quarta-feira, 30 de junho de 2010

Grande Oriente Lusitano

Convite GOLConforme planeado e programado decorreu no Grande Oriente Lusitano – Maçonaria Portuguesa, às 19:00 horas, uma Sessão Branca que contou com a presença de inúmeros convidados.

Depois das oratórias de Luís Medeiro Ferreira, José Paulo da Silva Graça, Amândio Silva, Manuel Tito de Morais Oliveira, que falou em nome da sua família, e do Grão-Mestre da Maçonaria, António Reis, que encerrou os trabalhos, foram facultados os acessos ao interessante Museu Maçónico.

Muito interessante acção e brilhantes intervenções que realçaram os princípios republicanos de Tito de Morais que aos 80 anos se fez iniciado da maçonaria portuguesa.

Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.230/2010]

Descerramento do busto de Tito de Morais



Só uma amostra do descerramento do busto de Tito de Morais que nenhuma televisão passou.

É pena que a assistência apresentada no início seja a que estava muito antes de se ter iniciado a cerimónia. Fica-se com uma ideia errada do número de pessoas presentes.

Igualmente é pena que, dos 4 oradores, só tenham dado imagens de 3 tendo excluído o Manuel Tito de Morais, filho do homenageado, que contou muito do percurso de exílio que teve de fazer com o seu pai.

Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.229/2010]

Homenagem dos cidadãos de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa - Descerramento do busto de Tito de Morais


Quando ao meio-dia se descerrou o busto de Tito de Morais na confluência da Rua das Amoreiras com a Dom João V, ao Largo do Rato, os cidadãos de Lisboa passaram a ter mais memória para a necessidade de nunca cruzarem os braços perante as adversidades e o fatalismo. Por outras palavras igualmente sentidas foi isto que António Costa quis dizer.

Antecedido por Manuel Alegre que num forte discurso descreveu Tito de Morais como um Homem de símbolos e simbologias, um Homem de princípios de que nunca abdicou em toda a sua vida, mesmo quando foi confrontado com o pior e mais brutal que o regime do Estado Novo tinha para oferecer a quem dele discordava.

Já antes Manuel Tito de Morais, filho do homenageado, tinha feito a demonstração da têmpera de seu pai ao relatar a vida de exílio em que o acompanhou.

O escultor Francisco Simões que iniciou as alocuções com um discurso onde frisou o carácter de combatente de Tito de Morais e a resistência que Tito sempre fez às derivas da Declaração de Princípios do PS, fez questão em frisar o orgulho que sentia por ter deixado o seu cunho na arte pública que fica de atalaia ao muro da Sede Nacional Do Partido Socialista.

Presentes, para além do Presidente do Partido Socialista, Almeida Santos, muitos vereadores da CML, diversas entidades e individualidades e muitos cidadãos de Lisboa e também militantes do Partido Socialista que não quiseram deixar de se associar a esta homenagem.

Oradores no descerramento do busto de Tito de Morais

Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.228/2010]

Memória em bronze

Busto de Tito de Morais


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.227/2010]

Busto de Tito de Morais

Busto em implementaçãoAo fim da tarde de ontem, faziam-se os últimos preparativos para que Manuel Tito de Morais passe a ter, a partir de hoje ao meio-dia, a homenagem que Lisboa lhe deve.

Perto, quase encostado ao muro da Sede Nacional do PS, como um marco em reconhecimento de uma vida dedicada às ideias da liberdade, da solidariedade, da fraternidade e de igualdade de oportunidades que o Tito sempre quis que fossem as bases do seu Partido Socialista.

O busto que António Costa vai descerrar numa sessão onde Manuel Alegre não deixará de evocar essas ideias defendidas com enormes custos por Tito de Morais, é uma memória em bronze para que nunca se esqueça que esses princípios são um bem que exigem luta e conquista todos os dias.

Usarão ainda da palavra o escultor Francisco Simões e Manuel Tito de Morais, filho do homenageado.

Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.226/2010]

Homenagem de Lisboa - Descerramento do busto

Convite CML - Busto de Tito de Morais


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.225/2010]

terça-feira, 29 de junho de 2010

Homenagem Nacional - Assembleia da República

Homenagem Nacional - Assembleia da República

Depois de ser sido lançado e posto em circulação um “postal-inteiro” comemorativo do centenário de nascimento de Tito de Morais, da autoria dos CTT, numa cerimónia realizada na Assembleia da República que contou com a apresentação de Pedro Coelho pelos CTT, Jaime Gama, anfitrião do evento e Carolina Tito de Morais, filha mais velha de Manuel Tito de Morais e Presidente da Comissão Executiva das CCTM, deu-se início, na sala da biblioteca, à Homenagem Nacional ao antigo presidente da Assembleia da República.

Usaram da palavra, Luís Barbosa, presidente da AEDAR, Domingos Abrantes pelo PCP, Fernando Rosas pelo BE, Narana Coissoró pelo CDS, Mota Amaral pelo PSD, Maria de Belém Roseira pelo PS, Carolina Tito de Morais pela família e pela Comissão Executiva e o Presidente, Jaime Gama, que encerrou a sessão.

Numa sala repleta de individualidades representantes dos diversos órgãos de soberania, do poder judicial e do poder local, antigos e actuais Deputados, dirigentes sindicais, representantes das diversas Ordens, familiares de Tito de Morais e membros das Comissão de Honra e Executiva das Comemorações e muitos outros convidados e cidadãos que quiseram participar nesta homenagem nacional, foi unânime o reconhecimento da importância que Manuel Alfredo Tito de Morais teve na luta pela democracia e na sua consolidação no pós 25 de Abril. Todos lhe reconheceram o papel fundamental que desempenhou, primeiro a favor da liberdade e, depois do movimento militar que derrubou a ditadura, a favor do desenvolvimento social das populações e da dignificação da função parlamentar, para ele símbolo maior da democracia portuguesa.

