domingo, 7 de agosto de 2016

Manel

Manuel Seabra PereiraFoi preciso que o dia 25 de Julho já tivesse distância suficiente para te deixar publicamente estas palavras.

Foi preciso que me recordasse de ti mais vezes por dia do que recordava anteriormente para deixar umas linhas sobre a impossibilidade de registar uma vida de amizade fraterna que desde jovens sempre partilhámos, antes e depois do teu casamento com a minha irmã João que tive o grato prazer de apadrinhar.

Foi preciso percorrer a memória para lembrar momentos de grande cumplicidade e confiança que me fizeram ser padrinho, e à Luísa madrinha, da tua filha Filipa. Recordar os momentos em que, contigo e com a João, conheci o Tiago pequenino em Londres e depois, muito depois, a Teresa em Lisboa.

Manuel Frederico Oom de Seabra Pereira, meu cunhado irmão de sempre, a quem testemunhei a excelência académica e profissional desde a licenciatura em engenharia mecânica no Técnico, ao doutoramento em Londres, à agregação no IST, à cátedra, à vida de professor/investigador feita em Tucson e por esse mundo fora, à eleição como Vice-reitor da Universidade Técnica de Lisboa, à passagem como consultor da REFER e finalmente na eleição, já doente, como Chairman do Conselho da EURNEX – The European Rail Research Network of Excellence.

Meu querido Manel confesso-me saudoso das nossas partilhas e confidências, dos esporádicos almoços no Martinho da Arcada, das idas ao Minho, das férias no Carvoeiro e em Moledo, da tua sempre presença nos momentos difíceis e principalmente nos de grande felicidade como o meu casamento, nos momentos marcantes da vida das minhas filhas Catarina e Margarida desde a maternidade até às suas licenciaturas, do nascimento das minhas netas, nos jantares de família, de Natal e dos 29 de Dezembro, nas festas no Gaio e na das flores do aniversário 40 do teu casamento.

Sinto-me saudoso e carente da tua afabilidade simples, que só os homens cultos expressam, quando agradeceste, há uns poucos meses, o livro que te dei com a dedicatória da sua autora, Ana Cristina e o registo da editora B.

Só algumas passagens, Manel. Só consigo citar breves passagens.

Guardo para sempre o teu sorriso crente daquele dia sem memória, porque só um crente aceitaria partir assim, sorrindo sem um ai.

E sei, mesmo não partilhando das tuas certezas, que aquilo em que acreditavas te era tão real como a ciência exacta que nunca deixaste de investigar e que por isso hás-de estar onde sempre pensaste que estarias depois de partir.

Olha por todos nós que ainda por cá andamos.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.047/2016]

2 comentários:

Janita disse...

Luís,
só lhe dar um abraço sentido, a si, e toda a sua família.

Janita

Hélio Coelho Matias disse...

É um texto sentido e abrangente...
Nada se lhe pode ou deve acrescentar!
Só um abraço...não virtual.
Hélio Matias