quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Bom ano e protejam-se

2015

Consegui cumprir a promessa que a mim próprio tinha feito de, até ao final deste ano, não produzir publicamente os meus balanços habituais.

Tinha por objectivo não me chatear com mais ninguém até ao final de 2014 sendo que 2015 será boa altura para o fazer, à boa maneira deste estabelecimento que andou quase clandestino nos últimos meses.

Por hoje, dia em que termina um ano bem balançado, resta-me desejar a quem ainda aqui passe que tenha em 2015 o melhor de tudo e que o cinzento que se vê no horizonte não traga muita chuva.

Sejam felizes e, se não forem de pés direitos, entrem com os esquerdos ou até mesmo de quatro.

O importante é que, como diria a turba gaulesa irredutível, 2015 não nos caia em cima na cabeça.
LNT
[0.345/2014]

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Já fui feliz aqui [ MCDLXV ]

Presentes de Natal

Espera-se que, ao menos e apesar da loucura do consumismo, tenham mandado para a reciclagem os embrulhos e as embalagens do desperdício.

LNT
[0.344/2014]

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Bye Joe





The night gang started working with a mile of southern road
As I watched I got to thinking You ain't never coming home
I looked out of nowhere There was nobody at all To get me help To get through to you
I'm here making night calls

LNT
[0.342/2014]

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

TAP - Todos Andamos a Pagar

AviãoNisto da TAP o que importa reter é o discurso de que a companhia precisa de uma injecção de dinheiro para se manter viável.

Diz esse discurso que só com capitais privados e despedimentos privados é que a companhia aérea portuguesa, que o deixará de ser a partir do momento em que for vendida a um qualquer chinês dos vistos gold, passará a dar lucro.

Quer isto dizer que o dinheiro público não serve para dar lucro e também quer dizer que os despedimentos públicos são muito mal vistos, enquanto os privados são uma visão menos má da coisa.

Claro que haverá sempre a possibilidade dos investimentos privados permitirem reformas antecipadas revertendo para o Estado os custos dessas medidas, ou até mesmo que o ruinoso “negócio de manutenção Brasil” fique do lado do Estado, mas já nos vamos habituando à ideia de que o Estado (nós todos) existe para suportar perdas e os privados para receberem os lucros.
LNT
[0.341/2014]

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

In the land of submarines, all aboard


Full speed it is, Sgt
Cut the cable, Drop the cable
Aye, aye, sir, Aye, aye
Captain! Captain!)
LNT
[0.340/2014]

I'll Be Home (in Évora) for Christmas

Costa Natal ÉvoraI'm dreamin' tonight of a place I love
Even more than I usually do
And although I know it's a long road back
I promise you

I'll be home (in Évora) for Christmas
You can count on me
Please have snow and mistletoe
And presents under the tree

Christmas Eve will find me
Where the love light beams
I'll be home (in Évora) for Christmas
If only in my dreams

Christmas Eve will find me
Where the love light beams
I'll be home (in Évora) for Christmas
If only in my dreams
If only in my dreams
LNT
[0.339/2014]

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Um homem é um homem e um gato grande pode ser um leopardo

Casaco de leopardoUm homem quando morre deixa a sua reputação e quando vive faz por ela.

Um leopardo quando morre deixa o coiro para quem dele pode fazer um casaco de Inverno politicamente incorrecto até mesmo se usado num restaurante à beira mar da praia da Comporta.

Um cidadão que acredita na solidez dos seus bancos, mesmo quando essa solidez é afiançada pelos Chefe da Nação e do Governo deixa, quando morre, uma mão cheia de nada aos filhos e aos netos.

Um relatório quando anuncia que a economia paralela aumenta a olhos vistos, quando morre na redacção de um canal de notícias transforma-se num magnífico chorrilho de informações tendentes a explicar essa economia paralela nas feiras deste calhau à beira-mar largado. Coisas de ciganada, está-se mesmo a ver, que nada tem com os recibos não passados por uma mão cheia de profissionais liberais, diplomados ou não, e com mais uma data de trafulhices que todos conhecemos mas que fazemos por esquecer.