Tratou-se de um acto raro de grande unidade que muito honrou a Casa do Povo, como Tito de Morais gostava de chamar à Assembleia da República.

Inteiro Postal - Assembleia da República

Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.224/2010]

Biografia - Assembleia da República

Biografia - Assembleia da República


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.223/2010]

Postal inteiro - Assembleia da República / CTT

Postal inteiro - CTT - Assembleia da República


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.222/2010]

Homenagem Nacional a Tito de Morais

Biografia ARPresidida pelo Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, vai ser hoje prestada, na Assembleia da República, a homenagem nacional a Manuel Alfredo Tito de Morais.

Numa sessão em que também intervirão os representantes de todos os Grupos Parlamentares e da Associação de Antigos Deputados, Tito de Morais - Presidente da Assembleia da República nos anos de 1983/4, será evocado como exemplo de combatente pela liberdade, pela democracia, pela ética política e pelos ideais republicanos.

O acto terá início às 18 horas, na Biblioteca do Palácio de São Bento, sendo antecedido pelo lançamento de um "postal-inteiro" dos CTT e pela apresentação de uma brochura biográfica de Tito de Morais produzida pelos serviços da Assembleia da República.

Ainda neste âmbito, Jaime Gama descerrou, às 12:00 horas, uma placa evocativa na casa de Lisboa onde viveu Tito de Morais, numa cerimónia que teve participação alargada.
Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.221/2010]

Os Deputados homenagearam Tito de Morais

Placa na casa de Tito de Morais

Numa breve cerimónia realizada na rua, o Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, a Associação dos ex-deputados – AEDAR – pela voz do seu presidente Luís Barbosa, e Manuel Tito de Morais Oliveira, neto do homenageado, evocaram a memória de Tito de Morais e descerraram a placa que assinala a casa onde viveu Manuel Alfredo Tito Morais depois do seu regresso do exílio.

Jaime Gama referiu na altura o que os levava a fazê-lo: - "simboliza aquilo que (Tito de Morais) foi em vida: como um grande combatente político, um homem bom e sério e um homem de luta pela liberdade e democracia do seu país."

Está lá, na parede do nº 4 da Avenida Magalhães de Lima, em Lisboa, para que quem passe a leia e lembre que este País foi obra de homens bons que nos deixaram exemplos de futuro.

Para além dos familiares e do Presidente do Partido Socialista, Almeida Santos, assistiram ao acto todos os membros da Comissão Executiva promotora das Comemorações do Centenário, muitos outros da Comissão de Honra, inúmeras individualidades e muitos cidadãos.

Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.219/2010]

Placa evocativa na casa onde viveu Tito de Morais

Placa na casa de Tito de Morais


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.218/2010]

Homenagem Nacional - Assembleia da República

Convite Assembleia da República Homenagem Tito de Morais


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.220/2010]

Placa evocativa na casa onde viveu Tito de Morais

Convite Placa Evocativa Casa de Tito de Morais


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.217/2010]

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Abertura das Comemorações (CCTM)

Mesa da abertura das CCTM - Palácio Galveias


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.216/2010]

Abertura das Comemorações (CCTM)

Marcador Fotobiografia de Tito de MoraisFoi com a sala cheia no Palácio Galveias que se deram início aos trabalhos da semana das Comemorações do Centenário de Tito de Morais (CCTM).

Depois de Catarina Vaz Pinto, vereadora da CML ter dado as boas-vindas na sua qualidade de anfitriã, Luís Novaes Tito fez a abertura solene da Semana das CCTM com uma breve intervenção especialmente dirigida a agradecimentos para todos os que ajudaram a concretizar estas comemorações. Mais abaixo fica o texto proferido.

Teresa Loureiro, representante da editora, referiu o agrado de ter sido seleccionada a Guerra e Paz para editar a fotobiografia e, num curto apontamento, apresentou a obra produzida.

Seguiram-se os oradores convidados tendo Pedro Coelho, fundador do Partido Socialista, centrado a sua alocução nas experiências vividas com Tito de Morais, tanto na oposição ao regime ditatorial no exílio, como depois da liberdade em Portugal. Um apontamento de grande relevância para a compreensão do "Homem e do Político" Tito de Morais.

Fernando Rosas preferiu a abordagem histórica de todo o percurso até ao 25 de Abril. Deu uma brilhante lição da recente História de Portugal que manteve a audiência interessada ao ponto de durante todo o período em que expôs "não se ouvir uma mosca na sala".
Foi fortemente ovacionado.

A sessão terminou com o emocionado depoimento de Teresa Tito de Morais Mendes, direccionado às dificuldades e alegrias de uma família que passou grande parte da sua vida separada em função da intolerância de um regime marcado pela brutalidade e pela prepotência e que acabou por ver esse regime suplantado pela democracia ambicionada por Tito de Morais.

Com a lição dada e com a exposição das vivências, aprendeu-se mais naquela sala do Palácio Galveias do que em muitos compêndios da História Portuguesa do século XX.

Declaro aberta a semana das Comemorações Nacionais do Centenário do Nascimento de Manuel Tito de Morais.

