quarta-feira, 16 de Julho de 2014

Sim partis antes

Falar por falarEu sei que devia estar muito satisfeito pela qualidade da democracia que o Partido Socialista quer atingir, mas confesso que me custa um sapo ser posto em pé de igualdade na eleição do candidato do PS a PM com pessoas que há um mês atrás apelavam ao voto noutras forças políticas. Sei que isto pode significar que esses cidadãos venham a votar no PS nas próximas legislativas mas não acredito que o façam porque, ao contrário de mim que estou no PS por convicção política, se não conseguirem eleger quem agora vão apoiar irão voltar a votar contra o PS.

No fundo, o que se está a promover é só o personalismo e isso é realmente um sapo inchado que me engasga.

Como é que o voto de alguém que há tão pouco tempo se recusou a contribuir para eleger uma lista socialista para o Parlamento Europeu, para mais uma lista de consenso dentro do PS com elevada qualidade reconhecida nacional e internacionalmente, tendo com isso ajudado a inviabilizar a mudança necessária em Bruxelas, pode agora ter o mesmo valor do que o meu, militante do PS, na escolha de quem irá governar Portugal tendo, em contraponto, contribuído para que na Europa se mantivessem forças adversas à política que o PS pretende para Portugal?

Como é que o meu voto pode ter igual valor, na escolha de quem seja presente ao Presidente da República quando ele perguntar ao PS quem é que indica para Primeiro-ministro, ao de um outro cidadão que há tão pouco tempo empunhava bandeirolas e estampava nas redes sociais símbolos adversários do meu Partido de sempre?

E ainda vejo por aí quem apele à inscrição massiva de “simpatizantes” no Partido Socialista e não consiga entender que as regras do Partido Socialista são as que foram aprovadas pelos socialistas e que devem ser respeitadas por quem se diz simpatizante.

A primeira coisa que deveria fazer, a seguir a tomar conhecimento da Declaração de Princípios do PS, seria a de se inteirar dos Estatutos para perceber que o Secretário-geral é eleito fora dos Congressos, em sufrágio universal, directo e secreto e que os Congressos (ordinários e extraordinários) são os plenários soberanos do Partido, de que se diz simpatizante, onde se discute e aprova política, orientações, estratégias e se elegem os restantes órgãos directivos do Partido.

Os Congressos são a essência do PS e não eventos menores onde se joga à macaca. Como se pode admitir a uma eleição interna do PS quem nem isto consegue entender?
LNT
[0.303/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLVII ]

Cuisses de Grenouille
Cuisses de Grenouille - Paris - França
LNT
[0.302/2014]

terça-feira, 15 de Julho de 2014

Sem título e sem vergonha


Oh pá, Salgado,
Quanto do teu sal irão ser mais lágrimas de Portugal?

LNT
[0.301/2014]

Da vida

MagritteNão lhes passe pela cabeça que desisti do que quer que seja. Estou um pouco cansado, é certo, desta guerra argumentativa em que alguns pretendem submeter todos os outros deixando correr impunes os desmandos que nos são impostos, mas nunca me canso da inteligência.

Não desisti do que quer que seja e não temo nem as ameaças veladas que vou recebendo, nem me rendo perante os argumentos sonoros de quem tem direito de antena.

Quando temos razão, a nossa, não se cede.

Acontece que há pausas necessárias, mesmo em tempo de guerra, e mesmo nesse tempo julgo que se devem limpar armas, ao contrário do que vulgarmente se diz. As munições estão pelo preço da morte e devem ser usadas com parcimónia preferindo a sua eficácia no tiro-a-tiro ao desperdício das rajadas.

Lixo

Entretanto parto para outros destinos. Encho caixotes de lixo com papéis que me levaram muita sabedoria e esforço de anos. Limpo milhares de ficheiros de trabalho e pesquisa. Preparo-me para mudar de vida e para me concentrar no que importa da vida restante que irei iniciar quando voltar de férias.

Sem desistir do que quer que seja, principalmente sem abdicar de mim e dos meus princípios.
LNT
[0.300/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLVI ]

Escargots de Bourgogne
Escargots de Bourgogne - Paris - França
LNT
[0.299/2014]

segunda-feira, 14 de Julho de 2014

Sete

Sete
Sete indica o processo de passagem do conhecido para o desconhecido. O Sete é uma combinação do três com o quatro; O três, representado por um triângulo, é o espírito; o quatro, representado por um quadrado, é a matéria.
O que pode um barbeiro estabelecido há sete anos dizer no dia em que a sua barbearia comemora o aniversário?

Pouco, porque pouco mais há a dizer do que obrigado aos 770 mil visitantes que já por aqui passaram para concordar, discordar ou nem pouco mais ou menos.

Isto somado aos anos de escrita anterior noutros blogs atira com o Luís da barbearia para o paleolítico dos Blogs, num tempo em que muitos dinossáurios pastavam e engordavam para depois ganharem notoriedade no poder, nas artes e na comunicação social.

Aqui vou resistindo e deixo um grande abraço agradecido pela paciência de quem entra.
LNT
[0.298/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLV ]

Picanha
Picanha - Por aí - Argentina
LNT
[0.297/2014]

sexta-feira, 11 de Julho de 2014

Roleta russa

ArmaEmbora haja formas de viciar os resultados, a roleta russa é um jogo que tem a característica de matar quem acerta com a câmara onde a bala está alojada.