Um homem (ou mulher), é um homem (ou mulher, ou coisa assim) e um gato grande pode ser muitas coisas, até um leopardo.

Quando morrem deixam de estar vivos, como dizia a outra.
LNT
[0.336/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDLXIII ]

Tom Jobim
Tom Jobim - Rio de Janeiro - Brasil
LNT
[0.335/2014]

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Divinas comédias

Cimissão BESClaro que as comissões de inquérito da Assembleia da República têm importância política e podem ser um meio complementar de apuramento da verdade para efeitos judiciais (uma vez que registam falas).

É assim em Portugal como na maioria dos países democráticos.

Também é verdade que, como diz Paulo Querido, “A comissão hoje tão badalada produziu mais ruído do que informação. É justamente vista pelos inquiridos como uma oportunidade de apresentarem narrativas elaboradas para estratégias de gestão de crise. Uma parte dos parlamentares usa o palco com evidente deleite mediático

Mas a questão da coisa não me parece ser tanto do palco mas mais dos comediantes residentes que nele actuam, sempre com o ouvido no ponto, sem capacidade para desmontar o guião e sem rasgo para desconstruir as narrativas e os enredos que as suas divas convidadas trabalharam à exaustão (com profissionais da pantomima) para levarem a representação à cena.
LNT
[0.334/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDLXII ]

Endless River
Pink Floyd - The Endless River - GB
LNT
[0.333/2014]

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Excelentíssimos

Ricardo Salgado na Comissão da AR

Pois, a presunção da inocência é o maior bem do estado de direito.

Já se sabe e também por aqui se acredita no chavão mesmo quando não passa disso e se faz tudo para que os “presumíveis” inocentes subam ao pelourinho na praça pública para serem imolados, sem dó nem piedade, numa qualquer fogueira inquisidora.

Mas essa presunção com os presumidos devido ao seu estatuto de nem todos serem iguais, porque um milhão não é o mesmo que um tostão, ser levada à reverência das “boas-maneiras” na prática queirosiana do chapelinho na mão reverendíssima a “vossas excelências” feita no local que julga sem juízes perante a populaça que ainda se interessa pelo que lhe vai sair do bolso é bem o reflexo dos políticos genuflectidos àquilo que hoje se chamam mercados, finança e quejandos.

Acho graça quando usam a expressão "antigo dono disto tudo" como se ele o tivesse deixado de ser. Basta ver os salamaleques que os nossos ilustres representantes na AR lhe fazem.

Não o ter recebido com a guarda a cavalo em sentido e o estandarte flectido...
LNT
[0.332/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDLXI ]

Praia Zavial
Zavial - Sagres - Portugal
LNT
[0.331/2014]

domingo, 7 de dezembro de 2014

Parabéns Pai Fundador

Mário Soares

Dizer, como se ouve por aí a muitos que só o podem dizer porque Soares se bateu para permitir que hoje o digam, que se peça a Mário Soares para se deixar reservado e se abster de comunicar o que pensa, a bem da sua imagem histórica futura, é uma imensa insanidade.

Pedir para que Soares cale é renegar a sua longa vida de luta para que ninguém possa ser calado.

É por essa vida em luta pela liberdade, que os seus 90 anos me calam fundo.

Muitos parabéns Mário Soares. (e obrigado)
LNT
[0.330/2014]

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Prender para: investigar, humilhar, vergar, extorquir, limitar, despersonalizar, calar

Detenção de Sócrates
Prende-se para melhor se investigar. Prende-se para humilhar, para vergar. Prende-se para extorquir, sabe-se lá que informação. Prende-se para limitar a defesa: sim, porque esta pode "perturbar o inquérito". Mas prende-se, principalmente, para despersonalizar. Não, já não és um cidadão face às instituições; és um "recluso" que enfrenta as "autoridades": a tua palavra já não vale o mesmo que a nossa. Mais que tudo - prende-se para calar. E - suprema perfídia - invoca-se, para assim proceder, as regras do Direito, a legitimidade da democracia. "As instituições estão a funcionar."
O que me leva a borrifar para a carta de Sócrates não são as dezenas de verbos que ele usa para dar razão ao que escreve mas sim as centenas de vezes que as razões dele não foram consideradas durante os seis anos em que foi Primeiro-Ministro e nada fez para que essas razões deixassem de o ser.