Senhora Embaixadora da República Democrática e Popular da Argélia, Fatiha Selmane
Senhores Membros da Mesa
Senhora Presidente da Comissão Executiva Dr.ª Carolina Tito de Morais
Minhas Senhoras e meus Senhores

Do que pode falar o Coordenador da Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais no dia em que se começam a realizar todas as acções que foram idealizadas e programadas ao longo de um ano?

Possivelmente de muito, maçando uma audiência que aguarda com o maior interesse o que têm a dizer a representante da Editora Guerra e Paz, Teresa Loureiro, a representante da família, Teresa Tito de Morais Mendes e especialmente os nossos brilhantes oradores convidados, Pedro Coelho e Fernando Rosas.

Mas prefiro não o fazer e deixar só o meu agradecimento a todos os ilustres membros da Comissão de Honra, com especial ênfase para o Senhor Presidente da República que anuiu em presidi-la, aos Senhores Presidente da Assembleia da República e Primeiro-Ministro, aos Senhores Representantes do Poder Judicial, ao Senhor Presidente da Região Autónoma dos Açores, aos Senhores Presidentes de Câmaras Municipais, ao Presidente do Partido Socialista Nacional e aos Presidentes dos PS Regionais que, ao integrá-la, transformaram esta iniciativa cívica de um grupo de familiares e amigos de Tito de Morais, num acto de reconhecimento nacional de uma das mais íntegras personalidades portuguesas do Século XX.

Prefiro agradecer a Abdelaziz Bouteflika, a Felipe Gonzalez e a Pierre Schori por terem internacionalizado este reconhecimento.

Prefiro agradecer ao Dr. Jaime Gama a homenagem que amanhã vai fazer na Casa da Democracia a um dos seus pares que o antecedeu, e que por ela tanto fez.

Prefiro agradecer à vereadora da Câmara Municipal de Lisboa, Dr.ª Catarina Vaz Pinto, a cedência do Palácio Galveias para se realizar esta sessão inaugural e ao Dr. António Costa a homenagem que o povo de Lisboa vai fazer depois de amanhã com a perpetuação em bronze da memória de um dos seus mais ilustres munícipes.

Prefiro agradecer ao Dr. Mário Soares e ao Dr. António Reis as sessões evocativas e históricas que vão promover nos dias seguintes, na Fundação Mário Soares e no Grande Oriente Lusitano.

Prefiro agradecer ao Partido Socialista nas pessoas do seu presidente, Dr. Almeida Santos, e na do seu Secretário-Geral, Eng. José Sócrates, a recepção para encerramento desta semana de comemorações e todo o apoio logístico e técnico que foi prestado à Comissão Executiva.

Prefiro agradecer ao escultor Francisco Simões a sua arte, a Teresa Loureiro e à sua equipa a edição da fotobiografia, a Mário Soares o prefácio que a enriqueceu, a Pedro Clérigo, a Anabela Almeida e à equipa da Panavídeo a produção do magnífico documentário “Antes Quebrar que Torcer”, a Jorge Wemans e à equipa da RTP2 que patrocinaram esse registo histórico, a Teresa Fonseca, Rui Pereira Costa e à equipa da Assembleia da República que produziu a brochura biográfica e preparou a sessão e a exposição, a Pedro Coelho e à equipa dos CTT que produziram o inteiro-postal, a Jorge Seguro Sanches e à equipa do Acção Socialista que divulgaram os nossos trabalhos, a José Augusto de Carvalho, a Francisco Sandoval e à equipa que com eles e com o José Neves e a Maria José Gama concretizaram o Número Especial Comemorativo do Portugal Socialista de que Tito de Morais foi fundador, a todos os autores que se disponibilizaram a prestar os seus depoimentos, a André Figueiredo e às equipas de apoio e gráficas do Partido Socialista, em especial ao Guilherme de Azevedo, ao Miguel Andrade e à Paula Perna que connosco colaboraram.

Prefiro agradecer os patrocínios da Martins Lemos, e da Triunfadora na construção do catálogo-programa e, ao Partido Socialista por ter adquirido o número de exemplares suficiente da fotobiografia que permitiram a sua edição.

Prefiro agradecer a todos os militantes do Partido Socialista as inúmeras manifestações de regozijo e respeito que têm promovido em memória de um dos três primeiros fundadores do Partido Socialista, através das sessões especiais e da aprovação dos votos de homenagem que, do norte ao sul do País, e no estrangeiro, têm obtido unanimidade e, a maior parte das vezes, aclamação.

Prefiro agradecer à nossa querida presidente Carolina o arranque da iniciativa e através dela a todos os membros da Comissão Executiva, o trabalho, a determinação e o esforço voluntário que proporcionaram levar a bom porto estas comemorações.

Finalmente prefiro agradecer ao Almirante Tito Augusto de Morais e a Carolina Loureiro de Macedo de Morais o acto de amor que foi ter dado a esta Nação um filho da têmpera de Manuel Alfredo Tito de Morais que hoje evocamos no seu centésimo aniversário.

O Tito sabe que o seu exemplo é a nossa lição de futuro e nós sabemos que nos compete passar os princípios por ele legados às gerações vindouras.

A todos, muito obrigado.
Luís Novaes Tito
2010.06.28

Abertura das Comemorações - Fotobiografia

Fotobiografias de Tito de Morais


Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.214/2010]

Abertura das Comemorações do Centenário de Tito de Morais

Convite Palácio Galveias

Abertura das Comemorações do Centenário de Tito de Morais
Hoje, dia 28 de Junho de 2010, 19:30 horas
Palácio Galveias, Campo Pequeno, Lisboa.

