sexta-feira, 18 de setembro de 2009

As linhas com que nos cosemos

TijolosHá momentos da vida em que temos de decidir baseados no pragmatismo. O que se vai passar no dia 27, digam o que disserem todos os concorrentes ao Parlamento, é escolher não só os deputados para a Assembleia da República, mas também influenciar decididamente os equilíbrios na formação do próximo Governo.

O pragmatismo reside em optar por um Governo de esquerda ou um outro de direita (caracterização para simplificar) e votar de forma a contribuir para que seja impossível ter aquilo que não queremos.

No meu caso é fácil. Sou militante socialista, sei que quero um Governo de esquerda moderada e por isso irei votar no Partido Socialista. No caso de outros, por exemplo dos que sendo de esquerda não querem um Governo de maioria absoluta do PS e que pensam ter a oportunidade de protestar nas legislativas dispersando votos ou abstendo-se, convém que estejam atentos, não vá o Diabo tecê-las e Belém cerzi-las.
LNT
[0.585/2009]

6 comentários:

maloud disse...

Bitaite do dia: há muito fracturante a quem de repente apetece um governo de esquerda moderada e de Belém só quer os pasteis. Mais nada.

António Agostinho disse...

E esse governo de esquerda, que eu também desejo e quero, que prática política vai ter?...
A deste governo, liderado plo eng. Sócrates, que também se diz de esquerda ...
Para mim o problema do pragmatismo é esse... Para ter um governo de esquerda, nest contexto europeu, no ano de 2009, não vejo como isso possa ser possível. Ganhe quem ganhar as eleições.
O problema, isto é, a grande questão, é quem realmente manda em Portugal...
Os portugueses - e como gostava de estar redondamente enganado - mandam muito pouco. Pelo menos é o que me parece

mdsol disse...

Alerta sereno como é apanágio da Barbearia.
:))

Anónimo disse...

Estamos numa encruzilhada entre a UE e este país pequeno e periférico. Joga-se, nestas eleições, o futuro do país.Ou vamos em frente ou recuamos. Será possivel termos um país próspero e moderno, sem uma novo paradigma de desenvolvimento económico? Esta deve ser a questão dos socialistas deste tempo que vivemos.

António P. disse...

Estou consigo, caro Barbeiro

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Sou da mesma opinião.Na verdade, quem vota á esquerda, corre o risco de entregar o poder de mão beijada a MFL.
Talvez valha a pena recordar Álvaro Cunhal a propósito das presidenciais de 1986 e, mesmo tapando o simbolo, votar PS.