O 44 de Évora tem razão. É inacreditável que a nossa justiça aja desta forma, mas só é hoje possível que o faça porque houve um PM que durante o tempo em que o foi (quatro dos quais com maioria absoluta) nunca fez o que quer que fosse para ser de forma diferente.

E, se adianta que seja verdade ser necessário sentir na pele o mal que acontece aos outros, não deixa de ser verdade que, quem é eleito para que os outros tenham os seus direitos protegidos, merece sentir na pele os efeitos das suas inconsequências.

É isto que distingue a pungência dos órfãos, da pungência dos eleitores que resulta da incapacidade dos lideres políticos que elegemos.
LNT
[0.328/2014]

sábado, 29 de novembro de 2014

Todos preocupados [ II ]

MagritteAli, pelo FaceBook, levantam-se dúvidas sobre o que eu queria dizer no Post abaixo.

Fazem-me lembrar o pessoal da comunicação social que temos e dos comentadores que essa CS contrata para constatar que os delegados ao XX Congresso Nacional estão “frios como nunca se viu” e atribuem isso à “mágoa” e à pungência do que se passa com Sócrates, mágoa e pungência que eles gostariam de testemunhar na máxima reunião política socialista.

Nunca colocam a questão em termos políticos, isto é, se os delegados ao XX Congresso estão magoados e pungentes com aquilo que se passou no PS após a última vitória do PS num acto eleitoral nacional.

Gosta a CS, os seus comentadores convidados e alguns iluminados falantes de fazer crer que o que se está a passar com o anterior PM é questão de mágoa quando ela mais não é de que uma questão de justiça que só compete ao poder judicial e ao acusado.

Não quer a CS, nem os seus comentadores convidados, fazer entender que se há mal-estar entre os militantes do PS as causas são políticas, pois é de políticas que se fazem os Congressos.
LNT
[0.326/2014]

Todos preocupados [ I ]

MagritteNão foi o grande discurso de Costa que fez esquecer os últimos meses no Partido Socialista. Que Costa sabe fazer e dizer discursos já eu sabia. Há décadas que o sei.

Só que há actos, para além das palavras, da simpatia e da amizade, que deixam marcas indeléveis.

Sente-se que a lebre Guterres já cumpriu a sua função. Sente-se que a corrida para a Presidência da República está já em curso com outras presidências hoje empossadas. Sente-se que muitos lugares que corriam risco há seis meses, se sentem hoje descansados. Sentem-se sentimentos mistos e alguns sentem-se mais. Nem todos, ao contrário do discurso oficial, estamos particularmente tristes, ou alegres.

Todos estamos preocupados, nada mais.
LNT
[0.325/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDLVII ]

Marco zero
Recife - Pernambuco - Brasil
LNT
[0.324/2014]

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Entre Vistas

Passos CoelhoLá bons dentes (parece) ele ter.

Bons e muitos o que lhe dá aquela capacidade de cumprir a expressão popular de mentir com todos eles. (os dentes)

Penso que já nem sequer se trata de ser um mentiroso compulsivo. É mesmo só um alucinado compulsivo, alheio, desligado e cínico.

Mostrar os dentes para serem contados e para se poder saber com quantos quer enganar é só uma técnica, como qualquer outra, para fazer crer o incredível.
LNT
[0.323/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDLVI ]

Ana Maria Bobone - Hino da luta contra a leucemia - Portugal
LNT
[0.321/2014]

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Pelourinhos

Pelourinho

Cada vez mais se vai ouvindo que nós não temos de saber quais os fundamentos que levaram às medidas de coacção, porque os arguidos (únicos interessados) sabem quais são.

Entretanto fazem públicas essas mesmas medidas de coacção abstendo-se de divulgar os fundamentos enquanto ao mesmo tempo se fazem saber os mais diversos rumores que levam à sentença pública ditada por quem não consegue, sequer, perceber que aquilo que é permanente divulgado não é mais do que palha para acender as fogueiras no pelourinho.

Acrescenta-se que tudo isto é lei e que assim se comprova o regular funcionamento das instituições.

