 anos.

Andamos nisto. Nisto de chamar Europa à União Europeia e de comemorar décadas da queda de um poder de armas que agora se afirmou pelo poder da moeda. Como se o valor maior não fosse a vontade dos povos dessa Europa, como se o valor maior conseguido pelo derrube das armas não tivesse sido transformar o voto na arma desses povos.
LNT
[0.227/2015]

2 comentários:

Anónimo disse...

Estas eleições mostram que o fim do reino unido, tal como existe actualmente, está próximo. Por outro lado, o referendo será uma espécie de lança chamas na europa.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Se vê o filme certo, não sei porque se senta numa plateia em separado. O problema que nos massacra é mais esse que qualquer outro...