sexta-feira, 20 de maio de 2011

Voltando à caserna

Aluno Piloto LNTSou daqueles que ainda fez tropa, daquela que se fazia para matar ou morrer. Não tropa macaca de feijão-verde, antes da outra que deixava escapar uma ou outra napalm proibida e que também servia para evacuar companheiros de bandeira, alguns em muito mau estado.

Não cheguei a fazer nada disso. Fiquei-me pela formação porque o meu curso de pilotos aviadores milicianos foi o último a ser iniciado em tempo de guerra e o primeiro a acabar a recruta com a previsão das tréguas.

Quer isto dizer que aprendi o que de bom se podia aprender com o serviço militar e safei-me de ter de matar ou morrer, apanhei pelo meio a revolução e só não fui um militar de Abril, embora nesse Abril fosse militar, porque a incorporação foi em Janeiro.

Na recruta aprendi a fazer a minha cama. Fiquei a saber que se a não fizesse bem feita iria dormir mal. Durante as inspecções só tive de a refazer uma vez.

Aluno Piloto LNTNo curso básico de pilotagem, na Granja do Marquês, aprendi a aterrar. Aquilo tinha os procedimentos para cumprir e tinha a alma que se queria manter junto ao corpinho laroca dos vinte anos. Rapidamente aprendi a fazer o palier que consistia em jogar com a sustentação da máquina que pilotava, numa combinação bem conseguida de velocidade, flaps e de gás necessário para que as rodas tocassem o chão sem partir o trem nem projectar a passarola para saltos tontos na pista.

Depois aprendi muitas outras coisas. Desde fazer pontaria, a disparar, desde ajudar um camarada de armas, a praxar.

Fazer tropa era uma merda (a caserna tem a sua linguagem própria) mas era uma escola que nos dava lições de vida começando pela que nos fazia diferenciar um oficial de um sargento e acabando pela que nos fazia distinguir um oficial confiável de um filho-da-puta.

Não sei o que me deu para escrever este post, mas gostei de o ter escrito.
LNT
[0.179/2011]

5 comentários:

Anónimo disse...

Ai que saudades dos 20 anos, ai, ai...
Também vesti uma farda azul e usei um bivaque igual a esse...
Também aprendi a fazer a cama onde me deitava...
Também lá estava (BA5) em 25Abr74..
Não sei (ou sei?) porque estamos agora aqui, desta maneira,com "paisanos" deste calibre...
Abraço, camarada!

OFB disse...

...e eu também gostei de o ler!

Anónimo disse...

Ainda bem q. o escreveu, pois eu gostei mto. de o ter lido. Obrigado!

Luís Bonifácio disse...

Napalm proibido?????????

Só o foi (E apenas contra populações civis) em 1991.

Luis Novaes Tito disse...

O Napalm foi proibido pela http://pt.wikipedia.org/wiki/Conven%C3%A7%C3%A3o_da_ONU_sobre_Armas_Convencionais

É a isso que me refiro no texto.