Não sou muito de sondagens, não propriamente por desconhecer o seu método, mas por saber que são um instrumento muito fácil de manipular. Para tal, mesmo mantendo o(s) método(s) para cálculo correcto, basta que a definição dos parâmetros da consulta ou os universos sejam mal padronizados para se obterem os resultados que mais interessam a quem encomenda a sondagem.

Por exemplo aquela sondagem para saber se as pessoas preferiram Seguro, Costa ou Coelho que foram amplamente divulgadas pelos interessados em Costa por lhe darem um avanço (o edil tinha 67% sobre o PM, uma maioria que provoca gargalhadas aos mais sisudos), era destituída de interesse porque não informava (pelo menos não foi dado relevo) quantos daqueles inquiridos tinham intenção de votar no PS.

Bem, para o caso pouco interessa porque coisa mais séria é aquela que é revelada numa sondagem hoje anunciada onde é informado que se houvesse eleições legislativas o PS perderia 1,6% para a direita unida.

Partindo dos resultados eleitorais das Europeias realizadas há bem pouco tempo, em que parte do PS quis dar a entender aos eleitores que os seus votos são pouco mais valiosos do que eram as vitórias de Pirro, os eleitores respondem-lhes, possivelmente por pirraça, que não estão para se maçar com quem não respeita o seu voto e deslocam 5,3% das intenções para quem melhor os trata.

Agora o PS passa de uma vantagem de 3,7% (que muitos continuam a querer apresentar só com 3%) sobre toda a direita unida, para uma desvantagem de 1,6%
.


Porreiro, pá!
LNT
[0.296/2014]

Limpem-se à saída

MolduraNão dá qualquer gozo até porque já sabemos quais os bolsos onde hão-de ir meter as mãos, mas ainda será preciso mais (já nem falo do magnífico sucesso da dívida em % ao PIB) para entenderem quão errados andaram todos estes anos em que viveram acima das possibilidades que nos deram?

É espantoso, ainda mais, se nos lembrarmos de que o factor mais relevante para a eleição do actual Presidente da República foi o de ele ser um ilustre economista.

A roda livre desta gente e o marasmo de uma oposição que devia estar concentrada no que interessa mas que foi atirada para um canto devido a outros cantos de sereia, vai sair-nos caríssima.
Summary
Exports of goods decreased by 3.3% and imports of goods decreased by 0.8% in the quarter ended in May 2014, when compared with the quarter ended in May 2013 (-0.9% and +0.1%, respectively, in the period February to April 2014). Trade balance deficit increased by EUR 288.8 million and the coverage rate decreased by 2.1 percentage points (p.p.) to 83.8%.In May 2014, in terms of year-on-year change rates, exports of goods decreased by 3.6% and imports of goods increased by 1.9% (in April 2014 those figures were -4.8% and -6.1%, respectively).
LNT
[0.295/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLIV ]

Vinagrete
Vinagrete - Por aí - Portugal
LNT
[0.294/2014]

quinta-feira, 10 de Julho de 2014

Passagem de testemunho

BardoFaltam meia-dúzia de dias para deixar de ser um chuleco dum funcionário público para passar a ser um chuleco dum aposentado.

O trabalho que desenvolvi para o Estado em Sistemas de Informação e muitos outros de alta tecnicidade tanto em análise como em implementação foram uma "brincadeira" preguiçosa que contribuiu decididamente para a inovação e para a comodidade no relacionamento dos cidadãos com o Fisco.

Os descontos que realizei durante 42 anos para a minha aposentação (há uma diferença entre aposentação, reforma e pensão - as coisas que nestas alturas se ficam a saber) foram uma porcaria que me vai fazer viver, a partir de Agosto, "à custa das novas gerações" (aquelas a quem demos tudo aquilo que têm e que nada têm a aprender connosco porque já nasceram conhecedoras).

Tenho, por isso, que vos estar muito agradecido, e estou. Foi um prazer dedicar a minha vida ao bem comum e aos cidadãos deste País.

Na próxima reencarnação vou tentar ser um banqueiro ou coisa semelhante. Um trabalhador, em suma, um privado daqueles que se fartam de trabalhar para sustentar os imprestáveis e desqualificados funcionários do Estado.
(Com um abraço muito especial para todos com quem tive o prazer de colaborar e foram muitos. Na Força Aérea Portuguesa, no Ministério do Trabalho, na Secretaria de Estado do Emprego (e da População e Emprego), na Presidência do Conselho de Ministros, no Gabinete de Gestão do Fundo de Desemprego, na Direcção-Geral da Promoção do Emprego, na Presidência da Assembleia da República, na DGCI, na fundação dos Serviços do IVA (no núcleo duro da criação do ORDIVA), no Ministério da Qualidade de Vida, na Secretaria de Estado do Ambiente, no Ministério para a Igualdade, no Alto-Comissário para a Imigração e Minorias Étnicas, no Ministério da Administração Pública e da Reforma do Estado, na DGITA (I*Net, Gabinete do Director-Geral e Sistema de Gestão da Qualidade (e auditoria)) e finalmente na AT.
Também nas organizações internacionais ONU e OIM.)
LNT
[0.293/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLIII ]

Azeite
Azeite - Por aí - Portugal
LNT
[0.292/2014]

quarta-feira, 9 de Julho de 2014

Democracia

MagritteHá coisas em que temos de nos colocar de igual para igual para serem entendidas. Por isso tive de me pôr no mesmo plano, naquele plano onde um cidadão se consciencializa de que só tem um voto e que só é dono do seu voto e que para conduzir um processo tem de se disponibilizar com o intuito de agregar vontades.

