sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

A geringonça e o zingarelho

Geringonça ZingarelhoPortas, ex-PàF, sempre foi um vendedor de banha-da-cobra a quem todos nós, que já tivemos oportunidade de observar a vender esticadores para os colarinhos e pentes para os carecas nas feiras saloias, nunca deixamos de prestar alguma atenção. Não tanto com o intuito de lhe comprar algo - por sabermos, à partida, que estamos perante produto defeituoso ou falso - mas pela graça do seu proclamar.

Nas últimas subidas ao palanque para vender mais um xarope miraculoso, Paulo Portas, ex-VicePM e mais uma data de ex-coisas, rotulou com a designação de “geringonça” o conjunto de intenções que quatro Partidos assinaram para garantir um Governo legitimamente democrático.

Acontece que uma geringonça é algo que não se compreende, algo que para ele e para os seus não tem compreensão por não entenderem o funcionamento da democracia, coisa até já entendida pelo Presidente da República como não o sendo, uma vez que acabou por ter de dar posse ao Governo Costa e o viu confirmado pela maioria dos deputados.

Portas e os seus deputados eleitos à boleia daquele zingarelho a que se chamou PàF, que nunca funcionou e que para nada mais serviu do que para garantir ao CDS/PP um número de deputados que nunca teria conseguido se não estivesse engajado nas roldanas desse zingarelho, podiam parar com a histeria dos sound-bites (geringonça) e caírem na realidade de que as pessoas estão muito mais interessadas em coisas que lhes digam respeito do que na dor de corno de políticos irrevogavelmente remetidos ao lugar que lhes compete.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.304/2015]

2 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Seu texto
está quase ao meu jeito
se emendar
"graça do seu proclamar"
por esgar
e
conjunto de intenções
por compromisso
eu
estarei de acordo com tudo isso

Anónimo disse...

A vida é filha da puta,
A puta é filha da vida...
Nunca vi tanto filho da puta
Na puta da minha vida.

(atribuído a Bocage)

A propósito do irrevogável...