quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Botão Barbearia[0.811/2008]
Conversas de vizinhos [ II ] Conversas de vizinhos

Há dois dias Macro, do Macroscopio, publicou um texto que importa ler e que começa assim:
Mas a blogosfera é, infelizmente, ainda um lugar do vazio e da falta de alguma regulação e de tremenda desonestidade entre as pessoas. No fundo, uma extensão da sociedade de carne e osso que todos conhecemos, para o melhor e para o pior.

O texto reflecte sobre a coisa da Blogos, tenta a desculpa para a infeliz expressão "submundo" usada na Quadratura do Círculo, ensaia que o barrete só se enfia na cabeça onde serve e convida a pensar em conjunto acerca do melhor modo de REGULAR a blogosfera.

Indo por partes:

1º - O Macro é brilhante na escrita e bom na argumentação, principalmente quando diz que a blogos(fera) não é diferente da vida. Aqui há muito de bom e muito de mau, há gente boa e gente má, há cultura e ignorância, há generosidade e oportunismo e há todo o resto que se encontra no trabalho, na rua, na política e até na Missa (a quem lá vai).
A vida é isto mesmo e viver em sociedade é viver com tudo isto.

2º - Considerar a coisa Blog como um submundo é a negação da sociedade da informação, é a ignorância transformada em preconceito, é o desrespeito por quem usa estas tecnologias para se exprimir livremente e para partilhar publicamente o seu direito de opinião. Ninguém e muito menos um político com a responsabilidade de António Costa tem o direito de insultar os milhares de bloggers portugueses rotulando-os como "conjunto de indivíduos marginais ou delinquentes enquanto grupo social organizado e que se movem e actuam nesse local ou meio." (Priberam). Seja a que pretexto for e seja no contexto em que for. A AC só lhe resta pedir desculpas a quem ofendeu e ninguém está isento da ofensa porque ele a generalizou. O Vídeo onde faz a afirmação ainda está disponível no site da SIC e aí se pode confirmar a convicção com que a fez (duas vezes seguidas).

e mais importante: A Regulação da Blogosfera.
Se há matéria em que sou absolutamente liberal é nesta. A Blogosfera não pode ser regulada. A Blogosfera não deve ser regulada. A Blogosfera não é regulável. Quem o tentar fazer vai ser surpreendido pelas capacidades intrínsecas da coisa Blogos e pela criatividade, resistência e desobediência dos bloggers. A única regulação aceitável é a mesma que nos (a cada um de nós) rege na vida de todos os dias.

Sabemos que quem anda por aqui convencido do anonimato é ignorante das coisas da informática. Não há anónimos nestas matérias e se nem sempre os sabemos ou queremos identificar há sempre alguém ou alguma coisa na rede que os pode referenciar agarrando-lhes o rasto. No entanto serão os nossos princípios e a nossa capacidade de selecção que marcarão a diferença e será a nossa capacidade de reconhecer essa diferença que regulará este espaço.
LNT
Rastos:
USB Link-> Macroscopio

-> Jonasnuts ≡ Maria João Nogueira

13 comentários:

Zé Paulo disse...

Bato palmas, sentado, a este teu post.
Digo sentado, porque relaxado estou por saber que nunca chegarão a uma fórmula de regulamentar ou que não se fez para ser regulamentado.
Abçs.

Zé Paulo

António de Almeida disse...

O Vídeo onde faz a afirmação ainda está disponível no site da SIC

Para quem quiser:

http://www.youtube.com/watch?v=CxkRZZh3nxI

Helder Robalo disse...

Porque aquilo que se escreve por aqui, pela blogosfera, incomoda a muita gente é que alguma gente pretende regular/controlar a blogosfera e os bloggers!
Para mim é tão-somente isto!

JPG disse...

"Regulação" é um eufemismo para "controlo". O que implica um paradigma: a "necessidade" de controlo é directamente proporcional à importância da informação veiculada pelo meio que pretendem controlar os alvos dessa mesma informação.
Não existe "necessidade" de controlo da informação em abstracto, isto é, sem qualquer motivação intrínseca; e esta é, exclusivamente, a protecção de interesses que são inerentemente postos em causa pela circulação da dita informação.
Uma relação de causa e efeito, por conseguinte, directa, transparente e clara, por mais "argumentos" que se esgrimam para tentar justificar o injustificável.
A condenação pretensamente moralista do anonimato (heteronimia) é o sintoma mais evidente do axioma controleiro.

Planetas - Bruno disse...

Não fiquei agradavelmente impressionado com o texto, sobre tudo vindo de quem veio (Macro)...mas enfim, nem sempre podemos estar de acordo!

Carlos Freitas disse...

Adoro regulações, horários (de combóios e autocarros), até o Borda d'Água é dos mais apreciados cá por casa. Concordo com a aplicação da leitura da vida à blogoesfera, não concordo com a regulação. E dos botões necessários à regulação. Carregas neste e desregulas, carrega naquele e regulas, e assim por aí fora até ao êxtase final. E a quem será dado o poder de controlo e o fabrico do botão de controlo? Posso ser eu?

mdsol disse...

clap clap clap sr. Luís da Barbearia.
Um abraço
:))

wild disse...

Pelos vistos há alguém que gostaria de regulamentar! Regulamentos basta os que já existem, faltava-me agora era alguém a regulamentar o que as pessoas fazem, na sua casa e em frente ao seu computador! bah

Francisco Clamote disse...

Subscrevo na íntegra. Cumprimentos.

mfc disse...

Os puros irritam-me!

Once disse...

Brilhante principalmente o último parágrafo caro LNT .. assino eu :)
Cmpts

Rui Vasco Neto disse...

luís,
assino em baixo.
junto um enorme e bordálico manguito para todos os reguladores e afins
deste vosso

rvn

Carlos Gil disse...

claro que concordo com o sr. da loja!
era só o que mais faltava... ainda levava com mais um número no Cartão de Cidadão, querem lá ver... :(

abç