Anda por aí muito boa gente que pensa ser dona dos votos dos outros e que, por isso, tem um estatuto especial, gente que se julga acima dos seus iguais.

O que nos dois últimos dias apresentei nas redes sociais (e que nunca concretizei porque nunca comuniquei aos orgãos do meu Partido a minha disponibilidade de candidatura) não foi uma brincadeira.

Foi uma chamada de atenção séria para a compreensão de que, em democracia, ninguém se pode arrogar dono das vontades alheias e que deve respeitar a vontade dos cidadãos (sejam ou não militantes do seu Partido).

Agora que já demonstrei o que queria demonstrar (que o "eles" e o "nós" não existe) e, dado que a reunião de ontem da CPN do PS indica que se vai iniciar a preparação do processo de inscrição de simpatizantes e de recolha de assinaturas para as eleições primárias, dou por finda a minha disponibilidade para concorrer.

Não por não ter todas as condições e direito para avançar, mas porque entendo que António José Seguro, que é o nosso actual candidato a PM desde que foi esmagadoramente eleito pelos militantes do PS no Congresso de há um ano, tem muito melhores condições para reunir à sua volta o conjunto de cidadãos que levarão o PS ao poder nas próximas legislativas.

A todos (e foram muitos) que se disponibilizaram para assinar a minha propositura deixo um agradecimento reconhecido.
LNT
[0.291/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLII ]

Arroz de pato à portuguesa
Arroz de pato à portuguesa - Por aí - Portugal
LNT
[0.290/2014]

terça-feira, 8 de Julho de 2014

Razões - Respeitar

Candidatura a candidato

Segunda razão - RESPEITAR A DEMOCRACIA

A segunda razão da minha candidatura a candidato e possivelmente a mais importante é a vontade de querer manter a democracia. Já que parece não ser, para já, possível dar mais corpo a essa democracia, pelo menos vincando o valor do voto e obrigando a respeitá-lo.

É imprescindível que militantes socialistas que têm obrigações especiais por terem acesso privilegiado à comunicação não desvalorizem os votos propagando pérolas como as de chamar "distraídos" ou "complacentes" a mais de 90% dos delegados eleitos para representar todos os militantes, ou propaguem chavões que apelidam de blindagem as alterações produzidas nos Estatutos do Partido Socialista pelos representantes de todos os seus inscritos.

É imprescindível que os eleitores sejam respeitados quando elegem os seus representantes por um tempo determinado, principalmente quando os seus representantes cumprem aquilo a que se comprometerem quando se apresentaram a votos e quando conseguiram no País resultados eleitorais que os confirmam perante os cidadãos.

É imprescindível que os regulamentos, estatutos e a declaração de princípios do Partido Socialista sejam respeitados pelos seus militantes e que as minorias, mantendo o estatuto de minoria e todos os direitos de livre expressão, sejam respeitadoras dos órgãos eleitos. E isso é tão imprescindível como, como cidadãos, estarem obrigados ao respeito pela Constituição da República Portuguesa, ao cumprimento das Leis e ao acatamento das penalizações por transgressão.

É imprescindível que o Grupo Parlamentar seja a guarda avançada do Partido Socialista na Casa da Democracia e que os deputados, nossos eleitos, respeitem quem os elegeu. É imprescindível que compreendam que não estão lá por direito próprio mas só porque nós os escolhemos e que não lhes perdoamos se usarem o poder emprestado para minarem a direcção do Partido que representam.

É imprescindível que se respeitem as nossas regras, os nossos votos, a nossa vontade, a nossa delegação de competências, a nossa procuração, porque só assim farão com que os cidadãos continuem a reconhecer no voto uma arma útil a ser usada.

Esta é, como já disse, a segunda razão da minha disponibilização. Foi feita para que se entenda que todos nos podemos disponibilizar e que não aceitamos ser objectos nem propriedade de outros que julgam estar acima de nós. Mesmo que não venha a concretizar a minha candidatura por entender que o nosso candidato a Primeiro-ministro já foi eleito há um ano e que respeito os meus camaradas que, tal como eu votaram nesse sentido, ela serve para, em pé de igualdade, que não se esqueçam.
LNT
[0.289/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXLI ]

Carapaus alimados
Carapaus alimados - Por aí - Portugal
LNT
[0.288/2014]

segunda-feira, 7 de Julho de 2014

Razões - Agregar

Candidatura a candidato

Primeira razão - UNIR

A primeira razão da minha candidatura a candidato é unir a família socialista que está profundamente desunida como o comprova a última eleição do seu Secretário-geral por 96,39%. Sabe-se agora que essa eleição, os documentos, propostas e resoluções aprovados por percentagens igualmente divisionistas, se deveu a militantes "complacentes" ou "distraídos" (1.702 delegados ao Congresso Nacional) o que faz com que os seus votos tenham um valor de Pirro e sem valor em termos temporais de mandato atribuído.