Assim será até que este funcionamento toque a cada um de nós.

Aí será um "aqui d'el rei!"

LNT
[0.322/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDLV ]

Cante alentejano - Património Cultural e Imaterial da Humanidade - Adiafa - Alentejo - Portugal
LNT
[0.321/2014]

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Tugagate

Carro Polícia
Agora que o rali do marquês já terminou e vamos ter descanso dos pirilampos azuis e do cheiro a borracha queimada, poderemos voltar a falar de coisas sérias?

Do OE 2015, p.e., que foi aprovado na AR com 4 votos contra do PPD e uma abstenção do CDS.
LNT
[0.320/2014]

Livre

25/11
Com mãos se faz a paz se faz a guerra
Com mãos tudo se faz e se desfaz
Com mãos se faz o poema ─ e são de terra.
Com mãos se faz a guerra ─ e são a paz.


Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedra estas casas mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no Tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.

Manuel Alegre
LNT
[0.319/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDLIV ]

Ilha Pessegueiro
Ilha do Pessegueiro - Alentejo - Portugal
LNT
[0.318/2014]

domingo, 23 de novembro de 2014

Direito à idoneidade

IdoneidadeJá alguém ouviu, viu, leu, algum dos muitos órgãos de comunicação social que anunciaram a detenção de Joaquim Lalanda de Castro, representante da multinacional farmacêutica Octapharma, pedir desculpas ao visado ou à sua empresa por terem divulgado, incessantemente, essa falsidade durante um dia?

Porque será que estas questões nunca são referidas nem na comunicação social, nem pelos comentadores deste pobre Portugal?

A idoneidade deixou de ser um bem absoluto?
LNT
[0.317/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDLIII ]

Ocaporã
Ocaporã - Porto de Galinhas - Brasil
LNT
[0.316/2014]

sábado, 22 de novembro de 2014

La boutique de barbier de M. Luís

BarbeiroE se este Blog fosse reactivado sendo rebaptizado para "La boutique de barbier de M. Luís"?

Absolutamente inédito em democracia é o facto de, pela primeira vez na minha vida, não ter exercido o meu direito/dever de voto no interior do Partido em que milito.

Deixei de respeitar esse direito/dever a partir do momento em que dentro do PS se deixou de respeitar o sentido (temporal) do meu voto.
LNT
[0.315/2014]

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

domingo, 16 de novembro de 2014

Golden Barber

BarbeiroE se este Blog fosse reactivado sendo rebaptizado para "Golden Barber"?

E se os sócios se tivessem convencido de que a sua recente inactividade podia ser encarada como extinção (até mesmo por aqueles que, sendo homens da Lei, assim se tivessem convencido)?

E se ... (não vivêssemos num País de trafulhas feitos gente séria?)

- Tudo questões a colocar ao barbeiro antes de reabrir a loja - aceitam-se sugestões.
LNT
[0.313/2014]

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Janelas

MagritteTentaram, massacraram, encheram as televisões e jornais de espantalhos com papéis na mão a dizer que ele não defendia os que partiam e que não protegia os deserdados acantonados nas tribunas e que, a partir daí, minavam, massacravam e intrigavam com o objectivo de se manter no poder.

Acusaram que era ele que estava agarrado ao poder – a que tinha chegado por direito democrático.

Xingaram, moeram, roeram e tentaram, atirando para a frente quem se prontificasse a defender-lhes o lugar quando o tempo acabasse.

Correu-lhes mal uma vez. Fugiu-lhes a oportunidade à segunda e, sabendo que não haveria terceira e que agora teria de valer tudo, engendraram o medo.

Ofenderam, como nunca se tinha visto ofensa. Como não encontraram rabos-de-palha atiraram-se sem dó à competência – que ao contrário da sua incompetência não puderam provar, atiraram-se ao carácter – que ao contrário do deles se revelou firme e seguro, encostaram-se à propaganda que nunca os salvou – nem nos salvou – do estado em que nos deixaram.

E continuam a insultar - dizendo que são os outros que insultam e continuam no nada – dizendo-se iluminados pelo tudo e protegidos por uma mão escondida que já mostra as falangetas.

