domingo, 3 de janeiro de 2016

Barba non facit philosophum

Ano novoBom 2016, meus e minhas caros e caras leitores e leitoras.

Como podem ver adoptei a forma, ou fórmula, politica e idioticamente correcta para iniciar os textos desta Barbearia no ano, num português anti- AO e sem capacidade de assimilar o androcêntrico como capacidade de escrita assexuada.

Assim, minhas caras e meus caros clientes, fica provado que a passagem do ano é pouco mais do que a ultrapassagem de determinado ponto da translação da Terra que, embora este ano vá sofrer a correcção de um dia para acertar os devaneios dos anos anteriores, nada acrescenta ao fogo-de-artifício e às bebedeiras do fim-do-ano a não ser umas rugas aos nossos rostos.

Costuma ser uma época de balanços que me dispenso de fazer porque as tonturas da idade que avança aconselham, cada vez mais, ao caminhar direito com postura correcta da coluna, embora seja indispensável observar os que se curvam sob o peso acumulado nos ombros pelos que lá se encavalitam.

Vamos nisto. Deixemos que se percorram trajectos esconsos que, de escombro em escombro, farão cair de mais alto quem os escolheu como caminho, saudemos os construtores das novas veredas e a partida, de rastos, de quem por cá viveu quase quarenta anos acima das suas e das nossas possibilidades.

Se poderem evitem os debates presidenciais, as conferências dos Conselhos de Ministros e as intervenções do Parlamento, evitem.

Tenham um ano divertido, já que nada indica que será bom.

Riam-se muito, porque de siso não há ventura.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.001/2016]

1 comentário:

Rogerio G. V. Pereira disse...

É pá
Isso por aí anda como o tempo
é tudo tão, tão cinzento
anime-se
anime-me