Olhando para este panorama de profunda desunião que anunciava uma efectiva impossibilidade de atingir uma solução de governo forte e capaz de garantir a mudança, senti o dever patriótico de me apresentar como alternativa.

Com duas palavras, Unir Esfrangalhando, ou com três, Estava Escrito nas Estrelas, eu sinto ser aquilo que os socialistas e muitos cidadãos que não sendo socialistas acham que eu posso e tenho o dever de dar.

Por isso, para satisfazer o que eu sinto ser, para garantir a mudança e para atingir uma solução de governo forte, disponibilizo-me.

Conto com a vossa igual disponibilidade para subscreverem a minha intenção de propositura.
LNT
[0.287/2014]

Omnipotência e omnipresença

Espírito SantoSem pretensões a dissertar sobre a terceira prosopon do catolicismo e menos ainda a blasfemar sobre os mistérios da fé, vejo com todas as reservas a entrada de uma Trindade Cavaquista, por mui douta que seja, no CEO do Espírito Santo. Tenho razões, as mesmas tidas por todos os contribuintes deste País que não tiveram a capacidade de ressuscitar ou renascer, para estar incomodado.

Ao contrário de muitos outros, pouco me importa que o Estado avance pela banca privada uma vez que, se o Estado é o seu grande financiador em alturas de aperto, tem o direito de se sentar na sua administração quando a coisa dá para o torto.

Acontece que é politicamente inaceitável que a intervenção estatal se faça com uma trindade abençoada por quem representa o Estado, mas não o é.

E como gato escaldado, de água fria tem medo, espero que tão venerável trindade se abstenha de disponibilizar, no futuro, participações celestiais reservadas, e fora do mercado terreno, a correctores de clientes sem pecado.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
LNT
[0.286/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXL ]

Polvo na brasa
Polvo na brasa - Por aí (cada vez mais por aí) - Portugal
LNT
[0.285/2014]

domingo, 6 de Julho de 2014

Protesto

Candidatura a candidato

PROTESTO

Tendo tantas assinaturas como o outro candidato a candidato e tendo todas as condições para participar nesta disputa, apresento um veemente protesto pela Comissão Nacional do PS não me ter chamado a contribuir para o Regulamento das Primárias.

O facto da minha candidatura não dispor de verba suficiente para alugar o Tivoli não deveria ser razão para que me negassem direitos iguais.
Espero que o Regulamento também preveja a atribuição de um lugar de observador à minha candidatura a candidato.

Oportunamente lavrarei o protesto oficial a entregar no Rato.
LNT
[0.284/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXXXIX ]

Campo Grande
Campo Grande - Lisboa - Portugal
LNT
[0.283/2014]

sexta-feira, 4 de Julho de 2014

Janelas de oportunidade

Militante disponível procura 1.000 / 1.500 assinaturas para se fazer candidato a candidato nos termos da resolução contida neste link.

Primárias - LNT candidato a Primeiro-ministro

Bom homem, embora sem acesso aos tradicionais meios de comunicação, sem nunca ter sido membro da Juventude (quando entrou – logo no início - já era um homenzinho), sem nunca ter sido ministro, deputado, nem presidente de câmara, mas com sólidos conhecimentos de militância de base e quotas em dia, com vasto curricula de trabalho, pagamento de impostos e descontos para a Caixa Geral de Aposentações, sem dívidas ao fisco e sem nunca ter recebido apoios do FSE, FEDER, FC, FEADER, FEAMP ou quaisquer outros apoios comunitários, extra ou intra-comunitários, procura um lugar ao Sol que, como se sabe, quando nasce é para todos.

Assunto sério e garantia de sigilo absoluto.
Respostas para o apartado do costume.
LNT
[0.282/2014]

O barbeiro [ XVI ]

O BarbeiroDe novo sexta-feira, dia da semana programado para higiene e balanço de caixa na barbearia.

As receitas continuam diminutas, embora a troika já tenha desligado o relógio do(as) Caldas. A clientela que felizmente continua a não faltar e que cada vez mais se diversifica aparecendo de precedências nunca vistas, mantém o hábito de pedir, no fim de cada função, que acrescente o valor do corte ao rol dos calotes.

- Isto continua sem saldo e, do pouco que recebo, um quarto vai directo para a almofada do Coelho - desabafa o Sr. Luís frustrado por não conseguir pecúlio bastante capaz de reempregar uma ou outra colaboradora que anime a malta e a descontraia enquanto lhes cerceia os topetes.

Perdido na limpeza das navalhas e no afiar dos outros instrumentos de corte, o barbeiro alertado por um seu concorrente, procurou a tesoura usada no último corte e confirmou que estava romba, o que poderá ter provocado alguma dor durante o aparo e penenticia-se:

- Talvez devesse ter usado outra tesoura, alguma mais afiada mas de menores dimensões, mas foi aquela que estava mais à mão. Tenho de ter mais atenção até porque há clientes que não merecem sacudiduras por mau estado das ferramentas. Quando o homem cá voltar hei-de dar-lhe uma palavrinha. Com isto foi buscar o rebolo e amolou a tesoura deficiente.