Mesa
Oradores convidados: Fernando Rosas e Pedro Coelho
Representante da família: Teresa Tito de Morais Mendes
Representante da Editora Guerra e Paz: Maria Teresa Loureiro
Coordenador da Comissão Executiva: Luís Novaes Tito
Vereadora da CML: Catarina Vaz Pinto

Apresentação da fotobiografia e do Calendário Geral das Comemorações do Centenário

Nota: Tito de Morais faria 100 anos no dia 28 de Junho

Blog da Comissão Executiva das CCTM
LNT
[0.213/2010]

sábado, 26 de junho de 2010

Olá!

Luís Novaes Tito - 2 anos


Sorrisos
e
abraços


LNT
[0.212/2010]


Antes quebrar que torcer [ II ]


Documentário sobre a vida de Tito de Morais a passar na RTP2, hoje, dia 26 de Junho de 2010, às 21:00 horas.
Pode igualmente ver o vídeo oficial da promoção e o teaser banda sonora no site da Panavídeo.

Sinopse Documentário
Manuel Tito de Morais – Antes Quebrar que Torcer

Exílio. Prisão. Perseguição. Clandestinidade. Tortura. Conspiração. Luta. Privação. Sacrifício. Conquista. Construção. Renúncia. Convicção. Manuel Tito de Morais – 1910-1999

Irene Flunser Pimentel, Mário Soares, António Guterres, Almeida Santos, Jaime Gama, Manuel Alegre, António Capucho, Carlos Brito, Adriano Moreira, Pedro Pezarat Correia, Adelino Tito de Morais, António Reis, Carolina Tito de Morais, Luís Novaes Tito, Luisa Tito de Morais, M. Conceição Tito de Morais Pires, Pedro Tito de Morais e Teresa Tito de Morais Mendes, testemunham sobre Manuel Tito de Morais e sobre uma época de quase meio século de ditadura e a sua transição para a Democracia. “Antes Quebrar que Torcer”, um documentário biográfico sobre o político Manuel Tito de Morais.

Manuel Tito de Morais deu os primeiros passos no rescaldo da implantação da República em 1910, um momento histórico para o qual o seu pai muito contribuiu, ao bombardear o Palácio das Necessidades e provocar a fuga da família real. E a verdade é que os valores que nortearam a implantação da República – liberdade, igualdade, fraternidade – serviram de inspiração à longa vida de Tito de Morais.

Desde muito jovem que se manifestou contra a ditadura, sendo desde logo uma voz dissonante e contra a corrente. Por isso foi perseguido, preso, torturado. Teve dois casamentos e oito filhos e a sua família sofreu também o preço dos seus ideais. Viveu em Angola, onde conheceu o lado mais violento do regime. Seguiram-se os exílios no Brasil, em Argel e em Itália. Foi alvo de uma tentativa de emboscada que lhe poderia ter custado a vida. Liderou importantes movimentos de oposição ao regime a partir do exterior. E sem nunca desistir, conseguiu impor a sua visão: criar um Partido Socialista. “Ele já era do Partido Socialista antes do Partido Socialista o ser”, diz Manuel Alegre.

A liberdade por que tanto lutou chegou finalmente quando tinha 64 anos. Regressou do exílio no célebre “comboio da liberdade” com os seus companheiros de luta Mário Soares e Ramos da Costa. Quando parecia que já não havia mais nada para fazer, arregaçou as mangas e dedicou-se à organização do Partido na legalidade. Vieram as conquistas da democracia e da liberdade mas também as divergências. Foi Secretário de Estado e Presidente da Assembleia da República mas nunca se deixou corromper pelo deslumbre do poder. Renunciou a deputado quando a orientação do Partido não era que ele defendia e manifestou-se contra as coligações no governo. “Sem ele, a história recente da Democracia não teria sido a mesma” diz António Guterres. Intransigente e teimoso, diz quem o conheceu que Manuel Tito de Morais era de antes quebrar que torcer.

Duração: 58’
Realização – Pedro Clérigo
Jornalista/Guião – Anabela Almeida
Dir. Fotografia/ Imagem – Jorge Afonso
Banda Sonora Original– António José de Almeida
Pós-Produção Áudio – Samuel Rebelo Pós-Produção
HD - Pedro Clérigo
Coordenação Geral Panavideo – Telma Teixeira da Silva
Produção - Panavídeo


LNT
[0.211/2010]

sexta-feira, 25 de junho de 2010

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Sala cheia

Bertand - Lançamento da Fotobiografia de Tito de Morais (2010.06.24)


O lançamento da fotobiografia de Manuel Tito de Morais realizado hoje, dia 24 de Junho de 2010, na Bertrand Chiado, foi o primeiro momento público que antecedeu as Comemorações do Centenário de Tito de Morais a iniciar na próxima segunda-feira, dia 28 de Junho.

Com mais de uma centena de presenças, Teresa Loureiro, Nuno Tito de Morais Ramos de Almeida e Guilherme d’Oliveira Martins, desenvolveram abordagens da obra e da personalidade biografada nas perspectivas editorial da fotobiografia, histórico-familiar e de análise do percurso percorrido por Tito de Morais desde a resistência à ditadura até ao desempenho, por sufrágio democrático, da posição de segunda figura do Estado.

Luísa Tito de Morais, coordenadora do Grupo de Trabalho da Comissão Executiva para a Fotobiografia, foi merecedora de uma salva de palmas de toda a assistência em reconhecimento pelo registo que, com toda a sua equipa – Maria José Gama, Álvaro Sales Lopes, Jaime Mendes e Luís Novaes Tito –, deixou para as gerações vindouras.

