quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

TAP gay

Pastéis de BelémPires de Lima, Ministro que ainda não compreendeu que o Governo não é eleito, que não é Ministro por direito próprio e que compete ao Governo responder perante o Parlamento e não o contrário, continua convencido que tem aquela graça que Deus lhe deu e que pode dizer as barbaridades que lhe passam pela cabeça como se andasse ainda pelos silos de cevada a tramar se a cerveja deve ser altbier ou pilsner.

À falta de mais fábricas de refrigerantes para visitar em Angola ou em Moçambique dedica-se agora a comparar, na Assembleia da República, a privatização da TAP com o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a questionar os deputados sobre o entendimento que estes assuntos (para ele) semelhantes devem merecer em relação a eventuais referendos.

O homem que em tempos já tinha dado ar da sua comicidade quando resolveu falar das taxas do Costa para Lisboa insiste na faceta de comediante, cheio de si e vazio de sentido de Estado, neste estado a que chegámos.

Faz-nos sentir saudades do tempo em que os ministros da economia se dedicavam aos pasteis de nata.

Porca miséria!
LNT
[0.067/2015]

2 comentários:

C.C. disse...

O Pires de Lima devia soprar ao balão antes de falar!
Porque não dizer coisa com coisa já é próprio deste governo! Mas no caso dele é um bocado mais difícil; ele quer privatizar a TAP porque não gosta do casamento entre os do mesmo sexo?

Luis Novaes Tito disse...

São muitos anos de cerveja