Entretanto na rádio cantava o Carvalho do depois do adeus. O Sr. Luís, que a sabia de cor, trauteou-a com saudade e sentimento:

- E depois do adeus e depois de nós, lá, lá, rá, lá, lá. – e voltando ao pensamento anterior - Mas, chiça, o tipo com aquelas coisas dos costistas irritou-me porque parecia não perceber que isso não existe (para além dos do Castelo, freguesias adjacentes e mais uns quantos “complacentes” ou “distraídos”, como dizia o outro), assim como não haviam assististas, conforme o próprio percebeu logo que perdeu o concurso de há três anos. O que há são outros “istas” à procura de testas de ferro. Quando o cliente retornar hei-de desbastar com mais precisão evitando o repelão - Concluiu, arrumando.
LNT
[0.281/2014]
Imagem: http://www.gutenberg.org/

Já fui feliz aqui [ MCDXXXVIII ]

Comes
Gambas, Pleurotus e Paio - Por aí - Portugal
LNT
[0.280/2014]

quinta-feira, 3 de Julho de 2014

Os fins e os meios para os atingir

Keiti OtaDeixando para considerações futuras o comportamento das duas partes que ambicionam apresentar um candidato do PS com credibilidade para que o Presidente da República venha a empossar como Primeiro-ministro nos termos da Constituição, ficam algumas questões sobre o desenrolar do processo interno para escolha do futuro Secretário-Geral do PS, caso o actual não atinja a meta a que agora se propõe.

Também para esse processo deixo de parte o comportamento das linhas que se apresentarão a votos porque creio que a violência verbal e o extremar de posições será ainda maior do que aquele que tem havido nesta fase e aponto cenários que alguns apelidarão de mirabolantes, como sempre se apelidam quando são apontados, e que só o deixarão de ser quando se comprovarem como realidade.

Imaginemos, por absurdo, que António José Seguro, no dia 28 de Setembro, deixa de ser o candidato a sugerir ao PR caso o PS consiga vencer as legislativas e em virtude disso cumpre a sua palavra e se demite do cargo de Secretário-geral abrindo o processo eleitoral para a liderança do PS e consequente marcação de um Congresso Nacional para debate e aprovação das linhas programáticas e moções políticas (e eventuais revisões estatutárias, a manter-se a ideia de que os actuais estatutos não servem).

1- António Costa e António José Seguro apresentam candidaturas ao cargo de SG.

É um cenário no mínimo estranho uma vez que, se Seguro perder as directas e por tal se demitir, não parece curial.

2- António Costa apresenta-se como candidato único ao cargo de SG.

É um cenário no mínimo estranho uma vez que significará a desistência de todos os que não estão conformados com o avanço perpetrado contra a actual direcção.

3- António Costa apresenta-se como candidato e contra ele apresentam-se um ou vários candidatos ao cargo de SG.

É um cenário interessante principalmente se Costa perder essas eleições ou se tiver uma vitória de Pirro uma vez que, no primeiro caso, deverá abrir novo processo para escolha do candidato a sugerir ao PR para o cargo de PM ou, no segundo caso e aplicando a lógica em voga, terá de se demitir à mesma.

O imbróglio criado tem responsáveis mas não terá fim, restando por saber se o fim de tudo isto não foi precisamente criar um tal imbróglio que só possa ser resolvido com o aparecimento de nova força política (que possivelmente até já foi testado como piloto nas últimas europeias).

Um fim como qualquer outro, mas um fim que o Partido Socialista não merecia que lhe tivesse sido decretado.

Bom fim-de-semana.
LNT
[0.279/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXXXVII ]

Leitão
Leitão assado - Bairrada - Portugal
LNT
[0.278/2014]

quarta-feira, 2 de Julho de 2014

A fada Oriana

Vieira da SilvaNão sou dos que pensam que seria preferível que Sophia fosse escola obrigatória em vez de ser mais uma urna no mausoléu nacional.

Sou dos que pensam que Sophia tem de ser ensino obrigatório e que tem o seu lugar perpétuo no Panteão Nacional porque um dia um dos muitos analfabetos, que por ser doutor em alguma coisa, pode decidir que o seu ensino deixe de ser obrigatório e assim nunca conseguirá inviabilizar que a memória nacional deixe de recordar Sophia – sempre eterna - e que, quando esse doutor voltar a ser pó, ela possa retornar à escola e ao imaginário dos nossos filhos e netos.

VI - A floresta abandonada

Estava tudo muito quieto e muito calado. A floresta parecia despovoada. Não se ouviam pássaros. Não havia nenhuma flor.
Mas havia muitos cogumelos venenosos. E Oriana chamou:

- Pássaros, esquilos, veados, corças, coelhos, lebres!

Então ouviu um barulho no chão e, pequenina e preta, a víbora apareceu.

- Bom dia - disse a víbora.

- Bom dia, víbora - respondeu Oriana. - Onde estão os outros animais?

- Foram-se todos embora para os montes. Como a fada Oriana os abandonou e não tinham ninguém para os proteger dos tiros dos caçadores, eles tiveram de fugir para muito longe. Só ficaram os ratos, as víboras, as formigas, os mosquitos e as aranhas.

