segunda-feira, 15 de Julho de 2013

Da imparcialidade dos árbitros

Gunter GrassO papel mais importante que um Presidente da República tem é o de moderador da sociedade e de mediador dos interesses que mantêm a sociedade em funcionamento regular.

Com a eleição da actual maioria, o Presidente da República teve essa mediação na mão, com tarefa simplificada tanto a nível dos parceiros sociais como a nível do maior Partido da oposição uma vez que se geraram consensos, inclusive à custa do sacrifício da imagem do líder da oposição que foi bastas vezes acusado de ser demasiado conciliador.

Cavaco Silva desprezou o seu papel de moderador e preferiu agir em conluio com uma das partes convencido de que o poder e a maioria dessa parte seriam suficientes para se impor ao País.

A coisa correu mal, muito mal. O seu juízo sobre a parte apoiada não o deixou entender os perigos resultantes do carácter dos líderes da coligação e a sua condição ideológica sobrepôs-se ao bom senso da negociação até ao momento em que tudo se desmoronou à sua volta.

Agora, com o País em ruínas devido aos erros que foram cometidos pela Tróika e pelo Governo do “além da Tróika”, o Presidente tentou salvar a face com o jogo do empurra e da inclusão de outros na responsabilidade das irresponsabilidades do seu Governo.

O Chefe de Estado continua convencido de que nunca se engana e de que raramente comete erros (ou vice-versa) e por isso recusa emendar a mão.

Seria normal que ouvisse a voz de quem o elegeu e que exigisse aos Partidos que se apresentassem a votos com programas eleitorais que os vinculassem a linhas orientadoras claras para resolver o imbróglio em que estamos metidos.Em vez disso, arrasta o País para o caos tentando impor a todos a sua visão.

Estamos a perder tempo. Espera-se que o Partido Socialista não ceda perante tal erro e que mantenha válido o seu compromisso com os portugueses para que não se anulem as expectativas de que “não somos todos iguais” e de que “os resultados eleitorais não são indiferentes” para as políticas que se seguem.
LNT
[0.233/2013]

Sem comentários: