segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Declaração de voto

BandeirasConfesso não ter qualquer dúvida quando me dirigir à secção de voto para assinalar uma cruz no quadradinho do Partido Socialista.

Usarei o meu voto como uma arma letal e não como um gadget da moda para entreter o intelecto ou para mostrar um balofo protesto que só proporcionará que Passos Coelho e Paulo Portas continuem, por mais quatro anos, a decidir tudo aquilo que não me serve, nem tolero.

Não é uma questão de esquecimento de lutas que travei há um ano, lutas duras e alguma vez indignas por terem dividido quando se impunha a reunião, e por terem sido travadas fora do tempo e em rebeldia a um poder democraticamente eleito, mas sim de uma outra memória que me recorda que a prova de não existir uma maioria de esquerda é que a esquerda à esquerda do PS nunca deixou de se aliar à direita para proporcionar a ascensão das forças de sinal contrário.

Sou dos que preferem um mal melhor a um outro pior e que acredito que uma vingançazita pessoal nunca satisfará tanto como ver pelas costas esta direita revanchista que diz ser um absurdo pensar-se que um governo “maltrate por gosto” a classe média e os mais débeis sem explicar que o faz com o gosto de beneficiar exclusivamente os mais poderosos, cada vez mais donos disto tudo.

Votarei no Partido Socialista (digo-o aqui, embora sempre que sondado para as brincadeiras gráficas usadas pela comunicação social me continue a declarar indeciso).

Sem qualquer reserva, sem qualquer hesitação, votarei na única força que pode tornar o meu voto em chumbo disparado contra esta direita no poder.

Votarei PS porque não quero que Portas, Coelho e Cavaco continuem a usar todas as razões que me poderiam levar a abster ou a votar noutra força, para se manterem no poder.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.263/2015]
Enviar um comentário