- Ah! - disse Oriana, corando de vergonha. E perguntou:

- Sabes quem eu sou?

- Não - disse a víbora. - Vejo só que és uma menina muito bonita.

- Não sou uma menina bonita. Sou uma fada, sou a fada Oriana.

- Ah! Mas que esquisito! Onde é que estão as tuas asas? Nunca ninguém viu uma fada sem asas.

- Agora não tenho asas, mas daqui a dias vou voltar a tê-las. É uma história que não te posso contar.

- Eu, como ando sempre metido debaixo da terra, nunca te tinha visto, mas já tinha ouvido falar de ti.

- Sim? O que te disseram de mim?

- Contaram-me que dantes eras muito boa e tomavas conta da floresta, mas um dia abandonaste os teus amigos todos porque te apaixonaste por um peixe.

- Isso é mentira - disse Oriana, furiosa. - Nunca me apaixonei pelo peixe. Que história tão estúpida!

- Pois fica sabendo que é isso o que se diz. Até contam que tu passavas horas e horas debruçada sobre o rio a fazer penteados e a enfeitar-te com flores só para o peixe te dizer que estavas muito bonita.

- Mas eu nunca me apaixonei pelo peixe. Eu passava horas ao pé do rio porque gostava de me ver no rio.

- Talvez seja como dizes. Mas o peixe contou aos outros peixes, que contaram aos pássaros, que contaram aos coelhos, que contaram às víboras, que tu estavas louca de amor por ele e que só pensavas em te enfeitares para que ele te achasse bonita. Oriana estava indignada. Sentia-se ridícula. Olhou para a víbora e disse:

- Isso é uma mentira muito estúpida. Uma fada não se pode apaixonar por um peixe. Essa história é má-língua. É a célebre má-língua das víboras.

E, virando as costas, Oriana seguiu o seu caminho, mas enquanto se afastava ouviu o riso mau e sibilante da víbora:

- sssssssssss.

Ao fim de muito andar chegou à casa do moleiro. A porta estava aberta. Lá dentro estava tudo na maior desordem: as gavetas e os armários abertos e vazios, o chão e os móveis cobertos de poeira, e havia por todos os lados coisas partidas. A casa parecia ter sido abandonada há muito tempo. O lume estava apagado, os quartos cheios de teias de aranha. Oriana pegou numa vassoura e num trapo e começou a varrer e a limpar a casa. Então ouviu um ruído e uma voz que a chamou:

- Oriana! Era um rato.

- Oriana, não vale a pena arrumares a casa. Já não vive aqui ninguém senão eu. O moleiro, a moleira e os seus filhos foram viver para a cidade.

- Ah! Mas porquê? - perguntou Oriana.

- Um dia desapareceu um dos filhos mais novos, aquele que tem caracóis pretos e que tem quatro anos. O moleiro e a moleira procuraram-no durante nove dias pela floresta toda sem o encontrar, e ao fim de nove dias o moleiro disse: "O nosso filho perdeu-se na floresta, ou foi comido pelos lobos, ou caiu ao rio, que o levou afogado para longe. Não vale a pena procurá-lo mais. Vamo-nos embora da floresta antes que torne a acontecer outro desastre. - Há muito tempo que eu sentia que ia acontecer uma coisa má - disse a moleira. - ultimamente tudo me corria torto. Quando eu chegava a casa encontrava tudo desarrumado. Os meus filhos estavam sempre a cair ao rio e voltavam sempre para casa sujos, rotos e cheios de feridas. Vamos depressa embora da floresta." E depois desta conversa o moleiro e a mulher fizeram as malas e as trouxas, puseram tudo numa carroça e foram com os filhos para a cidade. Por isso não vale a pena arrumares a casa.

- Foi tudo por minha culpa - suspirou Oriana -, fui eu que os abandonei. Os filhos do moleiro caíam ao rio e voltavam para casa sujos, rotos e feridos porque eu não tomava conta deles. Até que um se perdeu. Ai como é que eu hei-de desfazer o mal que fiz? E dizendo isto Oriana pôs-se a chorar ao pé do lume apagado.

- É uma grande tristeza - disse o rato. - E foi realmente tua a culpa.

Oriana pegou na vassoura, dizendo:

- Apesar de tudo, vou acabar de arrumar e limpar a casa.

Quando chegou ao fim das limpezas, a fada despediu-se do rato e foi outra vez pela floresta fora. Pelo caminho havia pedras que lhe magoavam os pés e tojos e matos que a picavam. Quando ela tinha asas, voava por cima dos caminhos maus e só pousava no chão os seus pés quando o chão estava coberto de musgo, de relva macia ou de areia fina.
"Que difícil que é a vida dos homens", pensou ela. "Eles não têm asas para voar por cima das coisas más." Andando, Oriana chegou à cabana do lenhador. Também ali o lume estava apagado, o chão coberto de pó. A cama, a mesa e os bancos tinham desaparecido.

Então Oriana ajoelhou-se ao pé do lume apagado e chorou. E ouviu uma voz dizer:

- Oriana, que é feito das tuas asas?

Era uma formiga. - A Rainha das Fadas tirou-me as minhas asas porque eu faltei à promessa que lhe fiz.

