sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

A orfandade é lixada

Magritte GozoBastou que a actual direcção do PS desse eco a uma coisa nova que apareceu na Europa, e que queriam fazer despercebida no rectângulo, para se regressar ao tempo do malhar.

No entanto essa coisa nova, que não é grande coisa porque vem de onde vem e não traz consigo a ideia social, tem alguns aspectos menos maus e, principalmente, comporta a ideia de que mais vale algo menos mau, desde que venha de gente que não se deixa submeter, a uma outra já experimentada e tida por péssima e que ainda se apresenta com laivos invasivos e dominadores.

Sabemos que de Inglaterra não sopram bons ventos europeus e que os súbditos de sua majestade estão muito mais interessados nos negócios além atlântico do que nos do continente a que estão adjacentes, mas também sabemos que dificilmente se deixarão vergar à bota já vezeira em calcorrear o leito do Danúbio.

O que o documento dos 12 PM europeus não-submissos tem de importante, para além de apontar caminhos diversos (relativamente diversos), é demonstrar à imperatriz do contado e ao seu míope aliado, que os povos europeus podem ser rebeldes e que continuam a ter braços para abrir trincheiras que inviabilizem a invasão.

Seguro fez bem em lembrar isso a quem anda de monco caído e aos órfãos que se arrastam na dor.

É que há valores para além troika e, se há países que são pouco mais do que protectorados, continuam a existir nações na Europa que são mais do que simples países. Esses não se rendem, nem se deixam amesquinhar de braços caídos.
LNT
[0.137/2012]

1 comentário:

vozesdarua disse...

Ou então, talvez se esteja a chegar à conclusão que o atual caminho de austeridade em cima de austeridade vá acabar por dizimar a economia da UE.