sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Colonel Bogey

Vestir o colete de guerraNesta manhã de oito de Janeiro apetece-me ouvir marchas militares. John Philip de Sousa tem óptimas, não tão significativas para nós portugueses como a Life on the Ocean Wave de Henry Russell que traz à memória os momentos da libertação, mas tão suficientemente boas, como a Colonel Bogey, que associem este dia azul e frio à vitória da passagem administrativa, sem mérito, a uma mole que vê assegurada a progressão na mediocridade, ao arrepio do que se passa com o restante sector público.

Isto não é uma crítica a Maria Isabel Girão de Melo Veiga Vilar, porque julgo que a Ministra se limitou a desatar os nós que a insensibilidade e inépcia política de Maria de Lurdes Reis Rodrigues deu e que proporcionaram a elevação do modelo corporativo ao estatuto de excepção do estado de direito. É só uma vontade de cadenciar o entendimento ao ritmo de caserna que faz um professor julgar-se superior, diria inferior porque só lhe é exigida mediania, em relação a um funcionário das finanças.

Porque é que um funcionário das finanças tem de acumular 10 anos de classificação de Bom para progredir e um professor só precisa de três? Porque é que na progressão da carreira de um funcionário das finanças se lhe exige relevância durante quatro anos e na de um funcionário da docência basta três anos de mediania?
LNT
[0.016/2010]

4 comentários:

Zélia disse...

Até poderia ser por causa do desgaste especial da profissão, até poderia ser por causa da organização da profissão, até podia... Mas nós sabemso que não é. Sabemos que foi a falta de rigor e de seriedade que fizeram com que as coisas chegassem a este ponto. Já não sei o que me choca mais, se a agenda daqueles dirigentes sindicais se o oportunismo e a demagogia da oposição ... Este é um daqueles casos que de vitória em vitória se chega à derrota final.

C.C. disse...

Isabel Alçada está a fazer o papel de Ana Jorge; apaziguar... nada mais.Uma e outra não vão fazer coisa nenhuma.

Manuel disse...

A resposta às suas perguntas do último parágrafo é simples.
Nós temos 83% de professores que são bons e mais 14% que são muito bons e excelentes.
Os funcionários das finanças são apenas relevantes(?).
Declaração de interesses: não sou funcionário das finanças nem sequer "funcionário".
Sou empregado de uma empresa privada onde somos pouquissimos os excelentes, poucos os muito bons e alguns bons.
Gostaria de ser professor...

Anónimo disse...

Sou funcionária e tenho 3 anos de mto bom, mas ainda não posso ser promovida, pq não atingi os 10 pontos.
Também quero ser professora...