sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Em modo de balanço


Nos tempos que correm os cidadãos que se deixam envolver na coisa política e aceitam cargos públicos arriscam-se a destruir o prestígio de uma vida de trabalho construída arduamente ao longo dos anos.

Falo de cidadãos comuns – incluindo os que são filiados em Partidos políticos – e não de políticos que fizerem da política o seu trabalho e que vão buscar a esses cidadãos comuns a mão-de-obra para a sua empresa.

Basta hoje ver os cartazes de qualquer campanha política onde se dá a entender que fulano(a)-de-tal pretende ser Primeiro-ministro, presidente de Câmara ou de Junta de Freguesia quando afinal se candidatam listas de cidadãos (equipas) que mais parecem ser empregados do(a) cabeça dessas listas do que seus parceiros de eleição.

Sei que os poderes são ambicionados e a projecção mediática e pública podem ser motor para que os cidadãos se envolvam, mas também sei que muitos se envolvem nessas aventuras por motivos de serviço público dispondo-se a oferecer o que de melhor sabem fazer em favor do bem comum.

Depois é o que se vê. Sucedem-se os casos de sacrifício desses cidadãos comuns a favor dos cabeças de cartaz – inúmeras vezes idolatrados e com estatuto de inimputáveis – assacando para eles (para os cidadãos comuns) as causas de todos os males.

Alguma coisa terá de mudar se quisermos ter no futuro equipas de competência que zelem pelos nossos interesses e bem-estar.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.073/2017]

1 comentário:

Comprar Smartphone disse...

Em modo de balanço Bela postagem Gostei muito...