domingo, 8 de outubro de 2017

Uma fábula como qualquer outra


Um homem dispôs-se a atravessar o deserto na esperança de que, por magia ou por qualquer outro feitiço, o deserto deixasse de o ser.

Acontece que o mago e os súbditos do reino andavam de amores e afectos pelo deserto e acrescentaram-lhe mais areia.

Vendo isto o homem persistiu, embora tenha requisitado um camelo que galgasse as dunas por ele.

Apareceram três, sendo que dois foram de imediato reconduzidos à cáfila por serem animais dóceis que o homem não pretendia estafar.

O homem sonhava que um dia terminariam as areias escaldantes e que o camelo que montava se exauriria à borda do pote que adivinhava existir na miragem nunca perdida de vista.

O que ele não previu foi que o mago esfriasse os amores e afectos possuídos pelo deserto e se afeiçoasse ao camelo, abreviando-lhe as areias e espicaçando o dromedário para que sacudisse o homem que se tinha instalado nas suas bossas.

Moral da estória:

Os camelos não são de fiar e o mago do reino vê mais com os olhos fechados do que um coelho com eles arregalados.

LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.071/2017]
Enviar um comentário