sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Um dos mais curtos Governos Constitucionais

Assembleia da RepúblicaUma vez tomada a decisão pelos órgãos próprios do Partido Socialista de apresentar uma Moção de Rejeição ao Programa do Governo que vier a ser apresentado pelos Partidos componentes da Coligação que venceu as eleições no passado dia 4, parece não haver dúvida de que estamos perante o mais curto Governo constitucional da História da democracia portuguesa pós 25 de Abril.

O Presidente da República decidiu o que tinha a decidir, remetendo para o Parlamento como constitucionalmente não poderia deixar de fazer, a responsabilidade da decisão dos deputados.

O Presidente da República vai ter a oportunidade de perceber que os deputados têm todos os mesmos poderes, direitos e deveres dos quais não podem ser excluídos por preferência presidencial. Vai ter a oportunidade de entender que os deputados eleitos pela maioria dos eleitores portugueses rejeitarão a continuação das políticas que foram seguidas pelo Governo que termina agora as suas funções.

Não será a primeira vez que um Governo Constitucional verá o seu Programa de Governo rejeitado. Aconteceu anteriormente com um outro, o III Gov. Const. de Nobre da Costa, embora fosse um Governo de iniciativa presidencial e não resultante de eleições.

Rejeitado este, volta a ser tempo do Presidente intervir. Veremos o que fará, embora o seu discurso de ontem tenha deixado pouca margem para decidir em conformidade com o superior interesse nacional que tanto gosta de referir.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.281/2015]

2 comentários:

Kruzes Kanhoto disse...

A Cavaco não restará outra opção senão nomear Costa pois Passos e Portas não aceitarão permanecer em gestão;

Costa formará um governo - de coligação ou de apoio parlamentar - com PCP e BE;

A direita chumbará, sem excepção, todas as propostas do governo;

O PCP e o BE terão de aprovar as medidas de austeridade - sim, essa coisa infelizmente terá de continuar - ou o governo cai, vamos a eleições outra vez e o ciclo recomeça.

Ou seja. Estamos lixados.

Luis Novaes Tito disse...

Pouco interessa se Coelho quer ou não manter-se em funções de gestão. A partir do momento em que seja empossado isso é irrelevante porque terá de assegurar o lugar até que o PR nomeie novo PM.
Resta-lhe, se não quiser ser Governo de Gestão, recusar a nomeação e posse (que o PR ainda não fez).