Não sabiam que do lado de cá não havia carneiros como se habituaram a pensar que havia.

Está quase. Cada voto conta e só depois de os contar, sondagens e manipulações à parte, haverá vencedores. Depois tudo se há-de compor.

Muita fumaça. O povo sereno
LNT
[0.310/2014]

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Silly season

No noticeGostaria de actualizar o blog mas tudo quanto se ouve e lê está tão desactualizado que mantenho a bloga no marasmo.

Cavaco continua nas termas, Coelho e Portas continuam a esgravatar no pote, o homem do Banco de Portugal continua em funções, os PS continuam a esperar que da destruição se faça luz, a economia continua à espera e os Conselhos de Ministros Extraordinários continuaram a ser Reuniões de Ministros.

Até o gato que não tenho continua a ter a mania que existe e o Verão que não houve continua a simular que agora é que vai ser.
LNT
[0.308/2014]

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Retornado

Toldo FechadoRegresso de férias, férias, para ficar de férias permanentes. Só agora começo a ter a percepção de que estou aposentado, isto é, que deixei de ter obrigação de aturar o que aturava e de ter de me levantar todos os dias para fazer aquilo que a “sociedade civil“, que é diferente da “sociedade militar” porque essa também tem o mesmo estatuto que eu próprio tinha, ou por outras palavras, o de uma cambada de esbanjadores que nada mais fazem do que esfolar preguiçosamente o povo, entendia ser uma função de servido e não de servidor.

Volto aqui, de onde nunca saí mas que me “desapeteceu” actualizar porque nada tinha para actualizar, para confirmar que volto na mesma.

Aliás, volto mais, porque volto como candidato a delegado suplente – como exigi (ser suplente) – ao Congresso Federativo do PS de Lisboa em apoio a António Galamba, em coerência com o meu posterior voto em António José Seguro, confirmando assim a confiança que nele depositei no ano passado e que não vejo qualquer razão para ser anulada.

De tudo o que ouvi e de todas as conversas que tive neste mês retiro que continuo no caminho correcto.

Adelante!
LNT
[0.306/2014]

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Sim partis antes

Falar por falarEu sei que devia estar muito satisfeito pela qualidade da democracia que o Partido Socialista quer atingir, mas confesso que me custa um sapo ser posto em pé de igualdade na eleição do candidato do PS a PM com pessoas que há um mês atrás apelavam ao voto noutras forças políticas. Sei que isto pode significar que esses cidadãos venham a votar no PS nas próximas legislativas mas não acredito que o façam porque, ao contrário de mim que estou no PS por convicção política, se não conseguirem eleger quem agora vão apoiar irão voltar a votar contra o PS.

No fundo, o que se está a promover é só o personalismo e isso é realmente um sapo inchado que me engasga.

Como é que o voto de alguém que há tão pouco tempo se recusou a contribuir para eleger uma lista socialista para o Parlamento Europeu, para mais uma lista de consenso dentro do PS com elevada qualidade reconhecida nacional e internacionalmente, tendo com isso ajudado a inviabilizar a mudança necessária em Bruxelas, pode agora ter o mesmo valor do que o meu, militante do PS, na escolha de quem irá governar Portugal tendo, em contraponto, contribuído para que na Europa se mantivessem forças adversas à política que o PS pretende para Portugal?

Como é que o meu voto pode ter igual valor, na escolha de quem seja presente ao Presidente da República quando ele perguntar ao PS quem é que indica para Primeiro-ministro, ao de um outro cidadão que há tão pouco tempo empunhava bandeirolas e estampava nas redes sociais símbolos adversários do meu Partido de sempre?

E ainda vejo por aí quem apele à inscrição massiva de “simpatizantes” no Partido Socialista e não consiga entender que as regras do Partido Socialista são as que foram aprovadas pelos socialistas e que devem ser respeitadas por quem se diz simpatizante.

A primeira coisa que deveria fazer, a seguir a tomar conhecimento da Declaração de Princípios do PS, seria a de se inteirar dos Estatutos para perceber que o Secretário-geral é eleito fora dos Congressos, em sufrágio universal, directo e secreto e que os Congressos (ordinários e extraordinários) são os plenários soberanos do Partido, de que se diz simpatizante, onde se discute e aprova política, orientações, estratégias e se elegem os restantes órgãos directivos do Partido.

