terça-feira, 27 de outubro de 2015

Vai ser um vale de lágrimas

Asterix PapiroDaquilo que leio e oiço vamos ter Governo lá para 6ª Feira. Foram precisos vinte e sete dias para parir um nado-morto (segundo o Priberam: "Produto da fecundação que não manifesta sinais de vida após a expulsão ou extracção do corpo da progenitora").

Felizmente em Portugal não se reproduzem elefantes senão a espécie estava em iminente risco de extinção.

Essa coisa que tanto tempo demorou a cogitar (e que considero como formalidade útil da democracia) trás consigo dois novos abcessos para os quais nem sequer haverá duodécimos para o papel timbrado.

Dos que partem, Deus os conserve, vamos ter saudades das palhaçadas do homem da economia, do colinho da comunicação social do Opus Saúde, da irrelevância da senhora que deixou pendurados os estatutos das forças de segurança e uma saudade eterna dos estremeções que o homem da educação conseguia sempre multiplicar exponencialmente.

Dos que ficam e dos que entram para a gestão esperamos a lamúria, o choradinho e a pieguice pegada, agora que vão ficar fora da sua zona de conforto.

Vai ser um vale de lágrimas até que os estalinistas se convertam ao capitalismo e aos mercados e os trotskistas se deixem de revisionismos proporcionando ao rabugento e sectário mestre-de-cerimónias uma saída airosa.

ET. Tinha-me esquecido, dos que saíram, daquela senhora que teve um gabinete no Terreiro do Paço e fez a nossa justiça engasgada andar no passo que todos sabemos.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.283/2015]
Enviar um comentário