O segundo e último momento público anterior às comemorações será a passagem na RTP2, no próximo sábado, dia 26 de Junho, às 21:00 horas, de um documentário sobre a vida de Manuel Tito de Morais. Uma produção da Panavídeo.
LNT
[0.209/2010]

Referências
Agradecimento especial ao sempre atento Leonel Vicente – Memória Virtual

Também publicado no Blog da Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais (CCTM)

Fotobiografia de Tito de Morais

Convite Fotobiografia Guerra e Paz Bertrand CCTM

Com apresentação de Guilherme d'Oliveira Martins e de Nuno Tito de Morais Ramos de Almeida, vai ser lançada na Livraria Bertrand do Chiado, hoje, dia 24 de Junho de 2010, pelas 18:30 horas, a fotobiografia de Manuel Tito de Morais, um trabalho da Comissão Executiva das Comemorações do Centenário de Tito de Morais.

Editada pela Guerra e Paz, a fotobiografia com prefácio da autoria de Mário Soares, resultou da pesquisa e texto de Luísa Tito de Morais, Maria José Gama, Álvaro Sales Lopes, Jaime Mendes e Luís Novaes Tito.

Fontes:
Espólio de Manuel Alfredo Tito de Morais; Entrevista a Manuel Tito de Morais, por Maria José Gama, Acção Socialista, 1991; A Vontade Política Inquebrantável de Tito de Morais, artigo de José Neves, 2010; SALAZAR, Biografia da Ditadura, por Pedro Ramos de Almeida, editorial Avante, 1999; Cem Anos de Esperança, por Isabel Soares, Edições Portugal Socialista, Setembro de 1979; Comissão Nacional das Eleições (CNE); Diário da Assembleia da República; Vencer a Crise Preparar o Futuro – Um ano de Governo Constitucional, Secretaria de Estado da Comunicação Social; Publicação "Algumas Reflexões sobre os Problemas da Assembleia da República", Manuel Tito de Morais, Gabinete PAR, 28 de Setembro de 1984.

Manuel Tito de Morais
FOTOBIOGRAFIA
Livro cartonado no formato 20x26 cm, com capa directa a 4/0 cores plastificada a mate. Miolo em Papel Couchê Volume 150gr a 4/4 cores. Guerra e Paz Editores.
Capa: Ilídio Vasco.
Paginação: Gráfica 99
€ 22

LNT
[0.208/2010]

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Perfeitos

GuimIsto dos pretéritos-perfeitos tem muito que se lhe diga. Por exemplo, há quem afirme que por aqui já se rabiscou em escrita alternativa, venha isso a ser boa ou má moeda a entender.

Sei que para alguns será boa, que poderá significar escrita de alternativa mas para outros, para os agrestes, traduz-se como escrita de alterne.

É como os pretéritos-perfeitos, dizia no início deste trabalhoso e curto texto, informando que sobre os pretéritos e sobre os perfeitos há muito que se lhe diga. Se forem no modo indicativo a coisa está feita e concluida. Se forem no modo subjuntivo temos coisa terminada no futuro quando (e se) algo acontecer. Uma chatice.
LNT
[0.207/2010]

Já fui feliz aqui [ DCCLII ]

Leica
Leica - Por aí (em tempos que já lá vão)
LNT
[0.206/2010]

terça-feira, 22 de junho de 2010

Sete a zero

AdamastorEis aqui, quase cume da cabeça
da Europa toda, o Reino Lusitano,
onde a terra se acaba e o Mar começa
e onde Febo repousa no Oceano.
Este quis o Céu justo que floreça
nas armas contra o torpe Mauritano,
deitando-o de si fora; e lá na ardente
África estar quieto o não consente.
A coisa está no papo. Depois de Bento, a bola. Depois de Lanzarote, Lisboa. Depois de zero, os sete. A tribo não sai dos cabeçalhos mundiais onde se afirma no divino, no profano e no excessivo.

Passados quinhentos e vinte e três anos de Bartolomeu Dias ter rebaptizado as tormentas como boa esperança, os novos navegadores oriundos dos quatro cantos do mundo que o astrolábio e a perseverança dos antigos conseguiu reunir desde a santa terrinha às terras de Vera Cruz e ás que Bartolomeu Perestrelo pisou, fazem o feito de encher de brio uma terra orgulhosa dos seus jeitos mesmo que continue a ser tão pobre como era antes do império.

Das bestas e dos bestiais já não são buzinadelas que se ouvem mas sim o monocórdico e igualitário vuvuzelar, arte suprema que acultura o Adamastor e nos leva, além da dor, às glórias que a Pátria tanto almeja.

Heróis do Mar, nobre povo.
LNT
[0.205/2010]

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Já fui feliz aqui [ DCCLI ]

Igreja de São Simão
Igreja de São Simão - Azeitão - Portugal
LNT
[0.204/2010]

Ignorância

ManequinsÉ no mínimo estranho este Mundo onde se aplaude quando se exige silêncio, onde se usa ácido quando se exige açúcar, onde se age privado quando se exige público.

Digo “no mínimo estranho” para não aprofundar a descaracterização total do que nos identifica e para evitar rotular comportamentos de quem não sabe estar no mundo dos homens e dos seus significados.

Tudo isto é espelho da decadência e resulta da impreparação ético-cívica de quem desempenha cargos públicos a todos os níveis. Vai do mais alto que se abstém do seu papel representativo ao mais baixo que se apresenta num canal público, em dia de luto nacional, de gravata berrante a questionar quem quer recolhimento com as mais inacreditáveis cretinices.