Os Congressos são a essência do PS e não eventos menores onde se joga à macaca. Como se pode admitir a uma eleição interna do PS quem nem isto consegue entender?
LNT
[0.303/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLVII ]

Cuisses de Grenouille
Cuisses de Grenouille - Paris - França
LNT
[0.302/2014]

terça-feira, 15 de julho de 2014

Sem título e sem vergonha


Oh pá, Salgado,
Quanto do teu sal irão ser mais lágrimas de Portugal?

LNT
[0.301/2014]

Da vida

MagritteNão lhes passe pela cabeça que desisti do que quer que seja. Estou um pouco cansado, é certo, desta guerra argumentativa em que alguns pretendem submeter todos os outros deixando correr impunes os desmandos que nos são impostos, mas nunca me canso da inteligência.

Não desisti do que quer que seja e não temo nem as ameaças veladas que vou recebendo, nem me rendo perante os argumentos sonoros de quem tem direito de antena.

Quando temos razão, a nossa, não se cede.

Acontece que há pausas necessárias, mesmo em tempo de guerra, e mesmo nesse tempo julgo que se devem limpar armas, ao contrário do que vulgarmente se diz. As munições estão pelo preço da morte e devem ser usadas com parcimónia preferindo a sua eficácia no tiro-a-tiro ao desperdício das rajadas.

Lixo

Entretanto parto para outros destinos. Encho caixotes de lixo com papéis que me levaram muita sabedoria e esforço de anos. Limpo milhares de ficheiros de trabalho e pesquisa. Preparo-me para mudar de vida e para me concentrar no que importa da vida restante que irei iniciar quando voltar de férias.

Sem desistir do que quer que seja, principalmente sem abdicar de mim e dos meus princípios.
LNT
[0.300/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLVI ]

Escargots de Bourgogne
Escargots de Bourgogne - Paris - França
LNT
[0.299/2014]

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Sete

Sete
Sete indica o processo de passagem do conhecido para o desconhecido. O Sete é uma combinação do três com o quatro; O três, representado por um triângulo, é o espírito; o quatro, representado por um quadrado, é a matéria.
O que pode um barbeiro estabelecido há sete anos dizer no dia em que a sua barbearia comemora o aniversário?

Pouco, porque pouco mais há a dizer do que obrigado aos 770 mil visitantes que já por aqui passaram para concordar, discordar ou nem pouco mais ou menos.

Isto somado aos anos de escrita anterior noutros blogs atira com o Luís da barbearia para o paleolítico dos Blogs, num tempo em que muitos dinossáurios pastavam e engordavam para depois ganharem notoriedade no poder, nas artes e na comunicação social.

Aqui vou resistindo e deixo um grande abraço agradecido pela paciência de quem entra.
LNT
[0.298/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLV ]

Picanha
Picanha - Por aí - Argentina
LNT
[0.297/2014]

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Roleta russa

ArmaEmbora haja formas de viciar os resultados, a roleta russa é um jogo que tem a característica de matar quem acerta com a câmara onde a bala está alojada.

Não sou muito de sondagens, não propriamente por desconhecer o seu método, mas por saber que são um instrumento muito fácil de manipular. Para tal, mesmo mantendo o(s) método(s) para cálculo correcto, basta que a definição dos parâmetros da consulta ou os universos sejam mal padronizados para se obterem os resultados que mais interessam a quem encomenda a sondagem.

Por exemplo aquela sondagem para saber se as pessoas preferiram Seguro, Costa ou Coelho que foram amplamente divulgadas pelos interessados em Costa por lhe darem um avanço (o edil tinha 67% sobre o PM, uma maioria que provoca gargalhadas aos mais sisudos), era destituída de interesse porque não informava (pelo menos não foi dado relevo) quantos daqueles inquiridos tinham intenção de votar no PS.

Bem, para o caso pouco interessa porque coisa mais séria é aquela que é revelada numa sondagem hoje anunciada onde é informado que se houvesse eleições legislativas o PS perderia 1,6% para a direita unida.

