terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Os opinadores da santa terrinha

MicrofonesÀs vezes calha e ontem foi uma dessas vezes. Ouvi os comentários do Miguel Sousa Tavares no Jornal de um canal de televisão e o que ele disse da greve dos controladores espanhóis.

Primeiro disse que eles tinham feito uma greve, o que não é verdade.
Estiveram ausentes do trabalho (penso que em baixa ou coisa semelhante) mas não em greve (Isto serve de lição para quem passa a vida a atacar os sindicatos – Quando os trabalhadores actuam por conta própria ficam em acção descontrolada).

Depois disse que eles (os controladores) não deveriam ter consciência dos prejuízos que estavam a causar, o que é uma patetice porque é exactamente por eles terem essa consciência que o Miguel não morre cada vez que anda de avião.

E depois disse o que se espera que um português diga:
Que eles ganham não sei quanto, que trabalham não sei quantos dias por ano, etc.
O que ele não disse é quanto ele próprio ganha e quantos dias trabalha para produzir comentário ou texto e, mesmo que o tivesse dito, haveria de se esquecer de que aquilo que diz ou escreve não contribui para a nossa sobrevivência ao passo que um controlador, se cometer um erro, provocará centenas de mortos.

Este permanente luso-olhar para o lado, e sempre e só para parte desse lado, faz esquecer o que define uma profissão de elevado risco (como é a de controlador aéreo) e as razões que levam essa gente a ter de trabalhar menos horas/dias para poder aguentar, com níveis de segurança elevada, uma profissão da qual depende a vida de milhares de pessoas.

Pessoas que emitem opiniões, como faz o MST deveriam ter, no mínimo, preparação para o fazerem. Seria útil que o MST passasse umas horas enfiado num centro de controlo aéreo para entender do que fala. Seria útil que soubesse também os procedimentos de greve para não usar a palavra em vão. E tudo isto seria útil porque teria conseguido explicar, de forma credível, as razões que o levam a considerar o acto praticado pelos controladores, de selvagem, opinião com a qual concordo em absoluto mas que explicaria sem recurso ao apelo à inveja e à ignorância como ele fez.
LNT
[0.457/2010]

4 comentários:

zira disse...

Então não é que estou inteiramente de acordo? quando o ouvi argumentar pensei ... mas não com a argúcia da sua opinião.Mas que assim é dificil chegar lá... não tem dúvida.

anamar disse...

OLÁ!
Ainda hoje , aqui no Rio, falei dele cá em casa, pois são fãs das suas leituras, e , eu própria comprei numa livraria de livros em segunda mão "Rio das Flores""... contente porque só gastei 29 reais, mais ao menos 10 euros...
Falei do seu mau génio, como seu pai... e mal tratante quando embirrava com uma classe profisional, como a minha de prof., as tristes figuras que faz. e também como escreve bem quando a causa é justa á generalidade...
MST é o homem mais egoista que conheci atá hoje...
:))

brites disse...

PELA LINHA DE RACIOCINIO QUE ESCOLHEU,JAMAIS SE PODERÁ CONTESTAR QUAISQUER VENCIMENTOS.

NÃO PERCEBO ENTÃO ALGUNS DOS SEUS PROTESTOS...

UM MINEIRO,PELA SUA GRELHA DE ANÁLISE,QUANTO DEVERIA GANHAR?

Luis Novaes Tito disse...

Acontece, Brites (tinha de ser anónimo), que não faço grelhas de vencimentos.
Nem contesto vencimentos de quem demonstra competência.
Aliás se ler o texto vê que é exactamente contra isso que me insurjo.
E escusa de usar maiúsculas porque não sou surdo e fazê-lo nestas tecnologias é sinal de que está a gritar.