A culpa talvez não seja deles mas de nós que somos cada vez menos exigentes.

A causa talvez não resida só na incapacidade dos pais transmitirem aos filhos os conceitos base dos comportamentos em sociedade, mas nesta bandalheira ignóbil que transformou Portugal numa gigante bancada de futebol incapaz de assistir ao jogo sem insultar o árbitro por ele não se dar ao respeito e sem esbofetear o vizinho de cadeira por ele usar uma camisola diferente.

Na fona da instrução para a inscrição estamos a transformar este País num reduto de ignorantes com estudos.
LNT
[0.203/2010]

sábado, 19 de junho de 2010

lucidez

Saramago
"Os movimentos das agulhas foram rápidos, precipitados, violentos. Outra pausa. Então perguntou o agente. O técnico tardava a responder, o agente insistiu. Então, que diz a máquina. A máquina diz que o senhor mentiu, respondeu confuso o técnico. É impossível, gritou o agente, eu disse a verdade, não votei em branco, sou um profissional do serviço secreto, um patriota que defende os interesses da nação, a máquina deve é estar avariada. Não se canse, não se justifique, disse a mulher, acredito que tenha dito a verdade, que não votou em branco nem votará, mas recordo-lhe que não era disso que se tratava, eu só pretendi demonstrar-lhe, e consegui, que não nos podemos fiar demasiado no nosso corpo. A culpa foi toda sua, pôs-me nervoso. Claro, a culpa foi minha, a culpa foi da eva tentadora, mas a nós ninguém veio perguntar se nos sentimos nervosos quando nos vemos atados a essa maquineta. O que vos põe nervosos é a culpa, Talvez, mas então vá lá dizer ao seu chefe por que é que, estando você inocente das nossas maldades, se portou como um culpado, Não tenho nada para dizer ao meu chefe, o que se passou aqui é como se nunca tivesse sucedido, respondeu o agente. Depois, dirigindo-se ao técnico, Dê-me esse papel, e já sabe, silêncio absoluto se não quiser vir a arrepender-se de ter nascido, Sim senhor, fique descansado, a minha boca não se abrirá. Eu também nada direi, acrescentou a mulher, mas ao menos explique lá ao ministro que as astúcias não serviram de nada, que todos nós continuaremos a mentir quando dissermos a verdade, que continuaremos a dizer a verdade quando estivermos a mentir, tal como ele, tal como você, agora imagine que eu lhe tinha perguntado se queria ir para a cama comigo, que responderia, que diria a máquina."
José Saramago
Ensaio sobre a lucidez
Caminho
LNT
[0.201/2010]

Já fui feliz aqui [ DCCXLIX ]

Jack Nicholson
Jack Nicholson - Voando sobre um ninho de cucos (One Flew Over the Cuckoo's Nest) - USA
LNT
[0.200/2010]

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Reminiscências da Inquisição

PulhaAqueles que já viveram mais tempo lembram-se deles, dos pulhas, que estabeleciam laços de proximidade para explorarem a linguagem descontraída e muitas vezes excessiva que é usada em privado, entre gente próxima e em processo comum. Esses que já viveram o tempo suficiente para terem conhecido os pulhas sabiam, na altura, que tinham de desconfiar de quem se aproximava e não dar largas ao discurso descontraído e despreocupado porque uma palavra excessiva ou uma imagem ou ideia mais acutilante, poderia vir a ser usada, muitas vezes com descontextualização e adulteração, para atirar com quem a proferisse para uma sala de 2x2 e para o interrogatório e sevícia dos esbirros da intolerância e da censura.

Esses, que já viveram esse tempo, às vezes esquecem-se que há sempre, mesmo em liberdade e em tempos de confiança, algum pulha que renasce do esgoto dos autos de fé, das fogueiras públicas, para fazer o jogo da pulhice, transformando meias-verdades em verdades absolutas e a reserva do privado no combustível para a pira.

Estranho é que continue a haver sempre, até entre gente reconhecida como de bem, quem se ofereça para fornecer ao pulha o lume para a fogueira. Esses, de uma coisa podem ter a certeza: Vai haver um dia em que, ao lhe passarem o indutor, vão dizer uma palavra mais descuidada que os fará arder em fogueira futura.
LNT
[0.199/2010]

Já fui feliz aqui [ DCCXLVIII ]

Simplex
SimpleX - Campanha eleitoral/PS - Portugal
LNT
[0.198/2010]

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Antes quebrar que torcer [ I ]


Filme promocional do documentário sobre a vida de Tito de Morais a passar na RTP2, dia 26 de Junho de 2010, às 21:00 horas

Sinopse Documentário
Manuel Tito de Morais – Antes Quebrar que Torcer

Exílio. Prisão. Perseguição. Clandestinidade. Tortura. Conspiração. Luta. Privação. Sacrifício. Conquista. Construção. Renúncia. Convicção. Manuel Tito de Morais – 1910-1999

Irene Flunser Pimentel, Mário Soares, António Guterres, Almeida Santos, Jaime Gama, Manuel Alegre, António Capucho, Carlos Brito, Adriano Moreira, Pedro Pezarat Correia, Adelino Tito de Morais, António Reis, Carolina Tito de Morais, Luís Novaes Tito, Luisa Tito de Morais, M. Conceição Tito de Morais Pires, Pedro Tito de Morais e Teresa Tito de Morais Mendes, testemunham sobre Manuel Tito de Morais e sobre uma época de quase meio século de ditadura e a sua transição para a Democracia. “Antes Quebrar que Torcer”, um documentário biográfico sobre o político Manuel Tito de Morais.