Partindo dos resultados eleitorais das Europeias realizadas há bem pouco tempo, em que parte do PS quis dar a entender aos eleitores que os seus votos são pouco mais valiosos do que eram as vitórias de Pirro, os eleitores respondem-lhes, possivelmente por pirraça, que não estão para se maçar com quem não respeita o seu voto e deslocam 5,3% das intenções para quem melhor os trata.

Agora o PS passa de uma vantagem de 3,7% (que muitos continuam a querer apresentar só com 3%) sobre toda a direita unida, para uma desvantagem de 1,6%
.


Porreiro, pá!
LNT
[0.296/2014]

Limpem-se à saída

MolduraNão dá qualquer gozo até porque já sabemos quais os bolsos onde hão-de ir meter as mãos, mas ainda será preciso mais (já nem falo do magnífico sucesso da dívida em % ao PIB) para entenderem quão errados andaram todos estes anos em que viveram acima das possibilidades que nos deram?

É espantoso, ainda mais, se nos lembrarmos de que o factor mais relevante para a eleição do actual Presidente da República foi o de ele ser um ilustre economista.

A roda livre desta gente e o marasmo de uma oposição que devia estar concentrada no que interessa mas que foi atirada para um canto devido a outros cantos de sereia, vai sair-nos caríssima.
Summary
Exports of goods decreased by 3.3% and imports of goods decreased by 0.8% in the quarter ended in May 2014, when compared with the quarter ended in May 2013 (-0.9% and +0.1%, respectively, in the period February to April 2014). Trade balance deficit increased by EUR 288.8 million and the coverage rate decreased by 2.1 percentage points (p.p.) to 83.8%.In May 2014, in terms of year-on-year change rates, exports of goods decreased by 3.6% and imports of goods increased by 1.9% (in April 2014 those figures were -4.8% and -6.1%, respectively).
LNT
[0.295/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLIV ]

Vinagrete
Vinagrete - Por aí - Portugal
LNT
[0.294/2014]

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Passagem de testemunho

BardoFaltam meia-dúzia de dias para deixar de ser um chuleco dum funcionário público para passar a ser um chuleco dum aposentado.

O trabalho que desenvolvi para o Estado em Sistemas de Informação e muitos outros de alta tecnicidade tanto em análise como em implementação foram uma "brincadeira" preguiçosa que contribuiu decididamente para a inovação e para a comodidade no relacionamento dos cidadãos com o Fisco.

Os descontos que realizei durante 42 anos para a minha aposentação (há uma diferença entre aposentação, reforma e pensão - as coisas que nestas alturas se ficam a saber) foram uma porcaria que me vai fazer viver, a partir de Agosto, "à custa das novas gerações" (aquelas a quem demos tudo aquilo que têm e que nada têm a aprender connosco porque já nasceram conhecedoras).

Tenho, por isso, que vos estar muito agradecido, e estou. Foi um prazer dedicar a minha vida ao bem comum e aos cidadãos deste País.

Na próxima reencarnação vou tentar ser um banqueiro ou coisa semelhante. Um trabalhador, em suma, um privado daqueles que se fartam de trabalhar para sustentar os imprestáveis e desqualificados funcionários do Estado.
(Com um abraço muito especial para todos com quem tive o prazer de colaborar e foram muitos. Na Força Aérea Portuguesa, no Ministério do Trabalho, na Secretaria de Estado do Emprego (e da População e Emprego), na Presidência do Conselho de Ministros, no Gabinete de Gestão do Fundo de Desemprego, na Direcção-Geral da Promoção do Emprego, na Presidência da Assembleia da República, na DGCI, na fundação dos Serviços do IVA (no núcleo duro da criação do ORDIVA), no Ministério da Qualidade de Vida, na Secretaria de Estado do Ambiente, no Ministério para a Igualdade, no Alto-Comissário para a Imigração e Minorias Étnicas, no Ministério da Administração Pública e da Reforma do Estado, na DGITA (I*Net, Gabinete do Director-Geral e Sistema de Gestão da Qualidade (e auditoria)) e finalmente na AT.
Também nas organizações internacionais ONU e OIM.)
LNT
[0.293/2014]