sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Sexo, mentiras e filmes

CozinheiraQuando de repente se fica a saber que afinal havia conversações fica-se igualmente a saber que se tratou de uma relação interrupta. Estamos claramente perante mais uma questão de impreservativoação ou, o mais certo, de problemas relacionados com esfoliação devido a areias infiltradas na lubrificação.

Vamo-nos habituando a este faz que vai para depois sabermos da impotência que impossibilita o vir. A questão é que, o facto de nos habituarmos a isto, não resolve o problema da realização. Alguma entidade superior, espírito ou coisa assim, determinou que este tal povo que não se deixa governar fá-lo porque gosta de ser fornicado (imagino que esta palavra conste do tal dicionário para maiores de 18 anos que é actual centro de polémica da intelectualidade ausente da realidade).

E se não é povo que se deixe fornicar até às últimas consequências, porque a sua condição condicionada o submete à doutrina tradicional que lhe veda a protecção para o fazer em segurança e recomenda que no quase, quase, abandone o acto, consegue satisfação na fricção provocada pelo jogo da mão no bolso.

Não quero ser catastrofista, para isso já temos medinas de carreira que bastem, não vos quero deprimir, que para isso já temos bastos políticos profissionais, mas penso que em breve vamos passar as passas do Algarve e, agora que os banhos de praia já terminaram, as pequenas madies foram esquecidas e os condenados deixaram de ser capa de revista, vamos levar a dose mais amarga dos últimos tempos, evidentemente depois daquela que nos provocou o sofrimento maior: A comédia Queiroz.

Diz-se por aí que vai haver caldeirada de polvo à moda de Abrantes, com molho à espanhola. O escabeche de coelho não tarda e, desta vez mesmo com o Natal à porta, não haverá bolo-rei que safe a coisa.
LNT
[0.327/2010]

12 comentários:

fatbot disse...

Oxalá os " feelings " do Senhor Barbeiro estivessem todos ERRADOS!!! Mas quanto a mim não está errado, está bastante CONSCIENTE de TUDO!!! Este trimestre final vai ser uma DESGRAÇA! Um abraço e um até SEMPRE

Jorge disse...

Nada disso, a coisa até vai correr bem, o problema vai ser quando o nosso primeiro for uma vez mais à banca internacional pedir dinheiro para pagar o subsidio de férias aos funcionários publicos e eles o mandarem fecundar com um F do tamanho da torre eiffel...só é pena o poeta levar por tabela, tadito, lá se vai o sonho de menino de ser Presidente da Republica.
Quanto ao resto, que venham mais impostos.
AVANÇAR PORTUGAL!

joshua disse...

O mal, meu caro Luís, é que não há Medinas Carreiras que cheguem para as encomendas. Olhe que não há. Abraço.

Nortada disse...

Caro Luís
Em primeiro lugar tiro desde já a dúvida SIM!!! o povo português gosta de ser fornicado! prova evidente é o desqualifacado primeiro ministro que temos que só lá chegou com o voto lícito dos portugueses.
Em segundo lugar gostava que me explicasses essa lógico dos medinas carreiras... então pelo facto do Medina Carreira há 8 anos dizer que assim iriamos ter de passar as passas do Algarve é catastrofista mas quem antevê agora as passas do Algarve para daqui a 3 meses já não o é?????
Existe em Portugal grande confusão entre a competência técnica e o fanatismo tipo clubistico, à verdade nunca é dada a permissão de estragar uma boa história e a quem se atrever a apregoar verdades incovenientes recebe logo esses mimos de catastrofistica e etc.

joshua disse...

Eu estou inteiramente aqui com o Nortada, Luís. Inteiramente. E ao que parece ele está comigo: Cassandras e Medinas há poucos tal como há demasiadas cigarras e escassas formigas.

Luis Novaes Tito disse...

Caros Nortada e Joshua

A questão onde falha Medina Carreira & compª, não é de há oito anos, mas de há 30.
Se lerem as suas previsões catastróficas de há vinte e tal anos, apuram duas coisas.
- Primeira, que Portugal já seria, nesta altura, uma inexistência;
- Segunda, que essa gente se esquece com facilidade da sua quota-parte de responsabilidade pelo estado a que chegámos.

À boa maneira portuguesa, atiram as responsabilidades para as costas dos outros e esperam que os outros resolvam. Se o Medina Carreira (e compª) fossem parte da solução, possivelmente estávamos melhor, mas eles, como a maior parte dos que se limitam a criticar, preferem ser parte dos problemas e arautos passivos da desgraça, a concorrer para a procura de soluções. Aliás eles não as têm e, se ainda assim conseguem fazer o diagnóstico, são fraquíssimos na prescrição por ainda não terem entendido que o paradigma tem de mudar uma vez que aquilo que defendem já faliu há muito.