Manuel Tito de Morais deu os primeiros passos no rescaldo da implantação da República em 1910, um momento histórico para o qual o seu pai muito contribuiu, ao bombardear o Palácio das Necessidades e provocar a fuga da família real. E a verdade é que os valores que nortearam a implantação da República – liberdade, igualdade, fraternidade – serviram de inspiração à longa vida de Tito de Morais.

Desde muito jovem que se manifestou contra a ditadura, sendo desde logo uma voz dissonante e contra a corrente. Por isso foi perseguido, preso, torturado. Teve dois casamentos e oito filhos e a sua família sofreu também o preço dos seus ideais. Viveu em Angola, onde conheceu o lado mais violento do regime. Seguiram-se os exílios no Brasil, em Argel e em Itália. Foi alvo de uma tentativa de emboscada que lhe poderia ter custado a vida. Liderou importantes movimentos de oposição ao regime a partir do exterior. E sem nunca desistir, conseguiu impor a sua visão: criar um Partido Socialista. “Ele já era do Partido Socialista antes do Partido Socialista o ser”, diz Manuel Alegre.

A liberdade por que tanto lutou chegou finalmente quando tinha 64 anos. Regressou do exílio no célebre “comboio da liberdade” com os seus companheiros de luta Mário Soares e Ramos da Costa. Quando parecia que já não havia mais nada para fazer, arregaçou as mangas e dedicou-se à organização do Partido na legalidade. Vieram as conquistas da democracia e da liberdade mas também as divergências. Foi Secretário de Estado e Presidente da Assembleia da República mas nunca se deixou corromper pelo deslumbre do poder. Renunciou a deputado quando a orientação do Partido não era que ele defendia e manifestou-se contra as coligações no governo. “Sem ele, a história recente da Democracia não teria sido a mesma” diz António Guterres. Intransigente e teimoso, diz quem o conheceu que Manuel Tito de Morais era de antes quebrar que torcer.

Duração: 58’
Realização – Pedro Clérigo
Jornalista/Guião – Anabela Almeida
Dir. Fotografia/ Imagem – Jorge Afonso
Banda Sonora Original– António José de Almeida
Pós-Produção Áudio – Samuel Rebelo Pós-Produção
HD - Pedro Clérigo
Coordenação Geral Panavideo – Telma Teixeira da Silva


LNT
[0.197/2010]

quarta-feira, 16 de junho de 2010

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Pau carunchoso

PreservativosA direita encostada à Igreja anda em desatino com o casamento. Aliás, a direita evangélica sempre andou em desatino com o casamento. Foi assim com o casamento civil, foi assim com o divórcio e é agora assim com esta nova forma de dar aos cidadãos os mesmos direitos independentemente das suas opções.

A direita encostada à Igreja vive em permanente sobressalto com medo que se saiba que nessa mesma direita encostada à Igreja se faz sexo fora do casamento, se usa preservativo dentro e fora do casamento, se fazem divórcios de casados pela Igreja, se registam casamentos fora da Igreja e, para bem do Diabo, até há gente que vive com gente do mesmo sexo. Tudo às escondidas, claro, no segredo do confessionário.

A direita encostada à Igreja anda em homilias a rogar que se leve para Belém um Santinho.

Deus os oiça!
LNT
[0.194/2010]

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Claro que não era a mesma coisa

His Masters VoiceSe a Alemanha não tivesse implementado a dose de língua de pau aos seus cidadãos que agora vai passar a exigir aos outros países seus subsidiários, continuavam todos a gesticular e a dizer que o que se está a passar no areal lusitano só decorre da aselhice dos actuais detentores do poder.

É verdade que há por aqui alguma aselhice e principalmente muito ouvido-duro mas, em todo o continente europeu, há principalmente uma vontade sub-reptícia de recuar, a todo o vapor, a um tempo anterior àquele a que nos habituámos a chamar de civilização. A qualidade de vida decorrente das lutas que os europeus travaram durante décadas para obterem vida melhor está em retrocesso, em nome de uma coisa qualquer que ninguém sabe muito bem o que é nem a quem serve.

Esse recuo ao rústico aplicado só à Grécia ou, vá lá, à Grécia, a Espanha, a Portugal e a mais uma ou outra praia do Mediterrâneo podia ser bem elucidativo do respeitinho que a finança exige às colónias de férias mas, com a entrada da Alemanha no jogo dessa mesma finança, aproveita-se para matar o social conquistado em todo o continente.

Caso para perguntar, como no slogan publicitário, se se podia viver num espaço mais federativo e social para que alguém respondesse que sim, que se podia, mas que não era a mesma coisa.
LNT
[0.192/2010]

Já fui feliz aqui [ DCCXLV ]

Armstrong/Ellington
Armstrong/Ellington - New Orleans - USA
LNT
[0.191/2010]

domingo, 6 de junho de 2010

Muitos dias tem o mês

Margarida Leitão - Muitos Dias Tem o MêsUm documentário de Margarida Leitão a não perder nos cinemas a partir de 10 de Junho.

Hoje tudo nos parece indicar que a felicidade está ao nosso alcance. Com um simples gesto de um cartão de crédito ou um telefonema, passamos a ter o que não ousávamos. Os nossos sonhos tornam-se realidade. Por todo o lado somos seduzidos por uma publicidade atractiva a adquirir bens que vão desde do indispensável e básico até ao mais supérfluo. O recurso ao crédito vulgarizou-se e o consumo democratizou-se.

