sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Coisas sérias

LimãoAgora falando de coisas sérias. Coisas sérias, percebem, não de umas insignificâncias como pôr 19 gandulos à manjedoura da Caixa Geral de Depósitos, ou dos quatro mil milhões que a CGD precisa para recuperar dos gandulos que de lá saíram, ou de outras irrelevâncias como a de admitir que os não eleitos burocratas europeus se metam neste assunto e mandem estudar os candidatos ao acesso ao pote, ou do espiolhar das contas bancárias de quem ainda faz a asneira de depositar dinheiro nos bancos portugueses, ou do rasgar da Concordata sem negociar primeiro novo acordo com a Santa Sé, como fez Salgado Zenha com o divórcio num tempo em que ainda havia políticos com vergonha na cara.

Falando de coisas sérias, como dizia no início deste borrão, é falar de descanso depois das férias num tempo em que as férias são os únicos dias de missão do ano inteiro, com horas para tudo desde o levantar para ir à praia até à correria dos banhos depois da praia para poder ir para a fila de um qualquer restaurante esperar vaga para jantar. E falar de coisas sérias é também falar do ar sério com que na Noélia de Cabanas um jovem empertigado atrás do balcão se acha mais importante do que os clientes que se apresentam para fazer a marcação de um jantar, ou do senhor Zé da travessia da ria que retira, ao fim da tarde, dois dos seus três barcos porque já tem o dinheiro no bolso e pouco lhe interessa que no pontão do lado da praia os clientes esperem uma eternidade para regressarem. E isto para já não falar do restaurante que só está activo nos meses de Verão e anuncia na porta que estará encerrado em Agosto para descanso do pessoal, ou daquela coisa séria que foi ver o empregado de um café sacar do telemóvel para fotografar uma cadeira da esplanada onde um cliente tinha deixado areia, que ele não sacudiu, e dizer que estava a fazer um registo para memória futura do Verão de 2016 e das coisas sérias que o tinham incomodado.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.048/2016]

3 comentários:

Manuel Rocha disse...

Confesso que quando leio desabafos como o seu me questiono sempre sobre o que diriam se vivessem no outro lado do balcão.

Cumprimentos,

MR

Luis Novaes Tito disse...

Todos, nas nossas profissões, vivemos "no outro lado do balcão". Uns sabem usar o seu profissionalismo e outros não.

Há muita incompetência e "não saber respeitar os clientes" no nosso sector dos serviços ligados ao turismo o que é uma lástima dado a importância deste sector para a economia nacional.

Manuel Rocha disse...

Caro LNT,

Os seus comentários e os paralelos que estabelece teriam toda a razão de ser se se referissem a uma situação normal. Ora como sabe a procura turística do Algarve em Agosto é tudo menos normal. A procura turística do Algarve em Agosto está para o Turismo como o fogo está para os bombeiros. Por melhor que seja o planeamento não há dispositivo que resista quando as condições são adversas.E aí a incompetência latente, como em qualquer sector da actividade humana, exponencia-se. A menos que esteja convencido que os problemas que refere seriam os mesmos se os turistas de veraneio se repartissem regularmente pelo ano inteiro, ou que conheça alguma solução milagrosa para estruturar um sector de actividade para trabalhar a 200% durante dois meses e a 20% durante o resto do ano.


Cumprimentos,

MR

Cumprimentos,