sábado, 7 de outubro de 2017

Autarcontas


Com fonte nos resultados oficiais do MAI fiz umas contas difíceis relativamente aos votos nacionais nas Câmaras Municipais e também na Câmara Municipal de Lisboa para tentar perceber das vitórias/derrotas e das razões que levaram Passos Coelho a abandonar a direcção do PSD em 2018.

Daquilo que apurei, Passos Coelho só precisou de uma boa desculpa para se despedir uma vez que os resultados obtidos não foram tão “pesados” como se disse, malgrado o vexame de Lisboa e Porto.

No fundo, os resultados eleitorais que obteve mais não serviram do que conseguir pretexto justificativo para aquilo que já devia ter feito há dois anos quando viu reprovado o seu Programa de Governo na Assembleia da República isto é, no linguarejar com que ele gosta de balbuciar, “ter-se posto ao fresco” – ou “ter dado de frosques” - tal como fez o seu parceiro de coligação, Paulo Portas.

Nem todos são raposas, adelante!

Senão vejamos:

1- Em relação a Lisboa (só votos para a Câmara Municipal)

O PS ganhou a CML mas perdeu a maioria absoluta que detinha. Mesmo havendo mais 23.799 votos válidos do que em 2013 perdeu 10.388 votos e 3 vereadores.

Os PSD+CDS (porque foi assim que concorreram em 2013) ganharam 29.164 votos e 2 vereadores. É certo que o PSD tinha 3 vereadores e passou a ter 2 mas o CDS tinha 1 e passou a ter 4.

A CDU ganhou 1.591 votos e manteve os seus 2 vereadores.

O BE ganhou 7.491 votos e passou de 0 para 1 vereador.

2- Em relação aos resultados Nacionais (só votos para as Câmaras Municipais)
As contas, em termos de eleitores, complicam-se porque os Partidos apresentaram-se umas vezes só e outras em várias coligações, algumas diferentes das de 2013.

Fazendo as contas aos mandatos apura-se que:

O PS ganhou as eleições tendo passado de 149 presidências para 158 (+9) e conseguiu mais 22 maiorias absolutas. Em termos de mandatos, incluindo os conseguidos em coligação, obteve mais 39. Deverá ficar com as presidências das ANMP, ANAFRE e AML

O PSD diminuiu de 107 presidências para 98 (- 9) das quais 92 foram com maioria absoluta. Manteve-se como 2ª força política autárquica a nível nacional.

O CDS passou de 5 presidências para 6, mantendo o 4º lugar no ranking das forças políticas autárquicas.
Em termos de mandatos os PSD+CDS, incluindo os conseguidos em coligação, perderam 49.

A CDU diminuiu de 34 presidências para 24 (-10). Manteve-se como terceira força política autárquica embora tenha perdido 49 mandatos.

O BE não alterou a sua posição. Continua sem conseguir qualquer presidência. No entanto aumentou em 4 o seu número de mandatos.

Quanto à “grande vitória” do CDS, ficamos falados. Mesmo só olhando para os resultados pessoais de Assunção Cristas chega-se à conclusão que o segundo lugar que obteve na CML e AML (mas que não se reflectiu nas Assembleias de Freguesia de Lisboa – não obteve qualquer presidência de Junta) foi conseguido com as transferências de votos do PS e do PSD que claramente quiserem reprovar a fraquíssima candidata do PSD e sancionar Passos Coelho (que a escolheu) abrindo-lhe o caminho para que seguisse o que foi trilhado por Paulo Portas há dois anos.

Passos Coelho quis testar os cidadãos mas não teve coragem de ser candidato à CML. Temos pena!
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.070/2017]
Enviar um comentário