Hoje várias pessoas vivem uma angústia que se repete todos os meses: serão capazes de pagar os seus empréstimos e sobreviver até ao mês seguinte? Pessoas endividadas que vivem as suas vidas ao ritmo quotidiano dos prazos, obrigações e do esforço para retomarem controlo das suas vidas. Mês a mês. Dia a dia.

Tudo na sociedade tem aparentemente um preço. Mas, qual é o preço das nossas necessidades? Aual é o preço dos nossos sonhos? Qual é o nosso preço? Será que estamos dispostos a pagá-lo?

LNT
[0.190/2010]

A espuma dos dias

Guerra ColonialOntem quando vinha para casa ouvi no rádio um locutor anunciar, com grande frenesim, que os heróis-nacionais tinham acabado de sair de um lado qualquer e se dirigiam para o aeroporto onde rumariam a terras de África para cumprir os desígnios da Nação.

Lembrei-me de imediato de outros heróis a embarcar, independentemente da justiça da guerra para onde partiam, primeiro na Rocha de Conde d’Óbidos e depois na Portela, a caminho dos desígnios nacionais de então. Lembrei-me de que muitos deles não voltaram ou retornaram em caixas, de outros que ainda hoje sofrem de mazelas físicas e morais e de que à partida, em vez de cornetas barulhentas, tinham pais, mulheres e filhos com lágrimas nos olhos e lenços brancos nas mãos.

Comparo a heroicidade de quem o fazia porque acreditava ou a isso era obrigado, em nome de uma Nação, em sacrifício de um futuro, em troca de um miserável pré e da farda militar e as fardas larócas com que estes novos heróis-milionários se enfeitam para um sucesso que se lhes deseja, mas que não lhes trará consequências em caso de falhanço.

E irrito-me por ter de ouvir a baboseira de um qualquer locutor apelar à histeria e chamar, num posto de rádio, heróis-nacionais a um bando de artistas-mercenários.
LNT
[0.189/2010]

Já fui feliz aqui [ DCCXLIV ]

Yoda
Guerra das Estrelas - Por aí
LNT
[0.188/2010]

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Comissão de Honra das CCTM

Manuel e Maria Emília Tito de MoraisA Comissão Executiva das CCTM foi constituída a partir de um grupo de familiares e de outros cidadãos amigos de Tito de Morais.

Deriva da cidadania, da vontade, da boa-vontade e do voluntariado de uma equipa que, independentemente das suas opções políticas, entendeu apelar ao exemplo ético e cívico de Tito de Morais. O patrocínio e total apoio do Partido Socialista permitiram ganhar fôlego para esta aventura que está a poucos dias de se concretizar.

A realização das iniciativas sugeridas e coordenadas pela Comissão Executiva e promovidas pela Assembleia da República, pela Câmara Municipal de Lisboa, pela RTP, pelos CTT, pela Fundação Mário Soares, pelo Grande Oriente Lusitano e pelo Partido Socialista, para além das realizadas pela própria Comissão Executiva, são a comprovação de que Portugal adquiriu já o estatuto de sociedade plural e tolerante, livre e democrática pela qual Manuel Tito de Morais sempre se bateu com sacrifício e abnegação.

Também prova disso é a Comissão de Honra presidida pelo Presidente da República, logo seguido pelo Presidente da Assembleia da República, pelo Primeiro-Ministro, pelos mais altos dignitários do Poder Judicial, pelos ex-Presidentes da República, muitos ex-Primeiros-Ministro, alguns membros do Governo e Deputados, os ex-Presidentes da Assembleia da República, alguns Conselheiros de Estado, pelo Presidente do Governo Regional dos Açores e pelos Presidentes da Câmara Municipal de Lisboa, de Cascais e de Sintra.

Rastos:USB Link
->
Blog da Comissão Executiva das CCTM ≡ Comissão de Honra

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Serviço público

BolaPara quem gosta de bola e está muito interessado nos jogos do campeonato do Mundo aqui fica o calendário dos jogos que um amigo me enviou.

Faltam as meninas que agora vão sempre dar um bacalhau aos atletas antes de eles começarem a correr em cuecas, uns atrás dos outros, depois de saírem dos balneários.

Ainda assim é interessante.
LNT
[0.186/2010]

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Parabéns à prima

MacacadasA grande novidade dos últimos dias é a Comunicação Social ter descoberto que dentro do Partido Socialista existem divergências sobre o apoio a Manuel Alegre. Os nossos órgãos da comunicação social, de vez em quando, transformam coisas velhas em coisas novas e gostam de esquecer os números que dão relevo ao que propagandeiam como, por exemplo, os que transformam um grupo em maioria e os que atribuiem a categoria de minoria a outro, por muito Nobre que seja (tenho de memória que falamos de 10 entre 200 e picos).

Os outros não estarão muito Alegres?

Alguns deles talvez não estejam. Mas se recordarmos que a nobreza está para o republicanismo, como há cinco anos os votos estiveram para a propaganda da unidade anunciada, pode ser que se ganhe o juízo suficiente de não misturar as raivinhas pessoais, com aquilo que interessa.

Fica por saber, já que falamos de aritmética e de matemática, se os resultados do último quinquénio não se ficaram a dever aos muitos votos anunciados noutro Nobre e depois assinalados com ressabiamento, à boca da urna, em quem se repimpa presentemente à sombra das árvores do Pátio dos Bichos.
LNT
[0.185/2010]