- Foi um castigo justo porque tu esqueceste e abandonaste os teus amigos. Vê o que aconteceu nesta cabana. O lenhador e a mulher eram muito pobres. Mas todas as manhãs tu aqui entravas com três pedrinhas brancas. E transformavas as pedras em dinheiro, em roupa, em pão. Até que houve uma manhã em que tu não vieste. E dai em diante passou a haver fome, frio e miséria nesta cabana. E um dia o lenhador disse à mulher: "Não podemos continuar a viver com tanta miséria. Vamos para a cidade procurar trabalho."
E fizeram uma trouxa com os seus trapos e pegaram nos móveis às costas e com o filho pela mão partiram para a cidade. Iam tristes e choraram muito quando se despediram desta cabana, onde eram felizes, no tempo em que tu todos os dias os visitavas com três pedras brancas.

- Ai, formiga - disse Oriana, soluçando -, como é que eu hei-de desfazer todo o mal que fiz? Só agora é que eu compreendo como a minha promessa era importante. Só agora é que eu compreendo como a floresta precisa de mim.

- Não sei que conselho te hei-de dar - respondeu a formiga. - Mas já que estás arrependida de nos teres abandonado, já que queres voltar a ajudar os homens, os animais e as plantas, faz-me um favor.

- O que é? - perguntou Oriana, limpando as lágrimas.

- Pega numa pedra branca e transforma-a numa pedra de açúcar.

- Ai, formiga! - disse Oriana. - Já não tenho varinha de condão. Não posso fazer o que me pedes. Já não sirvo nem para ajudar uma formiga.

- Então se não me podes ajudar, adeus, Oriana. Tenho muito que fazer.

E, com um ar muito atarefado, a formiga foi-se embora.

Oriana suspirou, levantou-se e saiu da cabana. Cá fora já anoitecia. A fada pôs-se a caminho da torre do Poeta. A torre ficava longe e o caminho era selvagem, cheio de picos e de pedras. Oriana caminhava cortando a cada instante os seus pés. Não se ouvia cantar nenhum pássaro, não se via correr nenhum coelho, não se via aparecer nenhum veado com o seu ar majestoso e os olhos húmidos de doçura. Em toda a floresta pairava o silêncio, o abandono, a solidão. Quando Oriana chegou à torre, era já noite fechada. E ela levava os pés em sangue e o coração pesado. A porta da torre estava aberta. Oriana entrou, subiu as escadas, pensando:

- O Poeta vai-me consolar, vai-me dizer o que hei-de fazer. Ele vai encostar a minha cabeça ao seu ombro para que eu possa chorar, chorar até que a minha solidão se desfaça.

Oriana abriu a porta do quarto do Poeta. E viu que o quarto estava vazio. Os papéis que dantes cobriam os móveis e o chão tinham desaparecido. Mas a lareira apagada estava cheia de cinza de papéis queimados. E o vento, que entrava pela janela, espalhava as cinzas. Estava tudo coberto de cinza. Oriana atravessou o quarto e os seus pés feridos deixaram pegadas vermelhas de sangue sobre a cinza macia e branca. E ela ajoelhou-se em frente dos papéis queimados e, com a cara coberta de lágrimas, disse:

- Vim à procura do meu amigo e não o encontrei. Oh, como é que poderei desfazer o mal que fiz! Eu quebrei a felicidade dos homens, dos animais e das coisas. Eu esqueci a minha palavra e abandonei a minha promessa. Agora só encontro lumes apagados, casas vazias e cinza.

Então uma aranha desceu do tecto, agarrada ao seu fio brilhante, e perguntou:

- És a fada Oriana?

- Sei que sou Oriana, mas já não sei se sou fada. Faltei à minha promessa e a Rainha das Fadas castigou-me: o vento levou as minhas asas e a minha varinha de condão transformou-se em poeira.

-É um castigo justo - disse a aranha -, porque tu abandonaste os teus amigos. Ouve o que aconteceu nesta casa: uma noite tu não vieste. E no dia seguinte, mal caiu a noite, o Poeta encostou-se à janela à tua espera. E quando uma folha mexia, quando um ramo seco estalava ou quando a brisa fazia dançar as ervas, ele dizia: "É Oriana." Mas não eras tu. Tu nunca mais voltaste. E ele esperou noites e noites sem fim. Sem ler, sem escrever, sem fazer nada. Passeava pelo quarto e falava sozinho. Até que uma noite, quando cantou o primeiro galo da madrugada, ele disse: "Oriana mentiu. Ela tinha-me dito: Nunca, nunca te hei-de abandonar. Mas eu tenho esperado, esperado, esperado. As noites têm passado devagar, uma por uma. Oriana já não aparece. O mundo está desencantado. Quero ir para a cidade e quero tornar-me igual aos outros homens. Quero tornar-me igual aos homens que não acreditam em encantos e que não escrevem versos. Vou queimar todos os meus livros e papéis." E depois de ter dito isto fez um grande fogo na lareira com os livros e papéis onde estavam escritos os seus versos. Ficou sentado a ver arder o lume e o reflexo da chama dançava na sua cara pálida e triste. E quando tudo se desfez em cinza, ele levantou-se e partiu para a cidade. E eu vi-o desaparecer na luz fria da madrugada.

