quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Apresentação

Alegre - Rui PerdigãoCantar não é talvez suficiente.
Não porque não acendam de repente as noites
tuas palavras irmãs do fogo
mas só porque palavras são
apenas chama e vento

Eu venho incomodar.
Trago palavras como bofetadas
e é inútil mandarem-me calar
porque a minha canção não fica no papel.
Eu venho tocar os sinos.
Planto espadas
e transformo destinos.
Os homens ouvem-me cantar
e a pele
dos homens fica arrepiada.
E depois é madrugada
dentro dos homens onde ponho uma espingarda e um sonho.

E é inútil mandarem-me calar.
De certo modo sou um guerrilheiro
que traz a tiracolo
uma espingarda carregada de poemas
ou se preferem sou um marinheiro
que traz o mar ao colo
e meteu um navio pela terra dentro
e pendurou depois no vento
uma canção.

Já disse: planto espadas
e transformo destinos.
E para isso basta-me tocar os sinos
que cada homem tem no coração

Praça da Canção
Manuel Alegre

1965

(imagem: Rui Perdigão)

Faz cinquenta anos.

Nunca entendi (ou talvez tenha percebido) porque não deixaram que este homem tivesse ocupado o lugar que Cavaco ocupou nos últimos dez anos.
Erro imperdoável.
LNT
[0.068/2015]

4 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Misturar a poesia
com coisas de fraca rima
seria encostar os sinos
ignorar destinos
enterrar espadas

(alias, acho que estão enterradas)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Nem eu, Luís. Nem eu!

Luis Novaes Tito disse...

Rogério
As pessoas são por inteiro.
Não há poeta sem homem (ou mulher)

Luis Novaes Tito disse...

Carlos

Talvez um dia haja explicação.