Ao fim de trinta anos a dizer que o mundo acaba amanhã, alguma vez teriam de acertar. Haverá sempre um amanhã em que o mundo acabará.

Luis Novaes Tito disse...

Caro Jorge

é incompreensível a parte final do seu comentário:
“só é pena o poeta levar por tabela, tadito, lá se vai o sonho de menino de ser Presidente da Republica”

Presumo que o menino a que se está a referir é Manuel Alegre, homem de princípios, lutador incansável pela liberdade e um dos muitos que contribuíram para que o Jorge possa hoje escrever sem sanção aquilo que escreveu.

Pondo isso de parte, penso só ter sido um momento menos feliz da sua criatividade, gostaria de saber quem o Jorge quer dar a entender quem irá ganhar as eleições presidenciais. Será Cavaco Silva? Então o actual Presidente é inimputável? Não tem responsabilidades sobre o que se está a passar em Portugal? Não é Presidente há 5 anos e não foi muitos outros Primeiro-ministro? Não tem tabela por onde apanhar?

Luis Novaes Tito disse...

Comadre,

Só quem andou tão distraído com os fait-divers que engonharam os portugueses (Freports, Pias, Futebóis, etc.), antes do país dos tesos em crise se esparramar pelos areais algarvios a bordo das máquinas potentes que em nenhum outro País existem como nas nossas auto-estradas, não se apercebeu que a dose iria sentir-se neste último trimestre.

Não querendo ser mais um Medina Carreira, porque agora não se trata de ser só um arauto da desgraça, em boa verdade e infelizmente lhe digo que a procissão ainda vai no adro.

Faltava a tudo isto o triste espectáculo que os mais altos responsáveis políticos (situação e oposição) estão a dar a nível universal.

Uma tristeza!

maloud disse...

Suspeito que os das máquinas potentes não serão minimamente beliscados. Os outros, os dos Fiats, é que voltarão a andar descalços.

Nortada disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nortada disse...

Caro Luís
Até entendo o sentimento, a imagem não dos 30, mas dos 20 anos a ouvir o Medina Carreira a dizer que íamos mal, entendo foi e é constante e monótono, talvez por isso não tenha lido ou ouvido com a atenção requerida o que o Medina Carreira disse e escreveu durante estes 20 anos.
Com efeito se fizer uma pequena pesquisa temporal os alertas passaram a ter conteúdos muito mais técnicos, do que políticos e estratégicos, claro que continua a dizer que com a abordagem que mantemos ao ensino em especial ao ensino primário e secundário não vamos lá, a justiça não justa, etc., eu continuo a concordar e julgo até, que o Luís também, o caso é que desde 2004/2005 quando começou a desenhar-se no horizonte um crash de mercados, onde muitos economistas, para quem os leu em defendiam abertamente que um crash em 20xx iria ter de acontecer era uma inevitabilidade dadas as regras do jogo, também por cá o Medina carreira começou a acentuar no seu discurso o aspecto da falta de sustentabilidade técnica dos orçamentais do Estado dos sucessivos governos.
As contas até nem são difíceis de fazer nem é preciso ser merceeiro experiente nem mesmo barbeiro habituado a lidar com contas e trocos, a 4ª classe antiga, vontade e boa fé são os predicados necessários e suficientes para perceber que não podemos viver como temos vivido nos últimos 30 anos, tendo conta a nossa fortuna.
Quanto ao serem verdade as projecções de Medina Carreira Portugal já não existiria, lamento ser eu a informar que efectivamente o Portugal de há 10 anos já não existe, o Portugal com a capacidade de decisão de há 10 anos já não existe, o Portugal com a autonomia de há 10 anos já não existe, o Portugal com um valor social competitivo em termos de mercado global de há 10 anos, já não existe.
O Portugal de há 10 anos não era melhor em tudo que o Portugal de hoje, mas poderia ter melhorado em praticamente tudo e não o fez. Portugal encontra-se há algum tempo limitado nas horas de crescimento, só cresce de noite porque o governo dorme.
Que há saída, claro que há, há sempre, que era escusado termos sido guiados para esta situação com uma enorme maioria de responsabilidade dos seus amigos e correligionários do PS, era sim senhor. (tempos relativos de governo neste últimos 30 anos, incluo os que o próprio Medina Carreira governou em nome do PS).
Com um abraço

Luis Novaes Tito disse...

E no entanto, caro Nortada, felizmente estamos todos vivos.

Mesmo apesar da nossa não existência.