- Foi minha a culpa - disse Oriana. - Como é que eu agora poderei fazer renascer os seus versos da cinza? Como é que eu hei-de fazer que a alegria e a amizade do meu amigo renasçam desta cinza? Ai, como o peixe me iludiu e me enganou com os seus elogios! Eu quero desfazer o mal que fiz. Irei à cidade buscar os meus amigos homens; irei aos montes buscar os meus amigos animais.

E, levantando-se do chão, Oriana despediu-se da aranha e partiu para a cidade. Atravessou outra vez a floresta, ferindo os seus pés nas pedras e rasgando-se nos tojos. Passou pelo caminho cheio de abismos e, quando era meio-dia, chegou à cidade.
A fada Oriana
Sophia de Mello Breyner Andresen
LNT
[0.277/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXXXVI ]

Alentejo
Alentejo - Portugal
LNT
[0.276/2014]

terça-feira, 1 de Julho de 2014

O barbeiro [ XV ]

O BarbeiroRegressadinho de fresco do centro europeu onde andou uns anos a fazer uma perna social-democrata e a descansar das agruras duma vida contra o capital, Vital senta-se para uma tosquia nos cabelos prateados.

O Sr. Luís, que não o via desde os tempos em que os solstícios eram festejados no Lux-Frágil, alegrou-se com tão distinto cliente, cedeu-lhe a cadeira de cabedal, preparou o pó de talco da melhor safra e vestiu-o com a toalha de seda que só usava em gente de constitucionalista para cima.

- Seja bem-vindo, meu caro. Vai querer o corte rente para ou só pretende umas tesouradas até que o Verão acabe?

- Nem uma coisa, nem outra, Sr. Luís. Sabe que isto dos radicalismos já foi chão que deu uvas e há que contrabalançar nos entremeios as saudades do francês e do vlaams com uns palpites mais para parecer do que para ser.

De tesoura em riste já apontada à farta cabeleira que muito invejava, o barbeiro foi apurando a estratégia para abordar o corte quando Vital deixou escapar: - Sr. Luís, na geografia da disputa para a liderança…, Costa não deve deixar posicionar-se nem à esquerda nem à direita da actual direcção, mas sim acima dela. Perante os diversos "ismos" com que se costumam identificar as correntes e “sensibilidades"… (soaristas, guterristas, ferristas, socratistas, etc.), ele deve protagonizar uma nova síntese mobilizadora, um novo mainstream, ou seja, o "costismo".

O Sr. Luís que sempre se comovia com coisas tão bem ditas, como mainstream, e que se emocionava cada vez que recordava António Silva no papel de Simplício Costa, o Costa do Castelo, do saudoso Arthur Duarte, respondeu-lhe com a voz embargada: - Professor, mas já reparou que nesse filme nunca se dá um valor igual aos “istas” e aos “ismos”. Enquanto os “istas” vivem em casas amansardadas, os “ismos” amancebam-se nas casas dos “istas” e os resultados não são brilhantes, principalmente quando os “istas” pretendem voltar à posse das casas e desamancebam os “ismos”.

- Por isso lhe digo que é necessária uma nova síntese mobilizadora – respondeu Vital -, um mainstream, repito, uma coisa popularucha que encha ecrãs e folhas de papel para, à falta de entourage, projectar o tal protagonismo fazendo de uma coisa de imagem, uma força como a força que cantava Nelly Furtado.

Orgulhoso o barbeiro deu o trabalho por findo. Orgulhoso e rendido.

– Bom dia, Prof. volte sempre que sabe ter aqui uma casa às suas ordens.
LNT
[0.275/2014]
Imagem: http://www.gutenberg.org/

O mal está feito

BoteroAs bandeiras da papoila 71.602 (2.18%) enroladinhas a um canto da sala, as outras da terra 234.603 (7.14%) no mesmo estado mas em canto oposto, os 306.205 votos queimados (9.32%), a lebre refugiada lançada por mão alheia de um sótão qualquer do ACNUR e, imediatamente após ter feito saltar o galgo, já com todos os gatilhos apontados para abate abrindo lugar a personagens da antiguidade (grega ou romana) para o pátio dos bichos, a oposição irresponsavelmente posta a ferro e fogo com consequências imprevisíveis, a situação a esfregar as mãos de Pilatos e a continuar a encher os baús com o que pagará os votos que pretende receber para a seguir voltar a desprezar e os nacionais confiscados a ver toda esta miséria, dizendo mal da vida enquanto aumentam o seu desprezo por aquilo de que deveriam orgulhar-se.

O mal está feito, muito mal feito. O acerto de contas está em campo, violento e em jeito de golpe de estado. O estado do Estado está miserável, quase tão miserável como o estado dos que não entendem que o colectivo está acima dos seus interesses pessoais e olham para a porcaria que fazem sem perceber que ela arrasta pessoas para a fome, para a privação do sustento, para o exílio forçado, para o retorno à desqualificação, para a morte à falta de assistência.

O mau deste mal é o próprio mal. E o mal está feito e tem nomes. Imperdoável.
LNT
[0.274/2014]

Já fui feliz aqui [ MCDXXXV ]

Mexilhões
Mexilhões à Bulhão Pato - Por aí - Portugal
LNT
[0.273/2014]