quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Jornalismo de merda

Sovacos

Cheguei a casa à hora do almoço, liguei a televisão na SICn para saber as novidades do dia e estive mais de cinco minutos a ver, em loop, um vídeo feito em Almada, datado de Novembro passado, onde uma gandulagem juvenil espancava um outro jovem. O vídeo, segundo consta, foi feito por um dos gandulos que assistiam impávidos à cena, com o intuito de ser divulgado nas redes sociais.

Já todos conhecemos estas práticas que têm por interesse principal a obtenção de notoriedade de quem pratica os actos e de quem os filma.

Como disse antes, o vídeo esteve a ser transmitido em loop constante na SICn enquanto os pivots falavam com técnicos de saúde mental e com a Mãe do jovem agredido.

Desde que comecei a contar vi as mesmas imagens cinco vezes.

A SICn serviu na perfeição os interesses da gandulagem em causa ampliando em milhares, ou milhões, o número de visualizações.

Só para completar o guião, transmitiu de seguida um vídeo de uma outra gandulagem americana a espancar um deficiente e rematou a série (não sei se houve sequência no alinhamento porque mudei de canal) com a imagem da criança refugiada, morta na praia, que no ano passado foi capa de todos os jornais.

Se isto não é jornalismo de merda, não sei o que o será.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.008/2017]

3 comentários:

D. disse...

Nos outros canais a cena repetiu-se. E todas as outras, as notícias neste momento não passam de repetições dos mesmos temas, alguns já com meses!!!

Rogerio G. V. Pereira disse...

Se fosse só por isso...

Sugestão: quando voltar a escrever jornalismo, meta-lhe aspas, seja qual for o jornal, canal, o assunto, ou a hora em que estiver sintonizado...

opjj disse...

Tem toda a razão. De facto é um absurdo as repetições.
O jornalismo e comentadores estão todos dependentes de subsídios e mordomias por isso nunca contradizem um governo e neste caso o PS.
Quanto aos rapazolas o problema começa em casa.Frequentei escolas com milhares de alunos e nunca vi lutas.
OS DE AGORA parecem pobres mas com telemóveis Topo Gama.