segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Ainda pensa oferecer um Cartão FNAC Tanto neste Natal?

Cartão Tanto FNACNão julguem que o caso do Cartão Oferta da FNAC – Tanto – está esquecido. Continuo à espera da resposta da ASAE na sequência da reclamação que fiz no Livro de Reclamações da Loja da FNAC do Colombo.

Entendo que a ASAE tem muito que fazer e que a altura do Natal não é boa ocasião para alertar os consumidores para o caso de apropriação de capitais que a FNAC está a fazer aos seus clientes.

Se se tratasse de um negócio de ciganos na feira de Carcavelos, eles já estariam em campo, mas meterem-se com a FNAC é como pedir a alguns bloguistas que estão sempre na linha da frente para uma publicidade ou publicação, que denunciem o caso.

A luta continua, como diria o Che pouco antes de morrer.

Nota: Não posso deixar de agradecer a todos os que já nos seus Blogs, Facebook, Twitter, Websites, Destaques SAPO, etc. têm feito eco desta questão. Entre eles e eMail contam-se milhares. Na comunicação social nem uma linha, porque a FNAC patrociona muita coisa.

Agradecimentos de hoje:
Tomás Vasques
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Rui C. Branco
Economia e Finanças

LNT
[0.499/2011]

7 comentários:

Anónimo disse...

A propósito, em conversa com amigos veio á "baila" este assunto..
Pergunto eu:
1. O LNT recebeu o cartão de oferta. Certo ?
2. Onde se lê no verso "valido por 12 meses após o seu carregamento" acima do código de barras - o que vem a ser isso ? carregamento ?
Não ficou logo activado?
3. Se não foi LNT a adquirir, não sabe, mas conhecerá quem ofereceu. Já viu a factura/recibo de compra do cartão ?
4. O IVA , salvo demosntração em contrário (publique o talão de compra...) terá sido liquidado na compra do cartão - a regra básica
5. O cartão é sempre um "produto"
6. Para quê manter em posse um valor de 120,00 € por mais de 12 meses ? Falta de interesse em comprar ? Falta de oferta ? os preeços até tendem a aumentar.
7. Poderão ser aproveitadas promoções ? (seria mais por menos) ou as letras pequenas impedem isso ?

Roethia Secunda disse...

bom sem querer ser picuinhas
já vi fazer algumas reclamações sobre contaminação alimentar em grandes superfícies (anexando análises bacterio ilógicas) mas as grandes surfaces têm baterias de advogados e de tec's de aluguer

como diz o anome
4. O IVA , salvo demosntração

salvo seja

cruzadas contra grupos internacionais

só se tiver cartão

Luis Novaes Tito disse...

Respostas ao anónimo perguntador:
1-Certo.
2-Sei lá. Diga-me você. Pela que fui informado devido a este caso a activação faz-se no momento da compra.
3-Não, não vi. As pessoas que me oferecem coisas não têm o costume de me dar as facturas/recibos dessas coisas. Normalmente são pessoas de bom gosto.
4-Isso do IVA estou para saber. Hei-de ir à FNAC comprar um cartão oferta para ver como é facturado. O que imagino é que o IVA só será pago no momento em que se adquirir alguma coisa, como é natural. Imagino também que não comprando nada porque a FNAC se apropriou do dinheiro, o correspondente IVA não foi liquidado embora a FNAC tenha recebido o dinheiro. Quando participar este caso ao fisco irei ficar a saber como é que o fisco encara, em termos fiscais, esta receita da FNAC.
5-O cartão não é um produto. Quem o comprou fez um depósito na FNAC para ser usado por quem for o detentor do cartão. O produto será o resultado das aquisições que se farão.
6-A esta questão não respondo porque quem a faz quer saber mais do que aquilo que tem de saber. Você acha bem que alguém lhe pergunte porque é que não usa um crédito seu? Digo-lhe que tenho várias razões para não o ter feito de imediato mas deixarei essa questão para o momento em que vá a tribunal tratar deste assunto.
7-Não sei o que quer saber com esta questão.

Agora digo-lhe, anónimo curioso. As suas questões são todas muito estranhas. Você já viu alguma vez alguma coisa que diz que tem um prazo mas que não informa da data em que o prazo começa a contar nem do prazo de expiração? Tenha lá paciência, pelo menos tanta como a que eu tive para perder tempo a responder-lhe e faça o favor de não tentar ser advogado do diabo, caso não seja o próprio diabo.

Luis Novaes Tito disse...

Roethia, Não consigo entender o seu comentário.

mim expilica disse...

Grandes Grupos económicos podem através da via judicial levar a que os processos ou contra-ordenações

permaneçam a ganhar pó até se extinguirem

Os ciganos não (excepto o Tó Cigueno que se meteu no imobiliário e nas sucatas com uns sócios muito politizados (o Tó Ciguenu é assia a modo que brute como o Mata que é de Cáceres mas sabe para que lado bai u bento)


Fix mai sentido agora?
Norte-noroeste?

Resumindo disse...

A ASAE não perde tempo com esses processos

são incobráveis na maioria

é mais ou menos como ser assaltado por romenos ou ter as portadas arrancadas por um grupo de sucateiros nacionais ou de terras da vera cruz

ou dá as moradas e os nomes à polícia
ou o processo é arquivado

a bida é assi
Boa sorte prá cruzada
Espero que tenha um avogadro na famelga
dá 10 elevado a 23

Utópico disse...

Simplesmente vergonhoso como os Grandes Grupos económicos podem abusar de nós e sair impunes.

Divulguei no meu blog e no facebook.

Abraço.