quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Terra queimada

FogoDizem, os que acham bem que o debate de ontem entre o PCP e o BE se tivesse centrado nos ataques ao PS em detrimento do esclarecimento aos eleitores sobre as suas próprias propostas e diferenças, que o Partido Socialista se diz um Partido de esquerda mas que sempre tem praticado uma política de direita.

Dizem isto sem se rir ao mesmo tempo que se auto-intitulam os defensores do estado social, esquecendo que todas as bandeiras que hoje defendem e que têm sido rasgadas pela direita neoliberal nos últimos quatro anos foram levantadas pelo Partido Socialista, a maior parte das vezes com os votos contra do BE e do PCP.

O PCP e o BE deveriam ter consciência que o Serviço Nacional de Saúde, a Escola Pública e a Segurança Social que hoje existem se devem aos Governos do PS. Como essas forças políticas nunca foram poder, tirando o curto espaço do PREC onde já estavam mais interessados em combater o PS do que em construir um País democrático solidário, nunca participaram na edificação do estado social.

Este comportamento suicida que oscila entre a negação da (re)construção europeia e a demagogia pura e dura, em que já nem o Syriza acredita (por experiência adquirida), empurra o Partido Socialista para a necessidade de obter o número de votos necessário e suficiente para afastar as forças que compõem o actual poder.

O comportamento ontem demonstrado é a constatação de que à esquerda do PS se continua a preferir ser uma oposição guerreira a construir uma solução de poder que trave a actual destruição levada avante pela coligação que nos governa.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.255/2015]
Enviar um comentário